Efeitos da invasão por Tradescantia zebrina Heynh. sobre regenerantes de plantas arbóreas em um fragmento de floresta estacional semidecidual secundária em Londrina (PR)

Maurício Cruz Mantoani, Jézili Dias, Mário Luís Orsi, Jose Marcelo Domingues Torezan

Resumo


Consideradas atualmente como uma das principais causas de perda de biodiversidade no planeta, as espécies exóticas invasoras causam sérios problemas para os ecossistemas naturais, acarretando até mesmo extinções locais. Surpreendentemente, muitas invasões têm origens corriqueiras, como o cultivo de plantas ornamentais em jardins. Este estudo buscou verificar os impactos da invasão biológica pela herbácea exótica Tradescantia zebrina Heynh., sobre a regeneração em um fragmento de floresta secundária. Nesse fragmento, o sub-bosque é em parte dominado por T. zebrina e, para testar a hipótese de que a mesma é responsável pela limitação da regeneração de espécies arbóreas nativas, foram implantadas parcelas em áreas com e sem a presença da espécie invasora. Todos os indivíduos de espécies arbóreas com altura entre 10 cm e 1 m foram registrados. A composição de espécies e a estrutura da regeneração foram comparadas entre os tratamentos. Tradescantia zebrina mostrou-se uma forte competidora, afetando a abundância e riqueza de espécies. Embora já tenham sido reportadas na literatura iniciativas de controle com herbicidas não-seletivos, considera-se urgente a realização de mais estudos sobre possíveis formas de controle de T. zebrina, visando o restabelecimento da vegetação nativa.


Palavras-chave


Commelinaceae; Comunidade vegetal; Espécies exóticas invasoras; Regeneração natural

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7925.2013v26n3p63

Direitos autorais 2013 Maurício Cruz Mantoani, Jézili Dias, Mário Luís Orsi, Jose Marcelo Domingues Torezan

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Biotemas. UFSC, Florianópolis, SC, Brasil, eISSN 2175-7925

Licença Creative Commons
Este periódico está licenciado conforme Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.