Síndromes de dispersão na maior área de proteção da Mata Atlântica paraibana

Camila Ângelo Jerônimo Domingues, Vanessa Nóbrega Gomes, Zelma Glebya Maciel Quirino

Resumo


O processo de dispersão de diásporos é crucial para a reprodução dos vegetais, pois eles devem chegar a um local propício para germinar. O objetivo deste artigo foi estudar aspectos morfológicos dos diásporos e determinar as síndromes de dispersão das espécies ocorrentes na maior área de proteção na Mata Atlântica paraibana, a Reserva Biológica Guaribas. Foi realizada coleta de frutos/sementes mensalmente no período de setembro de 2007 a fevereiro de 2009. Todos os diásporos das espécies em frutificação foram coletados. Após analisar características como consistência do fruto e semente, odor, cor, tamanho e peso foi determinada a síndrome de dispersão de cada espécie. Foram coletados 4.080 diásporos pertencentes a 136 espécies diferentes distribuídas em 27 famílias. A síndrome de dispersão mais abundante foi a zoocoria (58%, com 79 frutos adaptados a ela), seguida pela autocoria (29%) e pela anemocoria (13%). Durante todo o período do estudo foram encontradas espécies em frutificação, com predominância de frutos zoocóricos, um fato previsível na Mata Atlântica, que disponibiliza frutos carnosos durante todo o ano.


Palavras-chave


Diásporo; Morfologia dos frutos; Zoocoria

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7925.2013v26n3p99

Direitos autorais 2013 Camila Ângelo Jerônimo Domingues, Vanessa Nóbrega Gomes, Zelma Glebya Maciel Quirino

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Biotemas. UFSC, Florianópolis, SC, Brasil, eISSN 2175-7925

Licença Creative Commons
Este periódico está licenciado conforme Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.