Origens, distribuições e ramificações dos nervos femorais no tamanduá-bandeira (Myrmecophaga tridactyla Linnaeus, 1758)

Tharlianne Alici Martins de Souza

Resumo


O estudo dos nervos constituintes do plexo lombossacral é de extrema importância, pois relaciona os diversos aspectos evolutivos de postura e locomoção dos animais. Considerando que o nervo femoral é o maior da parte cranial do plexo lombossacral, objetivou-se descrever as origens, distribuições e ramificações dos nervos femorais no tamanduá-bandeira (Myrmecophaga tridactyla), comparando-as com a literatura que descreve animais domésticos e silvestres, de modo a estabelecer correlações de similaridades morfológicas e fornecer subsídios para as áreas afins. Foram utilizados três espécimes, preparados por meio de injeção de solução aquosa de formaldeído a 10% via artéria femoral, para sua conservação e posterior dissecação. As origens nos antímeros direito e esquerdo ocorreram dos ramos ventrais dos nervos espinhais lombares 1, 2 e 3. As distribuições e ramificações foram observadas para os músculos psoas maior e menor, ilíacos lateral e medial, pectíneo, adutor magno, sartório e quadríceps femoral. Com base nas origens dos nervos femorais do M. tridactyla, uma reconfiguração foi observada devido à variação no número de vértebras lombares (L1, L2 e L3). Entretanto, uma similaridade morfológica parcial foi mantida quanto às distribuições e ramificações, quando comparadas aos animais domésticos e silvestres considerados neste estudo.




Palavras-chave


Inervação; Ordem Pilosa; Vértebras lombares es.

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7925.2013v26n4p161

Direitos autorais 2013 Tharlianne Alici Martins de Souza

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Biotemas. UFSC, Florianópolis, SC, Brasil, eISSN 2175-7925

Licença Creative Commons
Este periódico está licenciado conforme Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.