Escarabeíneos em áreas de mineração de carvão em processo de recuperação

Autores

  • Joana Zamprônio Bett Universidade Federal de Santa Catarina
  • Patrícia Menegaz de Farias Universidade do Sul de Santa Catarina Universidade Federal de Santa Catarina
  • Pedro Giovâni da Silva Universidade Federal de Santa Catarina
  • Malva Isabel Medina Hernández Universidade Federal de Santa Catarina

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7925.2014v27n3p197

Palavras-chave:

Carvão mineral, Ecologia, Indicadores, Recuperação ambiental, Scarabaeinae

Resumo

Besouros escarabeíneos sensíveis a modificações ambientais podem apontar a recuperação de áreas degradadas. Este trabalho objetivou registrar e comparar as comunidades de Scarabaeinae em áreas com diferentes períodos de recuperação ambiental após serem usadas para mineração de carvão. O presente estudo foi realizado em duas áreas em recuperação (um e cinco anos) no município de Lauro Müller, Santa Catarina, e contou com 15 armadilhas de queda iscadas com fezes humanas em cada área. Em laboratório realizou-se a contagem, identificação e mensuração do tamanho corporal e biomassa dos espécimes capturados. Verificou-se a suficiência amostral e as variáveis de ambas as áreas foram comparadas através de teste t. As espécies registradas foram: Canthon aff. chalybaeus, Canthon angularis, Canthon rutilans cyanescens, Deltochilum multicolor, Dichotomius sericeus, Eurysternus parallelus e Ontherus sulcator. O número total de indivíduos capturados foi de 35, sendo três na área de um ano em recuperação e 32 na de cinco anos; a espécie mais abundante foi C. rutilans cyanescens (40,6%). Todas as espécies estiveram presentes na área de cinco anos, mas somente C. aff. chalybaeus e D. multicolor na área de um ano. O tamanho médio dos indivíduos amostrados na área de um ano de recuperação foi de11,03 mm e a biomassa0,051 g, enquanto que na área com cinco anos de recuperação o tamanho médio e a biomassa dos besouros escarabeíneos amostrados foi de12,25 mm e0,093 g, respectivamente.

Biografia do Autor

Joana Zamprônio Bett, Universidade Federal de Santa Catarina

Departamento de Ecologia e Zoologia

Entomologia

Patrícia Menegaz de Farias, Universidade do Sul de Santa Catarina Universidade Federal de Santa Catarina

Doutoranda em Ecologia pela Universidade Federal de Santa Catarina (2012 - presente). Mestre em Fitotecnia, ênfase em Entomologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2012). Graduação em Agronomia pela Universidade do Sul de Santa Catarina (2009). Possui experiência na área de Agronomia com ênfase em Entomologia Agrícola, atuando principalmente nos seguintes temas: Manejo Integrado de Pragas (MIP), Controle Biológico de Insetos, Bioecologia e Manejo de Organismos em Agroecossistemas e Ecologia Terrestre. Atualmente é professora na Universidade do Sul de Santa Catarina.

Pedro Giovâni da Silva, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Ecologia da Universidade Federal de Santa Catarina; Mestre em Ciências Biológicas - Biodiversidade Animal pela Universidade Federal de Santa Maria; Graduado em Ciências Biológicas pela Universidade da Região da Campanha. Linha de pesquisa: biologia, ecologia e distribuição de Scarabaeinae (Coleoptera: Scarabaeidae) em metacomunidades nos biomas Mata Atlântica e Pampa.

Malva Isabel Medina Hernández, Universidade Federal de Santa Catarina

Possui graduação em Biologia (modalidade Ecologia) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1990), mestrado em Ecologia pela Universidade Estadual de Campinas (1995) e doutorado em Ciências Biológicas (Zoologia) pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2001). É professora adjunta do Departamento de Ecologia e Zoologia do Centro de Ciências Biológicas da Universidade Federal de Santa Catarina. Faz parte do Corpo Docente do Programa de Pós-Graduação em Ecologia da mesma Universidade, onde atualmente exerce o cargo de vice-coordenadora, leciona disciplinas de Ecologia, orienta alunos de mestrado e doutorado e supervisiona atividades de pós-doutorado. Em 2007, foi agraciada com o "Prêmio Jovem Cientista XXII" do CNPq na categoria Melhor Orientador de Graduação. É consultora de órgãos de fomento e de vários periódicos científicos. Tem experiência na área de Ecologia, com ênfase em Ecologia de Comunidades, atuando principalmente nos seguintes temas: ecologia de insetos, biodiversidade e conservação, ecologia comportamental e besouros Scarabaeinae.

Publicado

2014-06-23

Edição

Seção

Short Communication