Rutina aumenta a sobrevivência das células-tronco da crista neural e atua contra danos causados pela aflatoxina B1

Autores

  • Jader Nones Universidade Federal de Santa Catarina
  • Janaína Nones Universidade Federal de Santa Catarina
  • Andrea Trentin Universidade Federal de Santa Catarina

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7925.2015v28n4p1

Palavras-chave:

Aflatoxina B1, Crista neural, Diferenciação, Proliferação, Rutina, Viabilidade celular

Resumo

A crista neural (CN) corresponde a um conjunto de células progenitoras multi e oligopotentes dotadas com potenciais neural e mesenquimal. Os derivados da CN incluem neurônios e células gliais do sistema nervoso periférico, melanócitos, células da musculatura lisa e algumas células endócrinas. No presente trabalho, investigamos pela primeira vez a influência da aflatoxina B1 (AFB1) e do flavonoide rutina na sobrevivência e proliferação da CN e de melanócitos derivados deste tipo celular. Para tal, culturas de células da CN de codornas foram tratadas com AFB1 (30 μM) e/ou rutina (20 μM) durante seis dias. A viabilidade celular foi avaliada por análises de MTT e azul de tripan e a proliferação celular através de marcação com BrdU. Melanócitos foram identificados com uso do marcador celular específico MelEM. O tratamento com a AFB1 diminuiu a viabilidade e proliferação das células da CN. O número total de células MelEM-positivas foi também reduzido após este tratamento, efeito parcialmente revertido através da adição de rutina. No entanto, uma melhor compreensão referente aos mecanismos envolvidos nas interações entre AFB1 e rutina precisarão ser realizados.

Biografia do Autor

Jader Nones, Universidade Federal de Santa Catarina

Atualmente é Professor voluntário do Departamento de Biologia Celular, Citologia e Genética da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e coordenador do Programa Estadual de Sanidade Suídea na Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (CIDASC). Realizou pós-doutorado (2012) em Biologia Celular e do Desenvolvimento pela UFSC, doutorado e mestrado em Ciências Morfológicas (2011 e 2008, respectivamente) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Graduou-se em Medicina Veterinária pela Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC (2006) e Técnico em Agropecuária pela Escola Agrotécnica Federal de Rio do Sul (2002). Trabalhou na Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural (Epagri), exercendo a função de extensionista rural (2009/2010). Tem experiência em defesa sanitária animal e morfologia, com ênfase em histologia, fisiologia e embriologia.

Janaína Nones, Universidade Federal de Santa Catarina

Possui graduação em Química, com habilitação em Licenciatura e Bacharelado (UFSC 2010), mestrado em Ciência dos Alimentos (UFSC, 2012). Atualmente é doutoranda no programa de pós-graduação em Engenharia Química (UFSC). Tem experiência na área de alimentos, atuando principalmente nos seguintes temas: micologia, micotoxinas, metodologias analíticas e métodos de descontaminação de rações.

Andrea Trentin, Universidade Federal de Santa Catarina

Possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Santa Úrsula, Rio de Janeiro (1990), mestrado em Bioquímica pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1993), doutorado em Bioquímica pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1997) e Pós-doutorado pelo Laboratoire d Embryologie Cellulaire et Moléculaire - CNRS, França. Foi coordenadora dos Programas de pós graduação em Neurociencia/UFSC (quando da implantação do curso de doutorado) e em Biologia Celular e do Desenvolvimento/UFSC (quando da criação e implantação do programa). Atualmente é professor Associado IV da Universidade Federal de Santa Catarina, bolsista de pesquisa 1C do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, sub-coordenadora do programa de pós-graduação em Biologia Celular e do Desenvolvimento, orientadora de iniciação científica, mestrado, doutorado e pós-doutorado. Tem experiência na área de Morfologia, com ênfase em Biologia Celular, Neurociências e Células Tronco, atuando principalmente nos seguintes temas: crista neural, células tronco e terapia celular, matriz extracelular, hormônio da tireóide e interação neurônio-glia. É membro da Rede Nacional de Terapia Celular (RNTC), Instituto Virtual da Glia, Instituto Nacional de Neurociências Translacional (INNT), Núcleo de Excelência Determinantes Celulares e Moleculares da Embriogênese e Organogênese. Membro da International Society for Stem Cell Research

Publicado

2015-09-29

Edição

Seção

Artigos