Ação carrapaticida sobre Rhipicephalus microplus dos extratos, frações e compostos obtidos da espécie Lecythis lurida (Lecythidaceae)

Autores

  • Sinval Garcia Pereira Universidade Federal do Maranhão/Centro de Ciências Agrárias e Ambientais.
  • José Ribamar Silva do Nascimento Júnior Graduado em Zootecnia pela Universidade Federal do Maranhão
  • Aldilene da Silva Lima Atualmente é estudante de Doutorado pela Rede Nordeste de Biotecnologia (RENORBIO).
  • Livio Martins Costa Junior Professor Adjunto IV do Centro de Ciências Agrárias e Ambientais da Universidade Federal do Maranhão.
  • Giselle Skelding Pinheiro Guilhon Atualmente é professora (Associado 3) da Universidade Federal do Pará.
  • Lourivaldo da Silva Santos Atualmente é Professor Associado IV da Universidade Federal do Pará, Diretor Adjunto do Instituto de Ciências Exatas e Naturais da UFPA (período 2014-2018), Coordenador da Área de Ciências Naturais e suas Tecnologias do INEP na UFPA, e bolsista de produtividade Nível-2 do CNPq.

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7925.2015v28n4p119

Palavras-chave:

Carrapato, Fitoquímica, Plantas do Maranhão, Triterpeno

Resumo

O Rhipicephalus microplus destaca-se entre os ectoparasitas de maior importância econômica na bovinocultura. O controle do carrapato bovino tem sido dificultado pela resistência de populações aos acaricidas sintéticos. Dessa forma, o objetivo do trabalho foi avaliar a eficiência carrapaticida de extratos, frações e metabólitos secundários de Lecythis lurida no combate ao R. microplus. Esse é o primeiro relato de estudo químico e biológico da espécie L. lurida, conhecida no cerrado leste do Maranhão, onde foi coletada, como sapucarana. Destaca-se pela sua densidade populacional e também pela exuberância de sua floração, muito visitada por várias espécies de abelhas. A investigação química revelou que os compostos obtidos da espécie L. lurida se agrupam na classe dos triterpenos, entre eles o friedelanol e a friedelina, esse último, como composto majoritário, além de misturas de triterpenos e esteroides. A avaliação da atividade carrapaticida sobre larvas e fêmeas ingurgitadas de carrapatos da espécie R. microplus revelou que apenas alguns extratos e frações apresentaram atividade moderada, considerando como parâmetros as concentrações testadas dos extratos e frações obtidos a frio e a quente de folhas e cascas de L. lurida.

Biografia do Autor

Sinval Garcia Pereira, Universidade Federal do Maranhão/Centro de Ciências Agrárias e Ambientais.

Graduado em Química Licenciatura, Especialista em Fitoquímica pela Universidade Federal do Maranhão (UFMA), Mestrado em Agroquímica (Universidade Federal de Viçosa - UFV) e Doutorado em Química (Universidade Federal do Pará - UFPA) na área de Química Orgânica com ênfase em Química de Produtos Naturais. Professor Adjunto na Universidade Federal do Maranhão no Centro de Ciências Agrárias e Ambientais (UFMA/CCAA) - Campus IV - Chapadinha-MA. Linhas de pesquisa: Agroquímica e Química de Produtos Naturais de Plantas Nativas do Cerrado Leste Maranhense em investigações de ações carrapaticida e fitotoxicidade.

José Ribamar Silva do Nascimento Júnior, Graduado em Zootecnia pela Universidade Federal do Maranhão

Graduação em Zootecnia pela Universidade Federal do Maranhão/Campus de Chapadinha-MA. Tem experiência na área de Zootecnia, atuando principalmente nos seguintes temas: forragicultura e pastagens; produção de ruminantes e sanidade animal.

Aldilene da Silva Lima, Atualmente é estudante de Doutorado pela Rede Nordeste de Biotecnologia (RENORBIO).

Mestre em Ciência Animal pela Universidade Federal do Maranhão (UFMA). Possui graduação em CIÊNCIAS BIOLÓGICAS pela Universidade Federal do Maranhão (2011). Atualmente é estudante de Doutorado pela Rede Nordeste de Biotecnologia (RENORBIO). Tem experiência na área de Parasitologia, atuando principalmente nos seguintes temas: carrapato, produtos naturais, eficiência carrapaticida.

Livio Martins Costa Junior, Professor Adjunto IV do Centro de Ciências Agrárias e Ambientais da Universidade Federal do Maranhão.

Possui graduação em Medicina Veterinária pela Universidade Estadual do Maranhão (2001), mestrado em Parasitologia pela Universidade Federal de Minas Gerais (2003), doutorado Sanduiche na Universitat Munchen (Ludwig-Maximilians) (2005), Doutorado em Parasitologia pela Universidade Federal de Minas Gerais (2007) e Pos doutorado no USDA, Estados Unidos (2014). Atualmente é Professor Adjunto IV do Centro de Ciências Agrárias e Ambientais da Universidade Federal do Maranhão. Tem experiência na área de Parasitologia, com ênfase em Acarologia e Helmintologia, atuando principalmente nos seguintes temas: Biologia e Controle de Ixodideos e Helmintos de caprinos.

Giselle Skelding Pinheiro Guilhon, Atualmente é professora (Associado 3) da Universidade Federal do Pará.

Possui graduação em Engenharia Química pela Universidade Federal do Pará (1984), mestrado em Química de Produtos Naturais pela Universidade Federal do Pará (1991) e doutorado em Química Orgânica pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (2000). Atualmente é professora (Associado 3) da Universidade Federal do Pará. Tem experiência na área de Química Orgânica, atuando principalmente na Química de Produtos Naturais, com ênfase ao estudo químico de espécies de Euphorbiaceae, Ochnaceae, Myrtaceae, Bignoniaceae, entre outras.

Lourivaldo da Silva Santos, Atualmente é Professor Associado IV da Universidade Federal do Pará, Diretor Adjunto do Instituto de Ciências Exatas e Naturais da UFPA (período 2014-2018), Coordenador da Área de Ciências Naturais e suas Tecnologias do INEP na UFPA, e bolsista de produtividade Nível-2 do CNPq.

Atualmente é Professor Associado IV da Universidade Federal do Pará, Diretor Adjunto do Instituto de Ciências Exatas e Naturais da UFPA (período 2014-2018), Coordenador da Área de Ciências Naturais e suas Tecnologias do INEP na UFPA, e bolsista de produtividade Nível-2 do CNPq. Atuou como Vice-coordenador do Programa de Pós-graduação em Química (período 03/2011 - 05/2013), Coordenador de Difusão e Eventos da Fundação Paraense de Apoio a Pesquisa do Estado do Pará-FAPESPA e Chefe do Departamento de Química da UFPA. Tem experiência na área de Química de Produtos Naturais, Recursos Florestais (Química da Madeira) com ênfase em Tecnologia e Utilização de Produtos Florestais, atuando principalmente nos seguintes temas: fungos endofíticos, reações de biotransformação, alelopatia, isolamento e identificação de produtos naturais de plantas e microorganismos.

Downloads

Publicado

2015-09-14

Edição

Seção

Artigos