Predação do morcego Pteronotus personatus (Mormoopidae) pela tarântula Lasiodora sp. (Theraphosidae, Araneae) em caverna no nordeste do Brasil

Autores

  • Sidclay Calaça Dias Universidade Federal de Sergipe
  • Patrício Adriano Rocha Universidade Federal de Sergipe
  • Leoni Silva Bomfim Universidade Federal de Sergipe
  • Stephen Francis Ferrari Universidade Federal de Sergipe

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7925.2015v28n4p173

Palavras-chave:

Chiroptera, História natural, Mygalomorphae, Sergipe

Resumo

http://dx.doi.org/10.5007/2175-7925.2015v28n4p173

O crescente número de relatos de morcegos predados por aranhas na última década pode indicar que esses eventos sejam mais frequentes do que aparentam. No presente comunicado notifica-se a predação do morcego Pteronotus personatus (Mormoopidae) pela aranha ‘caranguejeira’ Lasiodora sp. (Theraphosidae). O evento ocorreu sob o solo da Caverna do Urubu, nordeste do Brasil, e pode ser considerado como uma predação oportunística, como a maioria dos casos de predação de morcegos por estas aranhas. Apesar disso, o registro de outros indivíduos do gênero no local e a alta abundância da espécie de morcego no interior da caverna, pode indicar que essa seja uma interação mais frequente.

Biografia do Autor

Sidclay Calaça Dias, Universidade Federal de Sergipe

Graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Federal de Sergipe (2002) e mestrado em Ciências Biológicas (Zoologia) pela Universidade Federal da Paraíba (2005). Minha principal especialidade é ecologia de populações e comunidades de artrópodes (Arachnida, principalmente). Possuo publicações em periódicos especializados no Brasil e no exterior e sou parecerista ad hoc de periódicos Brasileiros e internacionais. Minhas principais áreas de concentração em pesquisas são a Amazônia Legal, a caatinga e a mata atlântica do Nordeste.

Patrício Adriano Rocha, Universidade Federal de Sergipe

Graduação em Ciências Biológicas, Mestrado em Ecologia e Conservação ( Universidade Federal de Sergipe - UFS) e Doutorado em Ciências Biológicas (Zoologia) (Universidade Federal da Paraíba). Pós-Doutorado pela UFS (PDJ/CNPq). Atualmente é Pós-doutorando (PDJ/CNPq) no Laboratório de Biologia da Conservação (UFS) e Secretário Regional (Nordeste) da SBEQ, atuando principalmente nos seguintes temas: Diversidade, ecologia e conservação de mamíferos neotropicais, com ênfase em Chiroptera.

Leoni Silva Bomfim, Universidade Federal de Sergipe

Estudante de Graduação em Ciências Biológicas da Universidade Federal de Sergipe.

Stephen Francis Ferrari, Universidade Federal de Sergipe

Graduação (University of Durham, 1983) e doutorado (University of London, 1988) em Antropologia biológica. Atualmente é professor associado I da Universidade Federal de Sergipe e pesquisador do CNPq, e atua como professor-orientador no curso de pós-graduação de Zoologia da UFPB. É também consultor ad-hoc da CAPES e do ICMBio, e membro do Primate Specialist Group da IUCN. Tem experiência na área de Ecologia, com ênfase em Primatologia, atuando principalmente nos seguintes temas: ecologia, conservação, comportamento animal, fragmentação de habitat e educação ambiental.

Publicado

2015-09-24

Edição

Seção

Comunicações Breves