Dez anos do informe brasileiro sobre espécies exóticas invasoras: avanços, lacunas e direções futuras

Rafael Dudeque Zenni, Michele de Sá Dechoum, Sílvia Renate Ziller

Resumo


Em 2004, o Ministério do Meio Ambiente contratou a elaboração do Informe Nacional sobre Espécies Exóticas Invasoras, cujos objetivos eram a coleta, a sistematização e a divulgação de informações no Brasil. Neste artigo, revisamos o que existia de conhecimento científico e normativas legais sobre invasões biológicas no Brasil antes do Informe, fazemos uma avaliação dos avanços e lacunas nos 10 anos pós-Informe e sugerimos direções futuras. Encontramos 143 artigos científicos e 65 marcos legais sobre espécies exóticas invasoras publicados entre 1999 e 2014. Os dados indicam que o Informe Nacional representa um divisor de águas para o tema no Brasil, a partir do qual aumentou a frequência da publicação de normas legais e pesquisas científicas. Identificamos avanços, ainda que aquém do necessário para considerar o tema consolidado no país. Os avanços obtidos se devem em parte à mobilização do terceiro setor e a grupos de pesquisa trabalhando separadamente. Para os próximos anos devem ser promovidos projetos de pesquisa, manejo e gestão mais ambiciosos e relevantes para fazer avançar o tema no país, contribuir para seu avanço em termos globais, embasar ações práticas de manejo e consolidar um arcabouço legal integrado que efetivamente permita-nos prevenir, manejar e controlar invasões biológicas.


Palavras-chave


Biologia de invasões; Ecologia de invasões; Informe nacional sobre espécies exóticas invasoras; Legislação; Políticas públicas

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7925.2016v29n1p133

Direitos autorais 2016 Rafael Dudeque Zenni, Michele de Sá Dechoum, Sílvia Renate Ziller

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Biotemas. UFSC, Florianópolis, SC, Brasil, eISSN 2175-7925

Licença Creative Commons
Este periódico está licenciado conforme Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.