Avaliação da produção polínica de Bromus catharticus Vahl e Guadua trinii (Nees) Nees ex Rupr. (Poaceae) para a interpretação de dados fósseis

Jefferson Nunes Radaeski, Soraia Girardi Bauermann

Resumo


http://dx.doi.org/10.5007/2175-7925.2016v29n4p9

Neste trabalho é apresentada a produção polínica por antera, por flor e por espigueta das espécies Bromus catharicus (campestre) e Guadua trinii (florestal), ambas da família Poaceae, que apresentam a síndrome da polinização divergente. Com o objetivo de averiguar diferenças de produção polínica dependente do sistema de polinização, foram coletadas dez anteras de cada táxon que após maceradas foram contabilizados os grãos de pólen em câmara de Neubauer. As morfologias polínicas também foram observadas sob microscopia óptica para estabelecer relação entre produção-morfologia dos grãos de pólen. A espécie anemófila Bromus catharticus (2.556.000 grãos de pólen por espigueta) apresenta o dobro de produção polínica por antera e por espigueta em relação à espécie com assistência biótica para polinização Guadua trinii (1.716.000 grãos de pólen por espigueta). O tamanho do grão de pólen é inversamente proporcional à produção polínica. A ornamentação microequinada não esperada para espécies anemófilas foi observada nos dois táxons. Os resultados indicam que a frequência de espécies florestais de Poaceae em registros quaternários pode ser subestimada, enquanto táxons campestres de gramíneas são superestimados, interferindo na representação de suas respectivas floras no passado.


Palavras-chave


Dinâmica de transporte polínico; Gramíneas; Tafonomia polínica

Texto completo:

PDF/A


Direitos autorais 2016 Jefferson Nunes Radaeski, Soraia Girardi Bauermann

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Biotemas. UFSC, Florianópolis, SC, Brasil, eISSN 2175-7925

Licença Creative Commons
Este periódico está licenciado conforme Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.