Percepção de agricultores familiares de Ubatuba – SP sobre serviços ecossistêmicos

Vívian Oliveira Kadry, Fatima Márquez Piña-Rodrigues, Augusto João Piratelli

Resumo


A percepção de serviços ecossistêmicos é uma ferramenta no estabelecimento de ações para conservação de ecossistemas. Em especial em áreas cobertas pela Floresta Atlântica como Ubatuba – SP, onde habitam comunidades que utilizam serviços gerados pela natureza. Este estudo avaliou a percepção sobre serviços ecossistêmicos de 20 agricultores familiares que praticam agriculturas de base ecológica em Ubatuba. Realizaram-se entrevistas semiestruturadas para identificar os serviços percebidos pelos agricultores. As respostas foram classificadas de acordo com as funções de regulação, de habitat, de produção e de informação. A seguir realizou-se o cálculo do Índice de Consolidação da Percepção do Ecossistema (ICPE). De forma geral houve baixa percepção dos serviços ecossistêmicos, sendo regulação e informação as funções que obtiveram ICPE mais elevado. Houve dissociação da relação entre floresta e produção agrícola, pois os serviços gerados pela função de habitat foram percebidos por apenas 30% dos agricultores. Os resultados evidenciaram a necessidade de uma visão integrada de Assistência Técnica e Extensão Rural agregando os órgãos de extensão e de conservação, os quais devem considerar os agricultores protagonistas de qualquer processo a ser implementado. Assim, é possível proteger a cultura local e seu conhecimento tradicional ao mesmo tempo em que se conserva a Floresta Atlântica.

 


Palavras-chave


Agricultura de base ecológica; Agricultura familiar; Comunidades tradicionais; Floresta Atlântica

Texto completo:

PDF/A

Referências


ABRAM, N. K.; MEIJAARD, E.; ANCRENAZ, M.; RUNTING, R. K.; WELLS, J. A.; GAVEAU, D.; PELLIER A. S.; MENGERSEN, K. Spatially explicit perceptions of ecosystem services and land cover change in forested regions of Borneo. Ecosystem Services, Amsterdam, v. 7, p. 116-127, 2014.

ADAMS, C. Identidade caiçara: exclusão histórica e sócio-ambiental. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE ETNOBIOLOGIA E ETNOECOLOGIA, IV, 2002, Recife. Anais... Recife: Sociedade Brasileira de Etnobiologia e Etnoecologia, 2002. p. 27-43.

ALTIERI, M. A.; TOLEDO, V. M. The agroecological revolution in Latin America: rescuing nature, ensure food sovereingnty and empowering peasants. Journal of Peasant Studies, London, v. 38, n. 3, p. 587-612, 2011.

AMOROZO, M. C. M.; MING, L. C.; SILVA, S. M. P. (Ed.). Métodos de coleta e análises de dados em etnobiologia, etnoecologia e disciplinas correlatas. Rio Claro: UNESP/CNPQ, 2002. 204 p.

ASSIS, R. L. Desenvolvimento rural sustentável no Brasil: perspectivas a partir da integração de ações públicas e privadas com base na Agroecologia. Economia Aplicada, Ribeirão Preto, v. 10, n. 1, p. 75-89, 2006.

BARBOSA, S. R. C. S.; FORMAGIO, C. C.; BARBOSA, R. V. Áreas protegidas uso e ocupação do solo, qualidade de vida e turismo no litoral norte paulista: algumas reflexões sobre o município de Ubatuba. Caderno Virtual de Turismo, Rio de Janeiro, v. 10, n. 2, p. 121-137, 2010.

BARRENA, J.; NAHUELHUAL, L.; BÁEZ, A.; SCHIAPPACASSE, I.; CERDA, C. Valuing cultural ecosystem services: agricultural heritage in Chiloé island, southern Chile. Ecosystem Services, Amsterdam, v. 7, p. 66-75, 2014.

BARRERA-BASSOLS, N.; TOLEDO, V. Ethnoecology of the Yucatec Maya: symbolism, knowledge and management of natural resources. Journal of Latin American Geography, Austin, v. 4, n. 1, p. 9-41, 2005.

BORGES, R.; PEIXOTO, A. L. Conhecimento e uso de plantas em uma comunidade caiçara do litoral sul do Estado do Rio de Janeiro, Brasil. Acta Botanica Brasilica, Belo Horizonte, v. 23, n. 3, p. 769-779, 2009.

BRITO, M. R.; SENNA-VALLE, L. Diversity of plant knowledge in a “Caiçara” community from the Brazilian Atlantic Forest coast. Acta Botanica Brasilica, Belo Horizonte, v. 26, n. 4, p. 735-747, 2012.

BUQUERA, R. B. A agroecologia e os serviços ecossistêmicos: um estudo de caso nos assentamentos de Iperó/SP. 2015. 117 f. Dissertação (Mestrado em Agroecologia e Desenvolvimento Rural) - Universidade Federal de São Carlos, Araras. 2015.

CAMARGO, P. Fundamentos da transição agroecológica: racionalidade ecológica e campesinato. Agrária, Recife, n. 7, p. 156-181, 2007.

CAMPOS, M.; VELÁZQUEZ, A.; VERDINELLI, G. B.; PRIEGO-SANTANDER, A. G.; MACCALL, M. K.; BOADA, M. Rural people’s knowledge and perception of lanscape: a case study from the Mexican pacific coast. Society and Natural Resources, Huntsville, v. 25, n. 8, p. 759-774, 2011.

CAMPOS, M. M. S. Ecofisiologia do uso de nitrogênio em espécies arbóreas da floresta ombrófila densa das terras baixas, Ubatuba, SP. 2009. 102 f. Dissertação (Mestrado em Biodiversidade Vegetal e Meio Ambiente) - Instituto de Botânica da Secretaria do Meio Ambiente, São Paulo. 2009.

CAPORAL, F. R. Agroecologia: uma nova ciência para apoiar a transição para agriculturas mais sustentáveis. Brasília: MDA/SAF, 2009. 30 p.

CARNEIRO, M. J. Ruralidade: novas identidades em construção. Estudos Sociedade e Agricultura, Rio de Janeiro, n. 11, p. 53-75, 1998.

CATI – COORDENADORIA DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA INTEGRAL. Levantamento censitário das unidades de produção agropecuária do estado de São Paulo (LUPA 2007/2008). 2015. Disponível em . Acesso em: 21 agosto 2015.

CHAN, K. M. A.; GUERRY, A. D.; BALVANERA, P.; KLAIN, S.; SATTERFIELD, T.; BASURTO, X.; BOSTROM, A.; CHUENPAGDEE, R.; GOULD, R.; HALPERN, B. S.; HANNAHS, N.; LEVINE, J.; NORTON, B.; RUCKELSHAUS, M.; RUSSELL, R.; TAM, J.; WOODSIDE, U. Where are cultural and social in ecosystem services? A framework for constructive engagement. BioScience, Uberlândia, v. 62, n. 8, p. 744-756, 2012.

COLLADO, A. C.; GALLAR, D.; CANDÓN, J. Agroecológía política: la transición social hacia sistemas agroalimentarios sustentables. Revista de Economia Crítica, La Rioja, n. 16, p. 244-277, 2013.

COSTABEBER, J. A.; MOYANO, E. Transição agroecológica e ação social coletiva. Agroecologia e Desenvolvimento Rural Sustentável, Porto Alegre, v. 1, n. 4, p. 50-60, 2000.

DALMORA, E. O papel da agricultura familiar no processo de conservação da Mata Atlântica em Santa Catarina. Modos de apropriação e transformações no sistema de gestão ambiental na década de 90. 2004. 346 f. Tese (Doutorado em Ciências Humanas) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis. 2004.

DE GROOT, R. S.; WILSON, M. A.; BOUMANS, R. M. J. A typology for the classitication, description and valuation of ecosystem functions, goods and services. Ecological Economics, Amsterdam, v. 41, p. 393-408, 2002.

DIEGUES, A. C. A construção da etno-conservação no Brasil: o desafio de novos conhecimentos e novas práticas para a conservação. São Paulo: NUPAUB, s/d. 7 p. Disponível em . Acesso em: 13 abril 2017.

DIEGUES, A. C. S. O mito moderno da natureza intocada. São Paulo: Hucitec Núcleo de apoio à pesquisa sobre populações humanas e áreas húmidas brasileiras, 2001. 169 p.

FAGERHOLM, N.; KAYHKO, N.; NDUMBARO, F.; KHAMIS, M. Community stakeholders’ knowledge in landscape assessments – Mapping indicators for landscape services. Ecological Indicators, Amsterdam, v. 18, p. 421-433, 2012.

FLEURY, L. C.; ALMEIDA, J. Populações tradicionais e conservação ambiental: uma contribuição da teoria social. Revista Brasileira de Agroecologia, Porto Alegre, v. 2, n. 3, p. 3-19, 2007.

GLIESSMAN, S. R. Agroecología: processos ecológicos em agricultura sostenible. Turrialba: CATIE, 2002. 359 p.

GLIESSMAN, S. R.; ROSADO-MAY, F. J.; GUANDARRAMA-ZUGASTI, C.; JEDLICKA, J.; COHN, A.; MENDEZ, V. E.; COHEN, R.; TRUJILLO, L.; BACON, C.; JAFFE, R. Agroecología: promoviendo una transición hacia la sostenibilidad. Ecosistemas, Almería, v. 16, n. 1, p. 13-23, 2007.

GOMES, I.; TUBALDINI, M. A. S. A percepção ambiental na agricultura familiar. In: SIMPÓSIO NACIONAL SOBRE GEOGRAFIA, PERCEPÇÃO E COGNIÇÃO DO MEIO AMBIENTE, 2005, Londrina. Anais... Londrina: UEL, 2005. p. 1-11.

GOTELLI, J. E.; ELLISON, A. M. Princípios de estatística em ecologia. Porto Alegre: Artmed, 2011. 528 p.

GUEDES, M. L. S.; BATISTA, M. A.; RAMALHO, M.; FREITAS, H. M. B.; SILVA, E. M. Breve incursão sobre a biodiversidade da Mata Atlântica. In: FRANKE, C. R.; ROCHA, P. L. B.; KLEIN, W.; GOMES, S. L (Ed.). Mata Atlântica e biodiversidade. Salvador: Edufba, 2005. p. 39-92.

GUZMÁN, E. S. Uma estratégia de sustentabilidade a partir da Agroecologia. Agroecologia e Desenvolvimento Rural Sustentável, Porto Alegre, v. 2, n. 1, p. 35-45, 2001.

HAMMER, O.; HARPER, D.A.; RYAN, P. D. Past: paleontological statistics software package for education and data analysis. Palaeontologia Electronica, Oslo, v. 4, n. 1, p. 1-9, 2001.

HANAZAKI, N.; TAMASHIRO, J. Y.; LEITÃO-FILHO, H. F.; BEGOSSI, A. Diversity of plant uses in two Caiçara communities from the Atlantic Forest coast, Brazil. Biodiversity and Conservation, New York, v. 9, p. 597-615, 2000.

HEIN, L.; KOPPEN, K.; DE GROOT, R. S.; IERLAND, E. C. Spatial scales, stakeholders and the valuation of ecosystem services. Ecological Economics, Amsterdam, v. 57, p. 209-228, 2006.

KERBER, M.; ABREU, L. S. Trajetórias de transição dos produtores de base ecológica de Ibiúna/SP e indicadores sociais de sustentabilidade. Sociedade e Desenvolvimento Rural, Brasília, v. 4, n. 1, p. 1-37, 2010.

LAMARQUE, P.; TAPPEINER, U.; TURNER, C.; STEINBACHER, N.; BARDGETT, R. D.; SZUKICS, U.; SCHERMER, M.; LAVOREL, S. Stakeholder perceptions of grassland ecosystem services in relation to knowledge on soil fertility and biodiversity. Regional Environmental Change, Berlin, v. 11, p. 791-804, 2011.

LOVATTO, P. B.; ETGES, V. E.; KARNOPP, E. A natureza na percepção dos agricultores familiares do município de Santa Cruz do Sul, RS, Brasil: algumas perspectivas para o desenvolvimento regional sustentável. Redes, Santa Cruz do Sul, v. 13, n. 1, p. 225-249, 2008.

MAFRA, M. S. H.; STADLER, H. H. C. Etnoconhecimento e conservação da biodiversidade em áreas naturais e agrícolas no planalto sul catarinense. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE SISTEMAS, 2007, Campinas. Anais... Campinas: UNICAMP, 2009. p. 1-13.

MARTINEZ, E.; LIMA, A. C.; CASALINHO, H.; BIANCHI, M.; SILVA, D.; WINCKEL, T. Agricultura e ambiente: a percepção de agricultores de base familiar em diferentes agroecossistemas no território zona sul do Rio Grande do Sul. Cadernos de Agroecologia, Porto Alegre, v. 8, n. 2, p. 1-5, 2013.

MASERA, O.; ASTIER, M.; LÓPEZ-RIADURA, S. Sustentabilidad y manejo de recursos naturales: el marco de evaluación MESMIS. México: Mundi-Prensa, 1999. 109 p.

MAZOYER, M.; ROUDART, L. História das agriculturas no mundo: do neolítico à crise contemporânea. São Paulo: Editora UNESP; Brasília: NEAD, 2010. 568 p.

MEA – MILLENIUM ECOSYSTEM ASSESSMENT. Ecosystems and human well-being: synthesis. Washington: Island Press, 2005. 167 p.

MUHAMAD, D.; OKUBO, S.; HARASHINA, K.; PARIKESIT; GUNAWAN, B.; TAKEUCHI, K. Living close to forests enhances people’s perception of ecosystem services in a forest–agricultural landscape of West Java, Indonesia. Ecosystem Services, Amsterdam, v. 8, p. 197-206, 2014.

MÜLLER, F.; BURKHARD, B. The indicator side of ecosystem services. Ecosystem Services, Amsterdam, v. 1, n. 1, p. 26-30, 2012.

MYERS, M.; MITTERMEIER, R. A.; MITTERMEIER, C. G.; FONSECA, G. A. B.; KENT, J. Biodiversity hotspots for conservation priorities. Nature, New York, v. 403, p. 853-858, 2000.

OTANI, M. N.; SOUZA, M. C. M.; MOREIRA, S. R.; CASTRO, C. E.; MARCHIORI, A.; OLIVEIRA, M. D. M.; TURCO, P. H. N. Caracterização sociocultural dos agricultores familiares de Ubatuba, estado de São Paulo. Informações Econômicas, São Paulo, v. 41, n. 4, p. 17-28, 2011.

PACÍFICO, D. A.; SOGLIO, F. K. D. Transição para agricultura de base ecológica: um processo social. Revista Brasileira de Agroecologia, Porto Alegre, v. 5, n. 2, p. 50-64, 2010.

PANIZZA, A. C. Imagens orbitais, cartas e coremas: uma proposta metodológica para o estudo da organização e da dinâmica espacial. Aplicação ao município de Ubatuba, litoral norte, estado de São Paulo, Brasil. 2004. 299 f. Tese (Doutorado em Geografia Física) - Universidade de São Paulo, São Paulo. 2004.

PILLA, M. A. C; AMOROZO, M. C. M. O conhecimento sobre os recursos vegetais alimentares em bairros rurais no Vale do Paraíba, SP, Brasil. Acta Botanica Brasilica, Belo Horizonte, v. 23, n. 4, p. 1190-1201, 2009.

RIBEIRO, M. C.; METZGER, J. P.; MARTENSEN, A. C.; PONZONI, F. J.; HIROTA, M. M. The Brazilian Atlantic Forest: how much is left, and how is the remaining forest distributed? Implications for conservation. Biological Conservation, Amsterdam, v. 142, p. 1141-1153, 2009.

RODRIGUES, M. L.; MALHEIROS, T. F.; FERNANDES, V.; DARÓS, T. D. A percepção ambiental como instrumento de apoio na gestão e na formulação de políticas públicas ambientais. Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 21, n. 3, p. 96-110, 2012.

ROSA, M.; OREY, D. C. O campo de pesquisa em etnomodelagem: as abordagens êmica, ética e dialética. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 38, n. 4, p. 865-879, 2012.

RUA, J. A ressignificação do rural e as relações cidade-campo: uma contribuição geográfica. Revista da ANPEGE, Uberlândia, n. 2, p. 45-65, 2005.

SABOURIN, E.; THOMAS, S.; EGRET, L.; AVILA, M. L. Inovação social na comercialização de produtos orgânicos e agroecológicos da agricultura familiar no Distrito Federal. Sustentabilidade em Debate, Brasília, v. 5, n. 3, p. 98-119, 2014.

SANDHU, H. S.; WRATTEN, S. D.; CULLEN, R. From poachers to gamekeepers: perceptions of farmers towards ecosystem services on arable farmland. International Journal of Agricultural Sustainability, Abingdon, v. 5, p. 1-12, 2007.

SANTOS, C. F.; SIQUEIRA, E. S.; ARAÚJO, I. T.; MAIA, Z. M. G. A agroecologia como perspectiva de sustentabilidade na agricultura familiar. Ambiente e Sociedade, São Paulo, v. 17, n. 2, p. 33-52, 2014.

SILVA, S. R. Negros na Mata Atlântica, territórios quilombolas e a conservação da natureza. 2008. 370 f. Tese (Doutorado em Geografia) - Universidade de São Paulo, São Paulo. 2008.

SILVANO, R. A. M.; SILVA, A. L.; CERONI, M.; BEGOSSI, A. Contributions of ethnobiology to the conservation of tropical rivers and streams. Aquatic Conservation: Marine and Freshwater Ecosystems, Hoboken, v. 18, p. 241-260, 2008.

SILVANO, R. A. M.; UDVARDY, S.; CERONI, M.; FARLEY, J. An ecological integrity assessment of a Brazilian Atlantic Forest watershed based on surveys of stream health and local farmers’ perceptions: implications for management. Ecological Economics, Amsterdam, v. 53, p. 369-385, 2005.

SIMÕES, E.; FERREIRA, L. C.; JOLY, C. A. O dilema de populações humanas em parques: gestão integrada entre técnicos e residentes no Núcleo Picinguaba. Sustentabilidade em Debate, Brasília, v. 2, n. 1, p. 17-32, 2011.

SWINTON, S. M.; LUPI, F.; ROBERTSON, G. P.; HAMILTON, S. K. Ecosystem services and agriculture: cultivating agricultural ecosystem for diverse benefits. Ecological Economics, Amsterdam, v. 64, n. 2, p. 245-252, 2007.

TOLEDO, V. M.; BARRERA-BASSOLS, N. A etnoecologia: uma ciência pós-normal que estuda as sabedorias tradicionais. Desenvolvimento e Meio Ambiente, Curitiba, n. 20, p. 31-45, 2009.

VERDEJO, M. E. Diagnóstico rural participativo: guia prático DRP. Brasília: MDA/Secretaria da Agricultura Familiar, 2006. 62 p.

VIANNA, L. P. De invisíveis a protagonistas: populações tradicionais e unidades de conservação. São Paulo: Annablume/Fapesp, 2008. 340 p.

VODOUCHÊ, F. G.; COULIBALY, O.; ADÉGBIDI, A; SINSIN, B. Community perception of biodiversity conservation within protected areas in Benin. Forest Policy and Economics, Göttingen, v. 12, p. 505-512, 2010.

WANDERLEY, M. N. B. Agricultura familiar e campesinato: rupturas e continuidade. Estudos Sociedade e Agricultura, Rio de Janeiro, v. 21, p. 42-61, 2003.




DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7925.2017v30n4p101

Direitos autorais 2017 Vívian Oliveira Kadry, Fatima Márquez Piña-Rodrigues, Augusto João Piratelli

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Biotemas. UFSC, Florianópolis, SC, Brasil, eISSN 2175-7925

Licença Creative Commons
Este periódico está licenciado conforme Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.