A implementação de aterros sanitários mantém a qualidade ambiental de riachos adjacentes?

Leandro Schlemmer Brasil, Karina Dias-Silva

Resumo


Quando mal depositados, os resíduos sólidos contaminam o solo, a água e o ar, causando sérios problemas para a conservação da biodiversidade. A Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) prevê que os municípios garantam a qualidade ambiental nas regiões dos aterros sanitários. Neste contexto, nosso objetivo foi avaliar comunidades de insetos aquáticos de um riacho com trechos a jusante e montante de um aterro sanitário. Nossa hipótese é que não haverá diferenças na comunidade entre os trechos (jusante e montante) partindo da premissa que aterros que seguem a PNRS não causam danos ambientais nas áreas adjacentes. Não houve alteração em qualquer aspecto da comunidade relacionada ao aterro sanitário. A única mudança observada na comunidade ocorreu entre as estações seca e chuvosa, que se relacionam com a sazonalidade e suas mudanças nas condições ambientais da água ao longo do ano. Nosso estudo, embora breve, mostra evidências primárias e pioneiras de que o PNRS pode contribuir positivamente para a conservação da qualidade biótica dos ambientes aquáticos, reforçando ainda mais a necessidade de sua implementação imediata em todo o país.


Palavras-chave


Bioindicadores; Política Nacional de Resíduos Sólidos; Poluição; Qualidade da água

Texto completo:

PDF/A (English)


DOI: http://dx.doi.org/10.5007/2175-7925.2017v30n4p41

Direitos autorais 2017 Leandro Schlemmer Brasil, Karina Dias-Silva

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Biotemas. UFSC, Florianópolis, SC, Brasil, eISSN 2175-7925

Licença Creative Commons
Este periódico está licenciado conforme Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.