Informações adicionais sobre Mycocitrus aurantium (Bionectriaceae, Hypocreales), um fungo incomum encontrado na América do Sul

Autores

  • Clarice Loguercio-Leite Instituto de Botânica, São Paulo
  • Larissa Trierveiler-Pereira Instituto de Botânica (IBt), São Paulo
  • Alice Gerlach Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Marisa Campos-Santana Universidade de Caxias do Sul
  • Cecilia Cristina Carmaran Universidad de Buenos Aires
  • Andrea Irene Romero Universidad de Buenos Aires

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7925.2018v31n1p1

Resumo

Mycocitrus Möller corresponde a um gênero tropical que contém duas espécies que formam grandes estromas em colmos de bambu. Durante um levantamento de macrofungos no estado de Santa Catarina foram coletados quatro espécimes de Mycocitrus aurantium Möller, uma espécie considerada rara por ter sido pouco citada na literatura. Os objetivos desse trabalho foram contribuir para o conhecimento sobre a morfologia da espécie, comunicar pela primeira vez a obtenção de cultura da espécie e discutir seu posicionamento filogenético com base em dados moleculares. Estudos morfológicos e filogenéticos foram conduzidos a partir de espécimes frescos e culturas. A filogenia apresentada foi construída com base na sequência do espaçador interno transcrito do DNA ribossomal (ITS). Atualmente, o gênero Mycocitrus é aceito na família Bionectriaceae (Hypocreales); entretanto, este posicionamento não se sustenta quando apenas os caracteres morfológicos são levados em consideração.

Biografia do Autor

Clarice Loguercio-Leite, Instituto de Botânica, São Paulo

Bacharelado e Licenciatura em Ciências Biológicas pela UFSC, mestrado em Biologia de Fungos pela UFPE. Atualmente, é bolsista de doutorado (CAPES) no Programa de Pós-Graduação em Botânica na UFRGS. Lattes.

Larissa Trierveiler-Pereira, Instituto de Botânica (IBt), São Paulo

Doutora em Botânica (2010-2014) pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (PPG-BOT), com estágio de doutorado sanduíche (PDSE/CAPES) no National Museum of Nature and Science, Tsukuba, Japão; Mestre em Biologia de Fungos (2008-2010) pela Universidade Federal de Pernambuco (PPG-BF); Graduanda em Ciências Biológicas (Bacharelado e Licenciatura) pela Universidade Federal de Santa Catarina (2003-2007). Possui Pós-Doutorado em Microbiologia (2015-2016) pelo Programa de Pós-Graduação em Biociências e Fisiopatologia (Universidade Estadual de Maringá). Atualmente é bolsista de Pós-Doutorado (CNPq) no Instituto de Botânica de São Paulo (Núcleo de Pesquisa em Micologia). Atua principalmente nos seguintes temas: taxonomia, sistemática molecular e aspectos ecológicos de macrofungos (Basidiomycota e Ascomycota) e Myxomycetes. 

Alice Gerlach, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutoranda em Botânica pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, com periodo de colaboraçao em Conservatoire et Jardin Botaniques de la Ville de Genève (Suiça). Mestra em Botânica pela Universidade Federal do Paraná (2012) e Graduada em Ciências Biológicas (Bacharelado e licenciatura) pela Universidade Federal de Santa Catarina (2010). Tem experiência em taxonomia de Agaricomycetes xilófilos (Basidiomycota), em taxonomia de fungos liquenizantes (Parmeliaceae) e em sistematica molecular.

Marisa Campos-Santana, Universidade de Caxias do Sul

Possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões (2004), mestrado em Biologia Vegetal pela Universidade Federal de Santa Catarina (2009), doutorado em Ciências: Botânica pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul e doutorado em Ciências Agronômicas e Engenharia Biológica pela Université catholique de Louvain- Bélgica, através de convenção internacional de cotutela tese. Realizou estágio de doutorado sanduíche (PDSE / CAPES, processo 8296 / 11-1) no Laboratório de Micologia da Universidade Católica de Louvain, Louvain-la-Neuve - Bélgica, com a supervisão do Dr. Cony Decock. Tem experiência na área de Biologia Geral, com ênfase no ensino de ciências e em Micologia (Taxonomia / Sistemática de fungos). Pós Doutorado no Centro de Ciências Agrárias e Biológicas, Instituto de Biotecnologia da Universidade de Caxias do Sul. Atua principalmente nos seguintes temas: taxonomia, sistemática molecular, biodiversidade, Hymenochaetaceae e aspectos ecológicos de macrofungos (Basidiomycota) e atividade antioxidante em macrofungos.

Cecilia Cristina Carmaran, Universidad de Buenos Aires

Doutora em Ciências Biológicas (2004) pela Universidade de Buenos Aires, Argentina; Graduada em Ciências Biológicas (Licenciatura 1992) pela Universidade de Buenos Aires, Argentina (1984-1982).Várias posições de ensino (1992-2017) . Atualmente  Professor adjunto no Departamento de Biodiversidade e Biologia Experimental, da Universidade de Buenos Aires (2015-2017).  Atualmente  Pesquisadora Independiente do CONICET e Diretora de Biodiversidade e Biologia Experimental, da Universidade de Buenos Aires. Atua principalmente nos seguintes temas: interações estabelecida por organismos fúngicos, sistemática molecular de Ascomycota.

Andrea Irene Romero, Universidad de Buenos Aires

Doutora em Ciências Biológicas (1994) pela Universidade de Buenos Aires, Argentina; Graduada em Ciências Biológicas (Licenciatura 1981) pela Universidade de Buenos Aires, Argentina (1974-1981). Professor assistente no Departamento de Biodiversidade e Biologia Experimental, da Universidade de Buenos Aires (1981-1995).  Atualmente  Pesquisadora Independiente de CONICET e Diretora do Instituto de Micologia e Botânica da Universidade de Buenos Aires e CONICET. Atua principalmente nos seguintes temas: taxonomia, sistemática molecular de Ascomycota.

Referências

BENNETT, J. W.; BENTLEY, R. Pride and prejudice: the story of ergot. Economic Botany, New York, v. 57, p. 463-416, 1999.

CASTLEBURY, L. A.; ROSSMAN, A. Y.; SUNG, G. H.; HYTEN, A. S.; SPATAFORA, J. W. Multigene phylogeny reveals new lineage for Stachybotrys chartarum, the indoor air fungus. Mycological Research, Manchester, v. 108, p. 864-872, 2004.

DOI, Y. A revision of Hypocreales with cultural observations. II. On Mycocitrus phyllostachydis (Syd.) Doi, a perfect state of Cephalosporium. Bulletin of the National Science Museum, Tokyo, v. 10, p. 31-36, 1967.

GOLOBOFF, P. A. NONA, version 2.0 for Windows. 1997. Available at <http://www.cladistics.com>. Accessed on: 27 October 2011.

HALL, T. A. BioEdit: a user-friendly biological sequence alignment editor and analysis program for Windows 95/98/NT. Nucleic Acids Symposium Series, Oxford, v. 41, p. 95-98, 1999.

HARA, K. Ascomycetes on Bamboo II. Transactions of the Mycological Society of Japan, Tokyo, v. 1, n. 4, p. 3-7, 1957.

HILÁRIO, R. R.; FERRARI, S. F. Feeding ecology of a group of buffy-headed marmosets (Callithrix flaviceps): fungi as a preferred resource. Amarican Journal of Primatology, New York, v. 72, p. 515-521, 2010.

HOLMGREN, P. K.; HOLMGREN, N. H.; BARNETT, L. C. Index Herbariorum. Part I: The Herbaria of the world. New York: New York Botanical Garden, 1990. 693 p.

HUELSENBECK, J. P.; RONQUIST, F. MrBayes: Bayesian inference of phylogenetic trees. Bioinformatics, Oxford, v. 17, p. 754-755, 2001.

JONHSTON, P. R.; MAT, T. W.; PARK, D.; HORAK, E. Hypocreopsis amplectens sp. nov., a rare fungus from New Zealand and Australia. New Zealand Journal of Botany, Wellington, v. 45, p. 715-719, 2007.

KIRK, P. M.; CANNON, P. F.; MINTER, D. W.; STALPERS, J. A. Dictionary of the Fungi. 10 ed. Oxon: CAB International, 2008. 72 p.

KORNERUP, A.; WANSCHER, J. H. Handbook of colour. London: Methuen, 1978. 243 p.

LLOYD, C. G. Mycocitrus aurantium from Pio Buck, Brazil. Mycological Notes of the Lloyd Library and Museum, Cincinnati, v. 41, p. 565-566, 1916.

MAHARACHCHIKUMBURA, S. S. N.; HYDE, K. D.; JONES, E. B. G.; MCKENZIE, E. H. C.; HUANG, S. K.; ABDEL-WAHAB, M. A.; DARANAGAMA, D. A.; DAYARATHNE, M.; D’SOUZA, M. J.; GOONASEKARA, I. D.; HONGSANAN, S.; JAYAWARDENA, R. S.; KIRK, P. M.; KONTA, S.; LIU, J. K.; LIU, Z. Y.; NORPHANPHOUN, C.; SHENOY, B. D.; XIAO, Y.; BAHKALI, A.H.; KANG, J.; SOMROTHIPOL, S.; SUETRONG, S.; WEN, T.; XU, J. Towards a natural classification and backbone tree for Sordariomycetes. Fungal Diversity, Chiang Mai, v. 72, p. 199-301, 2015.

MOLFINO, J. E. Nota sobre Mycocitrus aurantium Möll. Curiosa especie de ascomiceta de la selva de Misiones. Anales de la Sociedad Científica Argentina, Buenos Aires, v. 109, p. 137-143, 1930.

MÖLLER, A. Phycomyceten und Ascomyceten. Untersuchungen aus Brasilien. Botanische Mittheilungen aus den Tropen, New York, v. 9, p. 1-319, 1901.

RICK, J. Fungi austro-americani Fasc. V. u. VI. Annales Mycologici, Berlin, v. 5, p. 28-31, 1907.

ROGERSON, C. T. The Hypocrealean fungi (Ascomycota, Hypocreales). Mycologia, Stanford, v. 62, n. 5, p. 865-910, 1970.

ROSSMAN, A. Y.; SAMUELS, G. J.; ROFERSON, C. T.; LOWEN, R. Genera of Bionectriaceae, Hypocreaceae and Nectriaceae (Hypocreales, Ascomycetes). Studies in Mycology, Utrecht, v. 42, p. 1-248, 1999.

ROSSMAN, A. Y.; MCKEMY, A. Y.; PARDO-SCHULTHEISS, R. A.; SCHROERS, H. J. Molecular studies of the Bionectriaceae using large subunit rDNA sequences. Mycologia, Stanford, v. 93, p. 100-110, 2001.

SUNG, G. H.; HYWEL-JONES, N. L.; SUNG, J. M.; LUANGSA-ARD, J. J.; SHRESTHA, B.; SPATAFORA, J. W. Phylogenetic classification of Cordyceps and the clavicipitaceous fungi. Studies in Mycology, Utrecht, v. 57, p. 5-59, 2007.

TRIERVEILER-PEREIRA, L.; SILVA, H. C. S.; FUNEZ, L. A.; BALTAZAR, J. M. Mycophagy by small mammals: new and interesting observations from Brazil. Mycosphere, Chiang Rai, v. 7, n. 3, p. 297-304, 2016.

WHITE, T. J.; BRUNS, T. L.; LEE, S.; TAYLOR, J. W. Amplification and direct sequencing of fungal ribosomal RNA genes for phylogenetics. In: INNIS, M.; GELFAND, D. H.; SNINSKY, J. J.; WHITE, J. T. (Ed.). PCR protocols: a guide to methods and applications. San Diego: Academic Press, 1990, p. 315-322.

Publicado

2018-03-12

Edição

Seção

Artigos