Regeneração de agroflorestas: a importância da cobertura arbórea na transição florestal

Breno Moreira, Fabrício Alvim Carvalho

Resumo


Este estudo analisou e descreveu a composição, riqueza e diversidade de espécies do componente arbustivo-arbóreo nos diferentes estratos florestais de um sistema agroflorestal abandonado (~3 ha), situado em área urbana de Floresta Atlântica, no município de Juiz de Fora (MG), Brasil. Partiu-se da premissa de que o estrato arbóreo remanescente tende a auxiliar o processo de regeneração natural e sucessão florestal. Foram alocadas aleatoriamente 25 parcelas de 20 x 20 m para a análise do estrato arbóreo e subparcelas de 5 x 5 m para a análise do estrato regenerante. Observou-se uma comunidade com forte dominância específica e baixo índice de diversidade de espécies (H’) em comparação com florestas secundárias de mesma fitofisionomia na região. As análises demonstraram que a presença de indivíduos de grande porte que remanesceram no local após o processo de desbaste do sub-bosque tende a auxiliar e acelerar o processo de regeneração natural e sucessão ecológica.


Palavras-chave


Fitossociologia; Floresta Atlântica; Sucessão ecológica

Texto completo:

PDF/A

Referências


ALVEY, A. A. Promoting and preserving biodiversity in the urban forest. Urban Forestry & Urban Greening, Frederiksberg, v. 5, p. 195-201, 2006.

APG III. An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG III. Botanical Journal of the Linnean Society, London, v. 161, p. 105-121, 2009.

BARROS, K. A. R. T. Levantamento dos fragmentos florestais da cidade de Juiz de Fora. 2015. 191 f. Dissertação (Mestrado em Ecologia) - Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora. 2015.

BRITO, O. S.; CARVALHO, F. A. Estrutura e diversidade arbórea da Floresta Estacional Semidecidual secundária no Jardim Botânico da Universidade Federal de Juiz de Fora. Rodriguésia, Rio de Janeiro, v. 65, n. 4, p. 817-830, 2014.

BROWN, S.; LUGO, A. E. Tropical secondary forests. Journal of Tropical Ecology, Winchelsea, v. 6, n. 1, p. 1-32, 1990.

CARVALHO, F. A.; NASCIMENTO, M. T. Estrutura diamétrica da comunidade e das principais populações arbóreas de um remanescente de Floresta Atlântica submontana (Silva Jardim-RJ, Brasil). Revista Árvore, Viçosa, v. 33, n. 2, p. 327-337, 2009.

CASSANO, C. R.; SCHROTH, G.; FARIA, D. Landscape and farm scale management to enhance biodiversity conservation in the cocoa producing region of southern Bahia, Brazil. Biodiversity Conservation, Madrid, v. 18, p. 577-603, 2009.

CHAZDON, R. L. Chance and determinism in tropical forest sucession. In: CARSON, W. P.; SCHNITZER, S. A. (Ed.). Tropical forest community ecology. Hoboke: Wiley-Blackwell, 2008. p. 384-408.

CHAZDON, R. L.; FINEGAN, B.; CAPERS, R. S.; SALGADO-NEGRET, B.; CASANOVES, F.; BOUKILI, V.; NORDEN, N. Composition and dynamics of functional groups of trees during tropical forest succession in Northeastern Costa Rica. Biotropica, Malden, v. 42, p. 31-40, 2010.

FEAM. Mapa de solos do estado de Minas Gerais. 2011. Belo Horizonte: Fundação Estadual do Meio Ambiente. Disponível em

mapas-de-solo-do-estado-de-minas-gerais>. Acesso em: 10 outubro 2013.

FELFILI, J. M.; CARVALHO, F. A.; HAIDAR, R. F. Manual para o monitoramento de parcelas permanentes nos biomas Cerrado e Pantanal. Brasília: Universidade de Brasília, Departamento de Engenharia Florestal, 2005. 54 p.

FELFILI, J. M.; CARVALHO, F. A.; VENTUROLI, F.; PEREIRA, B. A. S.; LIBANO, A. M.; MACHADO, E. L. M. Análise multivariada: princípios e métodos em estudos de vegetação. In: FELFILI, J. M.; EISENLOHR, P. V.; MELO, M. M. R. F.; ANDRADE, L. A.; MEIRA NETO, J. A. A. (Ed.). Fitossociologia no Brasil: métodos e estudos de caso. Vol. 1. Viçosa: Editora UFV, 2011. p. 122-155.

FONSECA, C. R.; CARVALHO, F. A. Aspectos florísticos e fitossociológicos da comunidade arbórea de um fragmento urbano de Floresta Atlântica (Juiz de Fora, MG). Bioscience Journal, Uberlândia, v. 28, p. 820-832, 2012.

GONZAGA, A. P. D. Diagnóstico florístico-estrutural do componente arbóreo da floresta da Serra de São José, Tiradentes, MG, Brasil. Acta Botanica Brasilica, Belo Horizonte, v. 22, n. 2, p. 505-520, 2008.

GUARIGUATA, M. R.; LICONA, J. C.; MOSTACEDO, B.; CRONKLETON, P. Damage to Brazil nut trees (Bertholletia excelsa) during selective timber harvesting in Northern Bolivia. Forest Ecology and Management, Amsterdam, v. 25, n. 8, p. 788-793, 2009.

HAMMER, Ø.; HARPER, D. A. T.; RYAN, P. D. PAST: paleontological statistics software package for education and data analysis. 2001. Palaeontologia Electronica, PAST, 3.0. Disponível em .

HOBBS, R. J.; ARICO, S.; ARONSON, J.; BARON, J. S.; BRIDGEWATER, P.; CRAMER, V. A.; EPSTEIN, P. R.; EWEL, J. J.; KLINK, C. A.; LUGO, A. E.; NORTON, D.; OJIMA, D.; RICHARDSON, D. M.; SANDERSON, E. W.; VALLADARES, F.; VILÀ, M.; ZAMORA, R.; ZOBEL, M. Novel ecosystems: Theoretical and management aspects of the new ecological world order. Global Ecology and Biogeography, Ottawa, v. 15, n. 1, p. 1-7, 2006.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Manual técnico da vegetação brasileira. Rio de Janeiro: IBGE, 2012. 271 p.

JOSE, S. Agroforestry for ecosystem services and environmental benefits: an overview. Agroforestry Systems, Columbia, v. 76, p. 1-10, 2009.

KENT, M.; COKER, P. Vegetation description and analysis. New York: John Wiley and Sons, 1992. 365 p.

KÖPPEN, W. Das geographische System der Klimate – handbuch der klimatologie. Vol. 1. Part C. Berlim: Gebr. Bornträger Verlag, 1948. 388 p.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. Vol. 1. 5 ed. Nova Odessa: Instituto Plantarum, 2008. 368 p.

LUGO, A. E. Novel tropical forests: Nature’s response to global change. Tropical Conservation Science, Menlo Park, v. 6, n. 3, p. 325-337, 2013.

MAGURRAN, A. E. Measuring biological diversity. Malden: Blackwell Publishing, 2004. 256 p.

MOREIRA, B.; CARVALHO, F. A. A comunidade arbórea de um fragmento urbano de Floresta Atlântica após 40 anos de sucessão secundária (Juiz de Fora, MG, Brasil). Biotemas, Florianópolis, v. 26, n. 2, p. 59-70, 2013.

NORDEN, N. R. L.; CHAZDON, A.; CHAO, Y. H.; JIANG, B.; ALVARADO, V. Resilience of tropical rain forests: tree community reassembly in secondary forests. Ecology Letters, Montpellier, v. 12, p. 385-394, 2009.

OLIVEIRA-NETO, N. E. A comunidade arbórea do Jardim Botânico II: floresta com dominância da palmeira juçara, Euterpe edulis Martius. 2014. 77 f. Dissertação (Mestrado em Ecologia) - Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora. 2014.

PARROTTA, J. A. Influence of canopy composition on understory colonization by native species in plantations on a degraded tropical site. Journal of Vegetation Science, Xalapa, v. 6, p. 627-636, 1995.

SCHROTH, G.; FONSECA, G. A. B.; HARVEY, C. A.; GASCO, N. C.; VASCONCELOS, H.; IZAC, A. N. Agroforestry and biodiversity conservation in tropical landscapes. Washington: Island Press, 2004. 537 p.

SILVA-JÚNIOR, W. M. Regeneração natural de espécies arbustivo-arbóreas em dois trechos de uma Floresta Estacional Semidecidual, Viçosa , MG. Scientia Forestalis, Piracicaba, v. 66, p. 169-179, 2004.

TEKLAY, T. Decomposition and nutrient release from pruning residues of two indigenous agroforestry species during the wet and dry seasons. Nutrients Cycle in Agroecosystems, Ithaca, v. 77, p. 115-126, 2007.

TULLY, K. L.; LAWRENCE, D.; SCANLON, T. M. More trees less loss: nitrogen leaching losses decrease with increasing biomass in coffee agroforests. Agriculture, Ecosystems & Environment, Amsterdam, v. 161, p. 137-144, 2012.

WERNECK, M. S.; PEDRALLI, G.; KOENIG, R.; GIESEKE, L. F. Florística e estrutura de três trechos de uma floresta semidecídua na Estação Ecológica do Tripuí, Ouro Preto, MG. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 23, p. 97-106, 2000.




DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7925.2018v31n1p21

Direitos autorais 2018 Breno Moreira, Fabrício Alvim Carvalho

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Biotemas. UFSC, Florianópolis, SC, Brasil, eISSN 2175-7925

Licença Creative Commons
Este periódico está licenciado conforme Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.