Tamanho de sementes e fertilizante de liberação controlada na produção de mudas de Schizolobium parahyba [(Vell.) S.F. Blake)]

João Alexandre Lopes Dranski, Eduarda Thais Sonda, Jeferson Carlos Demarchi Junior

Resumo


Este trabalho testou a influência do tamanho da semente e de doses de fertilizante de liberação controlada na emergência e no crescimento de mudas de Schizolobium parahyba. As sementes foram previamente classificadas em três intervalos de classes com base no comprimento da semente: pequenas, médias e grandes. A semeadura ocorreu em tubetes de 120 cm3 preenchidos com substrato comercial e fertilizados com 3, 5 e 8 g.L-1 de fertilizante de liberação controlada. Aos sete e 21 dias da semeadura, determinaram-se a porcentagem de emergência e o vigor das mudas, respectivamente. O tempo de crescimento das mudas foi de 18 semanas após a semeadura. Ao final, foram mensurados os parâmetros de qualidade das mudas. Sementes pequenas tiveram menor velocidade e porcentagem de emergência, enquanto sementes classificadas como médias e grandes não diferiram significativamente entre si. Caso haja classificação de sementes de S. parahyba, a dose de fertilizante deverá ser planejada de acordo com o tamanho da semente, do contrário uma dose de 5 g.L-1 promoverá uma uniformidade no tamanho, com o ônus de perda de potencial de crescimento e de qualidade de mudas oriundas de sementes de maiores dimensões.


Palavras-chave


Classificação de sementes; Estabelecimento de mudas; Fertilização de mudas; Guapuruvu

Texto completo:

PDF/A

Referências


ANTUNES, L.E.C.; PICOLOTTO, L.; VIGNOLO, G.K.; GONCALVES, M.A. Influência do substrato, tamanho de sementes e maturação de frutos na formação de mudas de pitangueira. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, v.34, n.4, p.1216-1223, 2012.

BEWLEY, J.D.; BRADFORD, K.J.; HILHORST, H.W.M.; NONOGAKI, H. Seeds: Physiology of development, germination and dormancy. 3rd ed. New York: Springer, 2013. 392p.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instruções para análise de sementes de espécies florestais. Brasília: MAPA/SDA/CGAL, 2013. 97p.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Regras para análise de sementes. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Secretaria de Defesa Agropecuária. Brasília: MAPA/ACS, 2009, 395p.

CARVALHO, P.E.R. Guapuruvú. Colombo: Embrapa Florestas, 2005. 10p. (Circular Técnica, 104).

CHMURA, J.; MODRZYŃSKI, J.; CHMIELARZ, P.; TJOELKER, M.G. Plasticity in seedling morphology, biomass allocation and physiology among ten temperate tree species in response to shade is related to shade tolerance and not leaf habit. Plant Biology, Freiburg, v.19, n.2, p.172-182, 2017.

CONEGLIAN, A.; RIBEIRO, P.H.P.; MELO, B.S.; PEREIRA, R.F.; DORNELES JUNIOR, J. Initial growth of Schizolobium parahybae in Brazilian Cerrado soil under liming and mineral fertilization. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v.20, n.10, p.908-912, 2016.

DICKSON, A.; LEAF, A.L.; HOSNER, J.F. Quality appraisal of white spruce and white pine seedling stock in nurseries. Forestry Chronicle, Mattawa, v.36, p.10-13, 1960.

DURDA, F.; UHLMANN, A.; PESCADOR, R. Dosagem de carboidratos nas sementes de Shizolobium parahyba e Talauma ovata de acordo com o tamanho seminal. Revista Brasileira de Biociências, Porto Alegre, v.5, n.2, p.465-467, 2007.

GONZALO, D.A.D.; GARCIA, R.J.F.; GOMES, E.P.C. Avaliação de área recuperada sobre cava de areia em São Paulo, SP, Brasil. Hoehnea, São Paulo, v.42, n.4, p.695-701, 2015.

GROSSNICKLE, S. C. Why seedlings survive: influence of plant attributes. New Forests, Sydney, v.43, n.5, p.711-718, 2012.

JACOBS, D.F.; LANDIS, T.D. Hardening. In: DUMROESE, R.K.; LUNA, T.; LANDIS, T.D. (Eds.). Nursery manual for native plants: Guide for tribal nurseries. v.1. Washington: United States Department of Agriculture, Forest Service, 2009. p.217-228.

MACERA, L.G.; PEREIRA, S.R.; SOUZA, A.L.T. Survival and growth of tree seedlings as a function of seed size in a gallery forest under restoration. Acta Botanica Brasilica, Belo Horizonte, v.31, n.4, p.539-545, 2017.

MALAVASI, U.C.; MALAVASI, M.M. Influência do tamanho e do peso da semente na germinação e no estabelecimento de espécies de diferentes estágios da sucessão vegetal. Floresta e Ambiente, Seropédica, v.8, n.1, p.211-215, 2001.

MARCON, T.R.; TEMPONI, L.G.; GRIS, D.; FORTES, A.M.T. Guia ilustrado de Leguminosae Juss. arbóreas do Corredor de Biodiversidade Santa Maria - PR. Biota Neotropica, Campinas, v.13, n.3, p.350-373, 2013.

MATHEUS, M.T.; LOPES, J.C. Termoterapia em Sementes de Guapuruvú (Schyzolobium parahyba (Vell.) Blake). Revista Brasileira de Biociências, Porto Alegre, v.5, n.2, p.330-332, 2007.

MENEZES, T.G.C.; RODAL, M.J.N.; LIMA, A.L.A.; LIMA, L.R.; PINTO, M.A.D.S.C.; MELO, A L. Do seedling functional groups reflect ecological strategies of woody plant species in Caatinga? Acta Botanica Brasilica, Belo Horizonte, v.31, n 5, p.1-8, 2017.

PAGLIARINI, M.K.; NASSER, M.D.; NASSER, F.A.C.M.; CAVICHIOLI, J.C.; CASTILHO, R.M.M. Influência do tamanho de sementes e substratos na germinação e biometria de plântulas de jatobá. Tecnologia & Ciência Agropecuária, João Pessoa, v.8, n.5, p.33-38, 2014.

PIETROBOM, R.C.V.; OLIVEIRA, D.M.T. Morfoanatomia e ontogênese do pericarpo de Schizolobium parahyba (Vell.) Blake (Fabaceae, Caesalpinioideae). Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v.27, n.4, p.767-779, 2004.

PETRIE, M.D.; WILDEMAN, A.M.; BRADFORD, J.B.; HUBBARD, R.M.; LAUENROTH, W.K. A review of precipitation and temperature control on seedling emergence and establishment for ponderosa and lodgepole pine forest regeneration. Forest Ecology and Management, Flagstaff, v.361, p.328-338, 2016.

RESENDE, L.A.; PINTO, L.V.A. Emergência e desenvolvimento de espécies nativas em área degradada por disposição de resíduos sólidos urbanos. Revista Agrogeoambiental, Pouso Alegre, v.5, n.1, p.37-48, 2013.

ROSSA, U.B.; ANGELO, A.C.; NOGUEIRA, A.C.; BOGNOLA, I.A.; POMIANOSKI, D.J.W.; SOARES, P.R.C.; BARROS, L.T.S. Fertilização de liberação lenta no crescimento de mudas de paricá em viveiro. Pesquisa Florestal Brasileira, Colombo, v.33, n.75, p.227-234, 2013.

SIGMAPLOT. Scientific Graphing Software: Version 12.0. San Rafael: Jandel Corporation, 2011.

SOUZA, M.L.; FAGUNDES, M. Seed size as key factor in germination and seedling development of Copaifera langsdorffii (Fabaceae). American Journal of Plant Sciences, Hubei Province, v.5, n.17, p.2566-2573, 2014.

TRIANOSKI, R.; IWAKIRI, S. MATOS, J.L.M.; PRATA, J.G. Avaliação de espécies alternativas de rápido crescimento para produção de painéis de madeira aglomerada de três camadas. Scientia Forestalis, Piracicaba, v.39, n.89, p.97-104, 2011.

ZHENG, W.; WANG, P.; ZHANG. H.Z.; ZHOU, D. Photosynthetic characteristics of the cotyledon and first true leaf of castor (Ricinus communis L.). Australian Journal of Crop Science, Sydney, v.5, n.6, p.702-708, 2011.




DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7925.2019v32n2p23

Direitos autorais 2019 João Alexandre Lopes Dranski

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Biotemas. UFSC, Florianópolis, SC, Brasil, eISSN 2175-7925

Licença Creative Commons
Este periódico está licenciado conforme Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.