Fenologia reprodutiva do estrato arbustivo arbóreo em área de Cerrado da Reserva Biológica de Mogi Guaçu, SP, Brasil

Adriana de Oliveira Fidalgo

Resumo


A fenologia reprodutiva de arbustos e árvores de uma área de Cerrado da Reserva Biológica Mogi Guaçu (22°10’S; 47°11’W) foi estudada de setembro de 2009 a maio de 2013. Em um transecto de 900 m2, os indivíduos foram marcados e o número total de flores e frutos estimados mensalmente. Os dados foram analisados usando estatística circular para determinar os períodos de maior intensidade de floração e frutificação na comunidade, de acordo com seus modos de dispersão. A floração na comunidade ocorreu entre outubro e novembro. A frutificação foi distribuída continuamente ao longo do ano, com valores de r até 0,3. No último período de observação, a frutificação foi mais intensa no mês de dezembro, provavelmente devido às espécies zoocóricas. Considerando as três famílias principais, Myrtaceae floresceu e frutificou entre agosto e setembro, Malpighiaceae floresceu em novembro e frutificou entre dezembro e janeiro, e as Vochvsiaceae floresceram em janeiro e frutificaram em março. Em geral, a comunidade teve como principal característica a fraca sazonalidade de sua fenologia reprodutiva. No entanto, os eventos reprodutivos tenderam a se concentrar nos meses mais quentes do ano.


Palavras-chave


Cerrado; Floração; Frutificação; Sazonalidade

Texto completo:

PDF/A

Referências


ASSAD, E. D. Chuva nos cerrados. Análise e espacialização. Brasília: EMBRAPA/SPI, 1994. 423 p.

AZEVEDO, I. F. P.; NUNES, Y. R. F.; ÁVILA, M. A.; SILVA, D. L.; FERNANDES, G. W.; VELOSO. R. B. Phenology of riparian tree species in a transitional region in southeastern Brazil. Brazilian Journal of Botany, São Paulo, v. 37, n. 1, p. 47-59, 2014.

BATALHA, M. A.; MANTOVANI, W. Reproductive phenological patterns of cerrado plant species at the Pé-de-Gigante Reserve (Santa Rita do Passa Quatro, SP, Brazil): a comparison between the herbaceous and woody floras. Revista Brasileira de Biologia, São Carlos, v. 60, n. 1, p. 129-145, 2000.

BATALHA, M. A.; MARTINS, F. R. Reproductive phenology of the cerrado plant community in Emas National Park. Australian Journal of Botany, Collingwood, v. 52, n. 2, p. 149-161, 2004.

BATSCHELET, E. Circular statistics in biology. London: Academic Press, 1981. 371 p.

BENEDITO-SILVA, A. A. Aspectos metodológicos da cronobiologia. In: MARQUES, N.; MENNA-BARRETO, L. (Org.). Cronobiologia: princípios e aplicações. São Paulo: EDUSP, 1997. p. 215-238.

FIDALGO, A. O.; KLEINERT, A. M. P. Reproductive biology of six Brazilian Myrtaceae: is there a syndrome associated with buzz-pollination? New Zealand Jounal of Botany, Wellington, v. 47, n. 4, p. 355-365, 2009.

LENZA, E; KLINK, C. A. Comportamento fenológico de espécies lenhosas em um cerrado sentido restrito de Brasília, DF. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 29, n. 4, p. 627-638, 2006.

MANTOVANI, W.; MARTINS, F. R. Variações fenológicas das espécies de cerrado da Reserva Biológica de Mogi Guaçu. Estado de São Paulo. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 11, n. 1/2, p. 101-112, 1988.

MMA – MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Plano de ação para prevenção e controle do desmatamento e das queimadas no Cerrado – PPCerrado. Brasília: MMA. 2009. 152 p.

NEWSTROM, L. E.; FRANKIE, G. W.; BAKER, H. G. A new classification for plant phenology based on flowering in lowland tropical rain forest trees at La Selva, Costa Rica. Biotropica, Malden, v. 26, n. 2, p. 141-159, 1994.

OLIVEIRA, P. E. Fenologia e biologia reprodutiva das espécies de cerrado. In: SANO, S. M.; ALMEIDA, S. P.; RIBEIRO, J. F. (Ed.). Cerrado: ecologia e flora. Brasília: EMBRAPA, 2008. p. 275-290.

PIJL, L. van der. Principles of dispersal in higher plants. Berlin: Springer-Verlag, 1982. 214 p.

PILON, N. A. L.; UDULUTSCH, R. G.; DURIGAN, G. Padrões fenológicos de 111 espécies de Cerrado em condições de cultivo. Hoehnea, São Paulo, v. 42, n. 3, p. 425-443, 2015.

PIRANI, F. R., SANCHEZ, M.; PEDRONI, F. Fenologia de uma comunidade arbórea em cerrado sentido restrito, Barra do Garças, MT, Brasil. Acta Botanica Brasilica, Feira de Santana, v. 23, n. 4, p. 1096-1109, 2009.

SMA – SECRETARIA ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE. Resumo executivo do plano de manejo da Reserva Biológica e Estação Ecológica de Mogi-Guaçu. São Paulo: SMA, 2011. 96 p.

SILVA, I.; SILVA, D.; CARVALHO, G.; BATALHA M. Reproductive phenology of Brazil-in savannas and riparian forests: environmental and phylogenetic issues. Annals of Forest Science, Les Ulis Cedex, v. 68, n. 7, p. 1207-1215, 2011.

SILVA, P. O. Estratégias fenológicas reprodutivas de Xylopia aromatica (Lam.) Mart. (Annonaceae) em área de cerrado. Cerne, Lavras, v. 22, n. 1, p. 129-136, 2016.

TANNUS, J. L. S.; ASSIS, M. A.; MORELLATO, L. P. Fenologia reprodutiva em campo sujo e campo úmido numa área de cerrado no sudeste do Brasil, Itirapina-SP. Biota Neotropica, Campinas, v. 6, n. 3, p. 1-27, 2006.

ZAR, J.H. Biostatistical analysis. New Jersey: Prentice-Hall, 1999. 663 p.




DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7925.2019v32n3p1

Direitos autorais 2019 Adriana de Oliveira Fidalgo

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Biotemas. UFSC, Florianópolis, SC, Brasil, eISSN 2175-7925

Licença Creative Commons
Este periódico está licenciado conforme Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.