Definição de idades ótimas para expedição de mudas de Araucaria angustifolia (Bertol.) Kuntze (Araucariaceae) em função de sua qualidade e volume de recipientes

Lauri Amandio Schorn, Giulia Pandini, Ricardo Bittencourt, Tatiele Anete Bergamo Fenilli

Resumo


O experimento teve como objetivo avaliar a qualidade e o desenvolvimento de mudas de Araucaria angustifolia (Bertol.) Kuntze, de diferentes idades e produzidas em diferentes volumes de tubetes, visando determinar a idade ótima de expedição das mudas. Foram usados três volumes de tubetes (50, 100 e 200 cm³), e consideradas quatro idades de expedição (90, 120, 150 e 180 dias). O delineamento experimental foi inteiramente casualizado, em esquema fatorial 3 x 2, com 12 tratamentos e cinco repetições por tratamento, totalizando 2.400 plantas no experimento. As avaliações foram realizadas mensalmente, utilizando-se cinco mudas de cada repetição e selecionadas aleatoriamente. Foram mensuradas e determinadas as seguintes variáveis em cada ocasião: altura, diâmetro do coleto, massa seca de raízes, massa seca aérea, número de raízes secundárias e índice de qualidade de Dickson. Somente as variáveis altura, massa seca aérea e número de raízes secundárias apresentaram diferenças significativas entre os tratamentos. As idades consideradas ótimas para expedição das mudas de araucária foram de 120 dias, quando em tubete de 50 cm³, e de 150 dias, quando em tubete de 100 cm³. Para a manutenção de mudas em viveiro por períodos superiores a 150 dias, o uso de tubetes de com volume de 200 cm³ foi considerado mais adequado.


Palavras-chave


Crescimento; Massa Seca; Raízes; Viveiro

Texto completo:

PDF/A

Referências


ARAÚJO, M. M.; NAVROSKI, M. C.; SCHORN, L. A.; TABALDI, L. A.; RORATO, D. G.; TURCHETTO, F.; ZAVISTANOVICZ, T. C.; BERGHETTI, A. L. P.; AIMI, S. C.; TONETTO, T. da S.; GASPARIN, E.; DUTRA, A. F.; MEZZOMO, J. C.; GOMES, D. R.; GRIEBELER, A. M.; SILVA, M. R. da; BARBOSA, F. M.; LIMA, M. S. de. Caracterização e análise de atributos morfológicos e fisiológicos indicadores da qualidade de mudas em viveiro florestal. In: ARAÚJO, M. M.; NAVROSKI, M.; SCHORN, L. A. (Ed.). Produção de sementes e mudas: um enfoque à silvicultura. Santa Maria: Editora UFSM, 2018. p. 345-382.

BARROSO, D. G.; CARNEIRO, J. G. de A.; NOVAES, A. B. de; LELES, P. S. dos S. Efeitos de recipientes sobre o desempenho pós-plantio de Eucalyptus camaldulensis Dehnh e E. urophyla S. T. Blake. Revista Árvore, Viçosa, v. 24, n. 32, p. 291-296, 2000.

BINOTTO, A. F.; LÚCIO, A. D.; LOPES, S. J. Correlations between growth variables and the dickson quality índex in forest seedlings. Cerne, Lavras, v. 16, n. 4, p. 457-464, 2010.

CARNEIRO, J. G. A. Produção e controle de qualidade de mudas florestais. Curitiba: UFPR/FUPEF, 1995. 451 p.

CARVALHO, P. E. R. Espécies arbóreas brasileiras. Brasília: Embrapa Informação Tecnológica; Colombo: Embrapa Florestas, 2003. 1039 p.

CONSEMA – CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE. Resolução no 51, de 05 de dezembro de 2014. 2014. Disponível em: http://www.fatma.sc.gov.br/upload/Flora/resconsema51.pdf.

CUNHA, A. O.; ANDRADE, L. A. de; BRUNO, R. L. A.; SILVA, J. A. L. da; SOUZA, V. C. de. Efeitos de substratos e das dimensões de recipientes na qualidade de mudas de Tabebuia impetiginosa (Mart. Ex D. C.) Standl. Revista Árvore, Viçosa, v. 29, n. 4, p. 507-516, 2005.

DAVIDE, A. C.; FARIA, J. M. R. Viveiros florestais. In: DAVIDE, A. C.; SILVA, E. A. A. (Ed.). Produção de sementes e mudas de espécies florestais. Lavras: Universidade Federal de Lavras, 2008. p. 83-124.

FREITAS, T. A. S. de; BARROSO, D. G.; CARNEIRO, J. G. de A.; PENCHEL, R. M.; LAMÔNICA, K. R.; FERREIRA, D. de A. Desempenho radicular de mudas de Eucalipto produzidas em diferentes recipientes e substratos. Revista Árvore, Viçosa, v. 29, n. 6, p. 853-861, 2005.

FREITAS, T. A. S.; BARROSO, D. G.; CARNEIRO, J. G. de A.; PENCHEL, R. M.; FIGUEIREDO, F. A. M. M. de A. Mudas de eucalipto produzidas a partir de miniestacas em diferentes recipientes e substratos. Revista Árvore, Viçosa, v. 30, n. 4, p. 519-528, 2006.

GOMES, J. M.; PAIVA, H. N. Viveiros florestais: propagação sexuada. Viçosa: UFV, 2011. 116 p.

GONÇALVES, J. Produção de mudas de Eucalipto e Pinus usando o sistema de tubetes. In: JORNADAS FORESTALES DE ENTRE RIOS, 10, 1995, Concordia (Argentina). Anais... Concordia: INTA, 1995. p. 1-4.

GUBERT FILHO, F. Proposta para a criação de um sistema de unidades de conservação da Araucaria angustifolia no estado do Paraná. In: CONGRESSO FLORESTAL BRASILEIRO, 6, 1990, Campos do Jordão. Anais... Campos do Jordão: Sociedade Brasileira de Silvicultura, 1990. Vol. 3. p. 287-300.

JOSÉ, A. C.; DA VIDE, A. C.; OLIVEIRA, S. L. Produção de mudas de aroeira (Schinus terebinthifolius Raddi) para recuperação de áreas degradadas pela mineração de bauxita. Cerne, Lavras, v. 11, n. 2, p. 187-196, 2005.

KNAPIK, G. J. Utilização do pó de basalto como alternativa à adubação convencional na produção de mudas de Mimosa scabrella Benth e Prunus sellowii Koehne. 2005. 163 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal) - Universidade Federal do Paraná, Curitiba. 2005.

MALAVASI, U. C.; MALAVASI, M. de M. Efeito do volume do tubete no crescimento inicial de plântulas de Cordia trichotoma (Vell.) Arrab. Ex Steud e Jacaranda micrantha Cham. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 16, n. 1, p. 11-16, 2006.

MATTEI, V. L. Comparação entre semeadura direta e plantio de mudas produzidas em tubetes, na implantação de povoamento de Pinus taeda L. 1993. 149 f. Tese (Doutorado em Engenharia Florestal) - Universidade Federal do Paraná, Curitiba. 1993.

MARTINELLI, G.; MORAES, M. A. Livro vermelho da Flora do Brasil. 1 ed. Rio de Janeiro: Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2013. 1.102 p.

MMA – MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Portaria nº443, de 17 de dezembro de 2014. Diário Oficial da União, seção 1, nº 245, 18 de dezembro de 2014. p. 110-121.

NEVES, C. S. V. J.; MEDINA, C. de C.; AZEVEDO, M. C. B. de; HIGA, A. R.; SIMON, A. Efeitos de substratos e recipientes utilizados na produção das mudas sobre a arquitetura do sistema radicular de árvores de Acácia-negra. Revista Árvore, Viçosa, v. 29, n. 6, p. 897-905, 2005.

OLIVEIRA, F. N. S.; LIMA, A. A. C.; AQUINO, A. R. L.; SANTOS, J. L. Manejo sustentável do cajueiro anão precoce enxertado em cultivo orgânico. Fortaleza: Embrapa Agroindústria Tropical, 2000. 3 p.

PARVIAINEN, J. O desenvolvimento radicular das mudas florestais no viveiro e no local de plantio. In: SEMINÁRIO DE SEMENTES E VIVEIROS FLORESTAIS, 1981, Curitiba. Anais... Curitiba: FUPEF, 1981. Vol. 2. p. 111-130.

REIS, G. G.; REIS, M. das G. F.; MAESTRI, M.; XAVIER, A.; OLIVEIRA, L. M. de. Crescimento de Eucalyptus camaldulensis, Eucalyptus grandis e Eucalyptus cloeziana sob diferentes níveis de restrição radicular. Revista Árvore, v. 13, n. 1, p. 1-18, 1989.

SANTOS, C. B.; LONGHI, S. J.; HOPPE, J. M.; MOSCOVICH, F. A. Efeito do volume de tubetes e tipos de substratos na qualidade de mudas de Cryptomeria japonica (L.F.) D. Don. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 10, n. 2, p. 1-15, 2000.

VELOSO, H. P.; RANGEL FILHO, A. L. R.; LIMA, J. C. A. Classificação da vegetação brasileira, adaptada a um sistema universal. Rio de Janeiro: Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 1991. 123 p.

WENDLING, I.; DELGADO, M. E. Produção de mudas de araucária em tubetes. Colombo: Embrapa Florestas, 2008. 8 p. Comunicado Técnico 201.

YUYAMA, K.; SIQUEIRA, J. A. S. Efeito do tamanho das sementes e do recipiente no crescimento de mudas de camu-camu (Myrciaria dúbia). Acta Amazonica, Manaus, v. 29, n. 4, p. 647-650, 1999.




DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7925.2019v32n4p19

Direitos autorais 2019 Lauri Amandio Schorn, Giulia Pandini, Ricardo Bittencourt, Tatiele Anete Bergamo Fenilli

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Biotemas. UFSC, Florianópolis, SC, Brasil, eISSN 2175-7925

Licença Creative Commons
Este periódico está licenciado conforme Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.