Mamíferos terrestres de médio e grande porte em uma área de reserva legal na região centro-oeste de Minas Gerais, Brasil

Alysson Rodrigo Fonseca, Gabriele A. Andreia Silva

Resumo


As Reservas Legais (RL) são áreas localizadas dentro de propriedades rurais e contribuem para manutenção da diversidade de espécies de mamíferos, bem como para a movimentação de espécies entre os fragmentos de vegetação. Este trabalho teve como objetivo quantificar a riqueza e analisar a frequência de ocorrência de mamíferos terrestres de médio e grande porte em uma área de RL de 76,5 ha, no município de Pedra do Indaiá, Minas Gerais, Brasil. O período de amostragem foi de 28 meses, com a utilização dos seguintes métodos de coleta: observação direta, indireta e armadilha fotográfica. Foram registradas 25 espécies, distribuídas em sete ordens e 14 famílias. As ordens mais representativas foram Carnivora, Cingulata e Rodentia, e as menos representativas foram Lagomorpha e Didelphimorphia. Das 25 espécies registradas, seis encontram-se ameaçadas de extinção na lista de espécies da fauna ameaçada no estado de Minas Gerais e, quatro na lista de espécies da fauna ameaçada de extinção no Brasil. A presença de animais em alguma categoria de ameaça sugere a necessidade de manutenção da RL, bem como de remanescentes de vegetação nativa na região a fim de manter a qualidade do habitat necessária à persistência das populações e os serviços ecossistêmicos prestados por ela.


Palavras-chave


Cerrado; Conservação; Espécies ameaçadas; Levantamento

Texto completo:

PDF/A

Referências


ABREU JR, E. F.; KÖHLER, A. Mastofauna de médio e grande porte na RPPN da UNISC, RS, Brasil. Biota Neotropica, Campinas, v. 9, n. 4, p. 169-174, 2009.

ALVES, T. R.; FONSECA, R. C. B.; ENGEL, V. L. Mamíferos de médio e grande porte e sua relação com o mosaico de habitats na cuesta de Botucatu, estado de São Paulo, Brasil. Iheringia Série Zoologia, Porto Alegre, v. 102, n. 2, p. 150-158, 2012.

ANTUNES, A. Z.; ESTON, M. R. Mamíferos (Chordata: Mammalia) florestais de médio e grande porte registrados em Barreiro Rico, Anhembi, estado de São Paulo. Revista do Instituto Florestal, São Paulo, v. 21, n. 2, p. 201-215, 2009.

BARRETO, C. C. Heterogeneidade espacial do habitat e diversidade específica: implicações ecológicas e métodos de mensuração. In: SILVA, S. H. G.; LAVRADO, H. P. (Ed.). Ecologia dos ambientes costeiros do estado do Rio de Janeiro. Série Oecologia brasiliensis. Rio de Janeiro: PPGE-UFRJ, 1999. p. 121-153.

BECKER, M.; DALPONTE, J. C. Rastros de mamíferos silvestres brasileiros: um guia de campo. Rio de Janeiro: Technical Books Editora, 2013. 170 p.

BOCCHIGLIERI, A.; MENDONÇA, A. F.; HENRIQUES, R. P. B. Composição e diversidade de mamíferos de médio e grande porte no Cerrado do Brasil central. Biota Neotropica, Campinas, v. 10, n. 3, p. 170-176, 2010.

BORGES, P. A. L.; TOMÁS. W. M. Guia de rastros e outros vestígios de mamíferos do pantanal. Corumbá: Embrapa Pantanal, 2004. 148 p.

BRASIL. Código Florestal. 2012. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12651.htm.

BROCARDO, C. R.; CANDIDO JUNIOR, J. F. Persistência de mamíferos de médio e grande porte em fragmentos de floresta ombrófila mista no estado do Paraná, Brasil. Revista Árvore, Viçosa, v. 36, n. 2, p. 301-310, 2012.

CANEVARI, M.; VACCARO, O. Guía de mamíferos del sur de América del Sur. Buenos Aires: L.O.L.A., 2007. 413 p.

CARDILLO, M.; MACE, G. M.; JONES, K. E.; BIELBY, J.; BININDA-EMONDS, O. R.; SECHREST, W.; ORME, C. D.; PURVIS, A. Multiple causes of high extinction risk in large mammal species. Science, New York, v. 309, n. 5738, p. 1239-1241, 2005.

COLWELL, R. K. EstimateS: statistical estimation of species richness and shared species from samples. User’s Guide and application. 2013. Disponível em: http://purl.oclc.org/estimates.

COPAM – CONSELHO ESTADUAL DE POLÍTICA AMBIENTAL. Lista de espécies ameaçadas de extinção da fauna do estado de Minas Gerais. 2010. Disponível em: http://www.siam.mg.gov.br/sla/download.pdf?idNorma=13192.

COSTA, L. P.; LEITE, Y. L. R.; MENDES, S. L.; DITCHFIELD, A. D. Mammal conservation in Brazil. Conservation Biology, San Francisco, v. 19, n. 3, p. 672-679, 2005.

DOTTA, G.; VERDADE, L. M. Trophic categories in a mammal assemblage: diversity in an agricultural landscape. Biota Neotropica, Campinas, v. 7, n. 2, p. 287-292, 2007.

DRUMMOND, G. M.; MACHADO, A. B. M.; MARTINS, C. S.; MENDONÇA, M. P.; STEHMANN, J. R. Listas vermelhas das espécies da fauna e da flora ameaçada de extinção em Minas Gerais. Belo Horizonte: Fundação Biodiversitas, 2008. 70 p.

DUPRAT, P. L.; ANDRIOLO, A. Mastofauna não-voadora de médio e grande porte em um fragmento de Mata Atlântica no município de Rio Novo, MG. Revista Brasileira de Zoociências, Juiz de Fora, v. 3, n. 1, 2, 3, p. 163-172, 2011.

GALETTI, M.; PARDINI, R.; DUARTE, J. M. B.; SILVA, V. M. F.; ROSSI, A.; PERES, C. A. Mudanças no Código Florestal e seu impacto na ecologia e diversidade dos mamíferos no Brasil. Biota Neotropica, Campinas, v. 10, n. 4, p. 47-52, 2010.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Pedra do Indaiá. 2010. Disponível em: http://cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?lang=&codmun=314890&search=minas-gerais|pedra-do-indaia.

JOHNSON, C. N.; BALMFORD, A.; BROOK, B. W.; BUETTEL, J. C.; GALETTI, M.; GUANGCHUN, L.; WILMSHURST, J. M. Biodiversity losses and conservation responses in the Anthropocene. Science, New York, v. 356, n. 6335, p. 270-275, 2017.

LESSA, L. G.; ALVES, H.; GEISE, L.; BARRETO, R. M. F. Mammals of medium and large size in a fragmented Cerrado landscape in northeastern Minas Gerais state, Brazil. Check List, Rio Claro, v. 8, n. 2, p. 192-196, 2012.

LINSDALE, J. M.; RODGERS. T. L. Frequency of occurrence of birds in Alum Rock Park, Santa Clara County, California. The Condor, Albuquerque, v. 39, n. 3, p. 108-11, 1937.

LYRA-JORGE, M. C.; CIOCHETI, G.; PIVELLO, V. R. Carnivores mammals in a fragmented landscape in northeast of São Paulo state, Brazil. Biodiversity and Conservation, New York, v. 17, n. 7, p. 1573-1580, 2008.

LYRA-JORGE, M. C.; RIBEIRO, M. C.; CIOCHETI, G.; TAMBOSI, L. R.; PIVELLO, V. R. Influence of multi-scale landscape structure on the occurrence of carnivorous mammals in a human-modified savanna. Brazil. European Journal of Wildlife Research, Berlin, v. 56, n. 3, p. 359-368, 2010.

MACHADO, F. S.; MOURA, A. S.; SANTOS, K. K.; MENDES, P. B.; ABREU, T. C. K.; FONTES, M. A. L. Registros ocasionais de mamíferos de médio e grande porte na microrregião de Lavras e São João del Rei, Campo das Vertentes, Minas Gerais. Revista Agrogeoambiental, Pouso Alegre, v. 9, n. 1, p. 35-44, 2017.

MAZZOLLI, M. Persistência e riqueza de mamíferos focais em sistemas agropecuários no planalto meridional brasileiro. 2006. 105 f. Tese (Doutorado em Ecologia) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. 2006.

METZGER, J. P. O Código Florestal tem base científica? Natureza & Conservação, Curitiba, v. 8, n. 1, p. 1-5, 2010.

MIRANDA, F. R.; CHIARELLO, A. G.; RÖHE, F.; BRAGA, F. G.; MOURÃO, G. M.; MIRANDA, G. H. B.; SILVA, K. F. M.; FARIA-CORRÊA, M. A.; VAZ, S. M.; BELENTANI, S. C. S. Avaliação do risco de extinção de Myrmecophaga tridactyla Linneus, 1758 no Brasil. In: INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE (Ed.). Avaliação do Risco de Extinção de Xenartros brasileiros. Brasília: ICMBio, 2015. p. 89-105.

MMA – MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Lista nacional oficial de espécies da fauna ameaçadas de extinção. 2014. Disponível em: http://www.in.gov.br/autenticidade.html.

MORRISON, J. C.; SECHREST, W.; DINERSTEIN, E.; WILCOVE, D. S.; LAMOREUX, J. F. Persistence of large mammal faunas as indicators of global human impacts. Journal of Mammalogy, Lawrence, v. 88, n. 6, p. 363-1380, 2007.

OLIVEIRA, I. M. Riqueza, abundância de espécies e uso de habitat por mamíferos de médio e grande porte em cinco unidades de conservação no Cerrado. 2010. 91 f. Dissertação (Mestrado em Ecologia) - Universidade de Brasília, Brasília. 2010.

OLIVEIRA, T. G.; CASSARO, K. Guia de identificação dos felinos brasileiros. São Paulo: Sociedade de Zoológicos do Brasil, 1999. 60 p.

OLIVEIRA, V. B.; CÂMARA, E. M. V. C.; OLIVEIRA, L. C. Composição e caracterização da mastofauna de médio e grande porte do Parque Nacional da Serra do Cipó, Minas Gerais, Brasil. Mastozoología Neotropical, Mendoza, v. 16, n. 2, p. 355-364, 2009.

PAGLIA, A. P.; FONSECA, G. A. B.; RYLANDS, A. B.; HERRMANN, G.; AGUIAR, L. M. S.; CHIARELLO, A. G.; LEITE, Y. L. R.; COSTA, L. P.; SICILIANO, S.; KIERULFF, M. C. M.; MENDES, S. L.; TAVARES, V. C.; MITTERMEIER, R. A.; PATTON, J. L. Lista anotada dos mamíferos do Brasil/Annotated checklist of Brazilian mammals. 2 ed. Occasional Papers in Conservation Biology, nº 6. Arlington: Conservation International, 2012. 76 p.

PARDINI, R.; DITT, E. H.; CULLEN JR, L.; BASSI, C.; RUDRAN, R. Levantamento rápido de mamíferos terrestres de médio e grande porte. In: CULLEN, JR. L.; RUDRAN R.; VALLADARES-PÁDUA, C. (Ed.). Métodos de estudo em Biologia da Conservação & Manejo da Vida Silvestre. Curitiba: Editora da Universidade Federal do Paraná, 2006. p. 181-201.

PINHEIRO, R. S.; BORGES, L. S.; SCHERER, C. S.; OLIVEIRA, T. V. A. mastofauna terrestre da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, Campus Cruz das Almas, Brasil. Magistra, Cruz das Almas, v. 29, n. 1, p. 106-115, 2017.

PINHO, F. F. Influência de fatores ambientais sobre a ocorrência e diversidade de mamíferos de médio e grande porte em unidades de conservação da Serra do Espinhaço Meridional. 2015. 74 f. Dissertação (Mestrado em Ecologia de Biomas Tropicais) - Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto. 2015.

REIS, N. R.; PERACCHI, A. L.; PEDRO, A. L.; LIMA, A. W. Mamíferos do Brasil. Londrina: Editora da UEL, 2006. 437 p.

RIBEIRO, P.; MELO, F. R. Mamíferos de médio e grande porte de uma área agricultável em Terezópolis (GO) com notas sobre métodos de amostragem. Neotropical Biology and Conservation, São Leopoldo, v. 8, n. 2, p. 68-78, 2013.

ROCHA, E. C.; DALPONTE, J. C. Composição e caracterização da fauna de mamíferos de médio e grande porte em uma pequena reserva de Cerrado em Mato Grosso, Brasil. Revista Árvore, Viçosa, v. 30, n. 4, p. 669-678, 2006.

RORIZ, P. A. C.; FEARNSIDE, P. M. A construção do Código Florestal Brasileiro e as diferentes perspectivas para a proteção das florestas. Novos Cadernos NAEA, Belém, v. 18, n. 2, p. 51-68. 2015.

SANTIAGO, R. Mastofauna de médio e de grande porte da Estação Experimental Syngenta de Uberlândia – MG. Revista Intertox de Toxicologia Risco Ambiental e Sociedade, São Paulo, v. 9, n. 1, p. 132-149, 2016.

SANTOS, A. J. dos. Estimativas de riqueza em espécies. In: CULLEN JR., L.; RUDRAM, R.; VALLADARES-PADUA, C. (Org.). Métodos de estudos em biologia da conservação e manejo da vida silvestre. Curitiba: UFPR/Fundação O Boticáio, 2003. p. 19-41.

SANTOS, M. F. M.; PELLANDA, M.; TOMAZZONI, A. C.; HASENACK, H.; HARTZ, S. M. Mamíferos carnívoros e sua relação com a diversidade de hábitats no Parque Nacional dos Aparados da Serra, sul do Brasil. Iheringia, Porto Alegre, v. 94, n. 3, p. 235-245, 2004.

SANTOS-FILHO, M.; SILVA, M. N. F. Uso de habitat por mamíferos em áreas de Cerrado do Brasil Central: um estudo com armadilhas fotográficas. Revista Brasileira de Zoociências, Juiz de Fora, v. 4, n. 1, p. 57-73, 2002.

SAZIMA, M.; FABIÁN, M. E.; SAZIMA, I. Polinização de Luehea speciosa (Tiliaceae) por Glossophaga soricina (Chiroptera, Phyllostomidae). Revista Brasileira de Biologia, São Carlos, v. 42, n. 3, p. 505-513, 1982.

TONHASCA JR., A. Ecologia e história natural da Mata Atlântica. Rio de Janeiro: Interciência, 2005. 198 p.

ZEE/MG – ZONEAMENTO ECOLÓGICO-ECONÔMICO DE MINAS GERAIS. Shapefile do mapeamento da cobertura vegetal. 2009. Disponível em: http://geosisemanet.meioambiente.mg.gov.br/zee/.




DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7925.2019v32n4p79

Direitos autorais 2019 Alysson Rodrigo Fonseca, Gabriele A. Andreia Silva

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Biotemas. UFSC, Florianópolis, SC, Brasil, eISSN 2175-7925

Licença Creative Commons
Este periódico está licenciado conforme Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.