Composição florística de fragmento de floresta secundária em áreas de proteção permanente do Igarapé Dispensa, no Projeto de Assentamento Assurini em Altamira – Pará

Sharon Rose Rodrigues, Dhyene Rayne Silva dos Santos, Maristela Marques da Silva, Ailton Araújo, Carla Giovana Souza Rocha

Resumo


A necessidade de se conservar as áreas de preservação permanente (APPs) é crescente, devido a sua relevância para a sobrevivência da fauna, flora, das populações que utilizam esses recursos naturais e para a proteção dos cursos de água. O objetivo do trabalho foi caracterizar a composição e a diversidade florística de um fragmento de floresta secundária em uma APP no Projeto de Assentamento Assurini em Altamira – Pará, identificando espécies que poderiam ser utilizadas na reposição de florestas ciliares degradadas existentes na região. O estudo foi realizado em uma floresta secundária às margens do Igarapé Dispensa, em propriedades de agricultores familiares. Em cada área foram instaladas duas parcelas com dimensão de 10 m x 25 m, nas quais foram inventariados todos os indivíduos lenhosos e sublenhosos com DAP ≥ 10 cm presentes nos limites de cada unidade amostral. Foi analisada a composição florística e estimadas a riqueza e a diversidade. Na floresta secundária, foram identificados 279 indivíduos, 49 espécies, 43 gêneros e 26 famílias. A família com maior número de espécies e de indivíduos foi a Fabaceae. O índice de diversidade de Shannon (H’) foi de 3,43 nats/ind, considerado com uma diversidade satisfatória. As referidas espécies têm potencial para serem utilizadas em propostas de regeneração das APP do Igarapé Dispensa.


Palavras-chave


Desmatamento; Diversidade; Mata ciliar; Regeneração natural

Texto completo:

PDF/A

Referências


ALMEIDA, S. M. Z.; SOARES, A. M.; CASTRO, E. M.; VIEIRA, C. V.; GAJEGO, E. B. Alterações morfológicas e alocação de biomassa em plantas jovens de espécies florestais sob diferentes condições de sombreamento. Ciência Rural, Santa Maria, v.35, n.1, 2005.

BARREIRA, T. F.; PAULA-FILHO, G. X.; RODRIGUES, V. C.; ANDRADE, F. M. C.; SANTOS, R. H. H.; PRIORE, S. E.; PINHEIRO SANT’ANA, H. M. Diversidade e equitabilidade de plantas alimentícias não convencionais na zona rural de Viçosa, Minas Gerais, Brasil. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, Botucatu, v. 17, n. 4, supl. II, p. 964-974, 2015.

BRANCALION, P. H. S.; VIANI, R. A.; RODRIGUES, R. R.; CESAR, R. G. Estratégias para auxiliar na conservação de florestas tropicais secundárias em paisagens alteradas. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, Ciências Naturais, Belém, v. 7, n. 3, p. 219-234, 2012.

BRASIL. Lei nº 12.651/2012, de maio de 2012. Institui o Código Florestal Brasileiro. 2012. Disponível em htpp/:www.ministeriodomeioambiente.gov.br.

CHABARIBERY, D.; SILVA, J. R.; TAVARES, F. J.; LOLI, M. V. B.; SILVA, R.; MONTEIRO, A. V. M. Recuperação de matas ciliares: sistemas de formação de floresta nativa em propriedades familiares. Informações Econômicas, São Paulo, v. 38, n. 6, p. 7-20, 2008.

CHAZDON, R. Regeneração de florestas tropicais. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, Ciências Naturais, Belém, v. 7, n. 3, p. 195-218, 2012.

ESPÍRITO-SANTO, F. D. B.; SHIMABUKURO, Y. E.; ARAGÃO, L. E. O. C.; MACHADO, E. L. M. Análise da composição florística e fitossociológica da floresta nacional do Tapajós com o apoio geográfico de imagens de satélite. Acta Amazonica, Manaus, v. 35, n. 2, p. 155-173, 2005.

FAPESPA – FUNDAÇÃO AMAZÔNIA DE AMPARO A ESTUDOS E PESQUISAS. Estatísticas municipais paraenses: Altamira. Belém: Diretoria de Estatística e de Tecnologia e Gestão da Informação, 2016. 66 p.

FEITOSA, S. S.; FABRICANTE, J. R. Açaizeiro Euterpe oleracea Mart: potencial energético da Amazônia. 2017. Disponível em http://www.grupocultivar.com.br/artigos/acaizeiro-euterpe-oleracea-mart-potencial-energetico-da-amazonia.

GLIESSMAN, S. R. Agroecologia: processos ecológicos em agricultura sustentável. Porto Alegre, Editora Universidade, 2001. 653 p.

GUERIN, N.; ISERNHAGEN, I.; ANTONIO, D. B. A. Restauração ecológica das áreas de preservação permanente (APP) e reserva legal (RL). In: GUERIN, N.; ISERNHAGEN, I. (Org.). Plantar, criar e conservar: unindo produtividade e meio ambiente. São Paulo: Instituto Socioambiental, 2013. p. 25-47.

LORENZI, H.; LACERDA, L. B.; BACHER, L. B. Frutas do Brasil: nativas e exóticas. São Paulo: Instituto Plantarum. 2015. 768 p.

MACIEL, M. N. M.; WALTZLAWICK, L. F.; SHOENINGER, E. R.; YAMAJI, R. M. Classificação ecológica das espécies arbóreas. Revista Acadêmica, Ciência Animal, Curitiba, v. 1, n. 2, p. 68-78, 2003.

MAGURRAN, A. E. Medindo a diversidade biológica. Curitiba: Ed. UFPR, 2013. 261 p.

MASSOCA, P. E. S.; JAKOVAC, A. C. C.; BENTOS, T. V.; WILLIARNSON, G. B. T.; MESQUITA, R. C. G. Dinâmica e trajetórias da sucessão secundária na Amazônia Central. Belém. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, Belém, v. 7, n. 3, p. 235-250, 2012.

MCCUNE, H.; MEFFORD, M. J. Pc-ord. Multivariate analyses of ecological data, version 5. MjM solfware design. Oregon: Gleneden Beach, USA, 2006. 126 p.

METZGER, J. P. O código florestal tem base científica? Natureza & Conservação, Curitiba, v. 8, n. 1, p. 92-99, 2010.

MOBOT. Missouri Botanical Garden. 2017. Disponível em http://www.mobot.org/W3T/Search/vast.html.

MUELLER-DOMBOIS, D.; ELLENBERG, H. Aims and methods of vegetation ecology. New York: Wiley, 1974. 547 p.

MPEG – MUSEU PARAENSE EMÍLIO GOLDI. Diagnóstico da vegetação e da flora da área de estudo da Usina Hidrelétrica de Belo Monte, estado do Pará. Relatório Técnico. Belém: MCT- MPEG/ELETRONORTE, 2002. 171 p.

NICOLOSO, F. T.; FORTUNATO, R. P.; ZANCHETTI, F.; CASSOL, L. F.; EISINGER, S. M. Recipientes e substratos na produção de mudas de Maytenus ilicifolia e Apuleia leiocarpa. Ciência Rural, Santa Maria, v. 30, n. 6, p. 987-992, 2000.

PAIVA, M. R. Impactos socioambientais do igarapé Ambé no meio rural e urbano no município de Altamira-Pará. 2008. 54 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em Ciências Biológicas) - Universidade Federal do Pará, Altamira. 2008.

PINHEIRO, K. A. O.; CARVALHO, J. O. P.; QUANZ, B.; FRANCEZ, L. M. B.; SCHWARTZ, G. Fitossociologia de uma área de preservação permanente no leste da Amazônia: indicação de espécies para recuperação de áreas alteradas. Floresta, Curitiba, v. 37, n. 2, p. 175-187, 2007.

REFLORA. Flora do Brasil 2020 em construção. 2020Rio de Janeiro: Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em http://floradobrasil.jbrj.gov.br/.

ROVEDDER, A. P. M.; PIAIA, B. B.; FELKER, R. M.; PIAZZA, E. M.; HUMMEL, R. B. Perspectivas da restauração ecológica de ecossistemas para o Rio Grande do Sul. In: DÖRR, A. C.; ROSSATO, M. V.; ROVEDDER, A. P. M.; PIAIA, B. B. (Org.). Práticas e saberes em meio ambiente. Curitiba: Appris, 2014. p. 303-332.

SANTOS, D. R. S.; SILVA, M. M. Agrobiodiversidade em áreas cultivadas com cacau em Altamira – Pará, Amazônia Oriental. Revista Brasileira de Agroecologia, Porto Alegre, v. 12, p. 210-221, 2017.

SARAIVA, O. Os impactos ambientais no Igarapé Conradinho na comunidade Babaquara no Projeto de Assentamento Assurini em Altamira, Pará. 2009. 58 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Engenharia Agronômica) - Universidade Federal do Pará, Altamira. 2009.

SHEPHERD, G. J. FITOPAC. Versão 2.1. 2010. Campinas: Departamento de Botânica, Universidade Estadual de Campinas.

SOUSA, L. A. G. Guia da biodiversidade de Fabaceae do Alto Rio Negro. Manaus: Editora do INPA, 2012. 118 p.

VALE, I.; COSTA, L. G. S.; MIRANDA, I. S. Espécies indicadas para a recomposição da floresta ciliar da Sub-bacia do rio Peixe-boi, Pará. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 24, n. 3, p. 573-582, 2014.




DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7925.2020.e70345

Direitos autorais 2020 Sharon Rose Rodrigues, Dhyene Rayne Silva dos Santos, Maristela Marques da Silva, Carla Giovana Souza Rocha, Ailton Araújo

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Biotemas. UFSC, Florianópolis, SC, Brasil, eISSN 2175-7925

Licença Creative Commons
Este periódico está licenciado conforme Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.