Wood decay caused by a white-rot,Trametes vilosa ( Fr.) Kreisel (Basidiomycetes, Fungi), in Eucalyptus viminalis Labill and Myrcia Rostrata DC. ( Myrtaceae)

Autores

  • Clarice Loguercio Leite Laboratório de Micologia, Departamento de Botânica, Centro de Ciências Biológicas. Universidade Federal de santa Catarina. Caixa Postal 476 CEP 88010-970 – Florianópolis, SC
  • Priscila Brasil de Souza Cruz Laboratório de Micologia, Departamento de Botânica, Centro de Ciências Biológicas. Universidade Federal de santa Catarina. Caixa Postal 476 CEP 88010-970 – Florianópolis, SC
  • Maria Alice Neves Departamento de Biologia Celular, Embriologia e Genética, CCB/UFSC
  • Marcelo Menezes Reis Departamento de Informática e Estatística, CTC/UFSC

DOI:

https://doi.org/10.5007/%25x

Palavras-chave:

Podridão branca, Ataque fúngico, Resistência vegetal, Lingnolítico

Resumo

Trametes villosa  (Basidiomycetes), fungos  causador de podridão  branca, foi testado por 10 meses sobre a madeira de duas espécies de Myrtaceae , Eucalyptus viminalis, uma espécie introduzida e de Myrcia rostrata, especi nativa. A degradação in vitro das espécies vegetais foi  testada e comparada . Foram determinadas as perdas de massa e de lignina Klaason. A degradação causada pelo fungo foi significativamente diferente entre as espécies vegetais. A decomposição  da madeira de M. rostrata foi mais rápida nos dois primeiros meses, ao contrario de E. viminalis onde isto ocorreu a partir do segundo mês.  A perda de massa não esteve necessariamente relacionada a maiores valores de perda de lignina Klason.  Trametes villosa atuou como deslignificador  seletivo nos primeiros dois meses e não-seletivo nos meses subseqüente a Trametes villosa do que E. viminalis.

Biografia do Autor

Clarice Loguercio Leite, Laboratório de Micologia, Departamento de Botânica, Centro de Ciências Biológicas. Universidade Federal de santa Catarina. Caixa Postal 476 CEP 88010-970 – Florianópolis, SC

Clarice Loguercio Leite  Bolsista de Produtividade em Pesquisa 2 Biolóloga, com Licenciatura em Ciências Biológicas [Faculdades Unidas de Bagé (1977)], Mestrado em Botânica pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1984) e Doutorado em Ciências - Micologia pela Universidad de Buenos Aires (1990). Atualmente é Professor Associado II da Universidade Federal de Santa Catarina. Tem experiência na área de Micologia (Taxonomia/Sistemática de Fungos e Morfofisiologia Fúngica), atuando principalmente nos seguintes temas: taxonomia, Basidiomycetes, lignocelulolíticos e biodiversidade. Atualmente está desenvolverndo atividades no Ensino de Micologia. Certificado pelo autor em 21/10/11

Priscila Brasil de Souza Cruz, Laboratório de Micologia, Departamento de Botânica, Centro de Ciências Biológicas. Universidade Federal de santa Catarina. Caixa Postal 476 CEP 88010-970 – Florianópolis, SC

Priscila Brasil de Souza Cruz  Graduada em Ciências Biológicas pela Universidade Federal de Santa Catarina (1999), Mestre em Biotecnologia Industrial pela Escola de Engenharia de Lorena - USP (2002) e Doutorado em Biotecnologia Industrial pela Escola de Engenharia de Lorena - USP (2005). Pós-doutorado em biodegradação de Pesticidas na Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Atuação na área Biotecnologica com ênfase em Microbiologia, atuando principalmente nos seguintes temas: biodegradação de resíduos lignocelulósicos para a produção de etanol e tratamento de efluentes. Certificado pelo autor em 21/01/11

Maria Alice Neves, Departamento de Biologia Celular, Embriologia e Genética, CCB/UFSC

Maria Alice Neves  Possui doutorado PhD pela City University of New York e The New York Botanical Garden (2007), mestrado em Biotecnologia pela Universidade Federal de Santa Catarina (2000), e graduação em Biologia pela Universidade Federal de Santa Catarina (1997). Tem experiência na área de Micologia, com ênfase em taxonomia, sistemática e filogenia atuando principalmente nos seguintes temas: Basidiomycota, macromicetes, Agaricales sensu lato, Boletales, fungos xilófilos, cultura, biologia sistemática molecular e filogenia. Professor adjunto I da Universidade Federal de Santa Catarina; professor do corpo permanente do Programa de Pós-Graduação em Biologia Vegetal (2010). Certificado pelo autor em 23/10/11

Marcelo Menezes Reis, Departamento de Informática e Estatística, CTC/UFSC

Marcelo Menezes Reis  possui graduação em Engenharia Elétrica pela Universidade Federal de Santa Catarina (1991) , graduação em Administração de Empresas pela Universidade do Estado de Santa Catarina (1990) , especialização em Beyond Six Sigma pela University of South Florida (2000) , mestrado em Engenharia Elétrica pela Universidade Federal de Santa Catarina (1993) , doutorado em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Santa Catarina (2001) e ensino-medio-segundo-grau pelo Colégio Barddal (1985) . Atualmente é Professor adjunto da Universidade Federal de Santa Catarina. Tem experiência na área de Probabilidade e Estatística. Atuando principalmente nos seguintes temas: Controle Estatístico da Qualidade, Inteligencia Artificial, Qualidade, Ensino. 24/07/11 Certificado pelo autor em 24/07/11

Downloads

Publicado

2003-01-01

Edição

Seção

Artigos