Caça, biodiversidade e gestão ambiental na Área de Proteção Ambiental de Guaraqueçaba, Paraná, Brasil

José Milton Andriguetto-Filho, Adolf Carl Krüger, Maria Bernadete Ribas Lange

Resumo


Este trabalho discute a caça na APA de Guaraqueçaba, e sua importância para as condições de vida das populações locais e para a gestão da biodiversidade. Mais de 50 comunidades humanas praticam a pequena agricultura e a pesca artesanal na região, que abriga o maior remanescente contínuo da Floresta Atlântica, compreende várias Unidades de Conservação e inclui-se em Reserva da Biosfera da UNESCO. Foram realizadas 44 entrevistas livres com diferentes atores sociais, versando sobre fauna, caça e interações ecológicas das espécies cinegéticas. Detectou-se uma atitude favorável à caça em 55% das entrevistas. Mais de 68% destas indicou que se pratica a caça na região, seja de subsistência, comercial ou esportiva, rendo como alvos 27 espécies. Dezenove são usadas para alimentação, sendo as mais citadas: Dasypus novemcinctus, Penelope obscura, Pecari tajacu, Tinamus solitarius e Agouti paca. A caça gera conflitos entre a população e as instituições de discalização, o que tem levado à ineficácia social das normas de proteção. A atividade requer maior atenção na gestão das unidades de conservação, e o manejo da caça de subsistência poderia melhorar a conservação dos recursos cinergéticos ao satisfazer as necessidades materiais e cultutais humanas.

Palavras-chave


Caça; Unidades de conservação; Floresta Atlântica; Biodiversidade; Interações Sociedade/Natureza

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/%25x

Direitos autorais 1998 José Milton Andriguetto-Filho, Adolf Carl Krüger, Maria Bernadete Ribas Lange

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Biotemas. UFSC, Florianópolis, SC, Brasil, eISSN 2175-7925

Licença Creative Commons
Este periódico está licenciado conforme Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.