Sobrevivência de larvas de Piaractus mesopotamicus (Holmberg, 1887) (Pacu) e Colossoma macropomum (Curvier, 1818) (Tambaqui), cultivadas em laboratório

Lúcia Helena Sipaúba Tavares, Odete Rocha

Resumo


O objetivo deste trabalho foi verificar a taxa de crescimento e sobrevivência de Piaractus mesopotamicus (pacu) e Colossoma macropomum (tambaqui) cultivados em laboratório e alimentados com plâncton natural (zooplâncton e fitoplâncton) por um período de 40 dias. As larvas utilizadas tinham 4 dias de idade e foram cultivadas em aquários grandes, aerados e com fluxo de água contínuo. Diariamente foi adicionado aos aquários alimento natural destes animais, contituído de zooplâncton e fitoplâncton. Para avaliação do crescimento das larvas, registraram-se os valores de peso e comprimento. As taxas de crescimento para cada espécie foram relativamente semelhantes. Observou-se também que o incremento em peso por unidade de tempo de C. macropomum foi maior que o de P. mesopotamicus. O tamanho máximo foi de 1,8 cm para as larvas de C. macropomum e de 1,7 cm para as larvas de P. mesopotamicus. Em relação ao peso fresco, a primeira espécie atingiu 58,1 mg e a segunda 57,7 mg. Para o peso seco, os valores finais foram de 13,1 mg para C. macropomum e 7,4 mg para P. mesopotamicus.

Palavras-chave


Plâncton natural; Crescimento; Sobrevivência; Pacu; Tambaqui

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/%25x

Direitos autorais 1994 Lúcia Helena Sipaúba Tavares, Odete Rocha

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Biotemas. UFSC, Florianópolis, SC, Brasil, eISSN 2175-7925

Licença Creative Commons
Este periódico está licenciado conforme Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.