Riqueza de espécies e composição floristica em um ambiente de duna após 50 anos de pressão antriipica: um estudo na Praia de Boa Viagem, Recife, PE - Brasil

Ana Virgínia de Lima Leite, Laise de Holanda Cavalcanti Andrade

Resumo


A vegetação de ecossistemas costeiros exerce importante papei na fixação e manutenção das dunas, impedindo o movimento da' areia. No entanto, em areas urbanas, a pressão antrápica pode perturbar esses ecossistemas. Neste estudo foi realizada urna análise temporal sobre as modificações da vegetação de dunas relacionadas a crescente pressão antrópica. Entre novembro de 1999 e maio de 2000 foi arnostrada a vegetação em um trecho de 6 km na praia de Boa Viagem (8°06'02"S e 34°52'48"W) e comparada com urn levantamento realizado por Andrade-Lima em 1951. Foram encontradas 47 espécies, onde dez são halõfitas, 34 ruderais e três cultivadas. Leguminosae e Poaceae foram as famílias mais ricas, ambas com nove espécies (19%). Foram encontradas 18 espécies que não ocorreram anteriormente, enquanto dez espécies não foram encontradas atualmente. Quanto a riqueza de espécies e proporção de ruderais entre os dois levantamentos, não houve diferença significativa. Por outro lado, houve diferença significativa na composição de espécies. E razoável assumir que as mudanças na composição florística podem ser uma conseqüência da pressão antrópica, mesmo que a riqueza de espécies e a proporção de ruderais não tenham sofrido alterações significativas.

Palavras-chave


Riqueza e composição florfstica; Vegetação litorânea; Restinga; Ruderais; Pressão antrópica

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/%25x

Direitos autorais 2004 Ana Virgínia de Lima Leite, Laise de Holanda Cavalcanti Andrade

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Biotemas. UFSC, Florianópolis, SC, Brasil, eISSN 2175-7925

Licença Creative Commons
Este periódico está licenciado conforme Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.