Conhecimento popular: impactos e métodos de controle de Achatina fulica em Valença – RJ, Brasil

Evelyn Chicarino Durço, Lidiane Cristina Silva, Tércia Santos Vargas, Vinícius Maríns Carraro

Resumo


O objetivo deste estudo foi verificar a incidência do caramujo africano Achatina fulica no bairro Cambota, Valença-RJ, Brasil, e investigar as estratégias de controle adotadas pela população. Questionários epidemiológicos aplicados a 105 moradores averiguaram a existência de contato deles com o animal, o risco de contágio por parasitos, por conta dos hábitos de higiene, e os métodos de controle adotados. A presença dos moluscos foi relatada em 52,5% das residências visitadas. Dessas, 51,4% apresentaram roedores. Moluscos coletados foram analisados quanto à presença de nematoides. Nas residências positivas para a presença de A. fulica foi relatado contato direto com os moluscos (21,9%) por manuseio (muitas vezes inadequado) ou por ingestão. Todos os entrevistados disseram utilizar alguma técnica para higienização dos alimentos e 67,6% relataram conhecer a angiostrongilíase. Todos os entrevistados disseram praticar o extermínio dos moluscos, 28,5% desses efetuando a quebra da concha. Apesar da alta incidência de A. fulica, não foram encontradas larvas de Angiostrongylus sp. ou de outros nematoides de importância médico-veterinária nos espécimes analisados.




Palavras-chave


Controle; Levantamento epidemiológico; Molusco terrestre

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7925.2013v26n1p189

Direitos autorais 2013 Evelyn Chicarino Durço, Lidiane Cristina Silva, Tércia Santos Vargas, Vinícius Maríns Carraro

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Biotemas. UFSC, Florianópolis, SC, Brasil, eISSN 2175-7925

Licença Creative Commons
Este periódico está licenciado conforme Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.