Desempenho de genótipos de algodoeiro sob pressão de bicudo

Samuel Campos Abreu, Maria Resende, Sara Rios, Clarice Alvarenga, Nívio Gonçalves

Resumo


O objetivo deste estudo foi avaliar o comportamento de cinco genótipos de algodoeiro em condições de infestação de bicudo-do-algodoeiro. O experimento foi realizado em Janaúba-MG, no ano agrícola de 2004/2005. O delineamento experimental adotado foi de blocos casualizados, com quatro repetições. Foram utilizados cinco tratamentos (constituídos pelos seguintes genótipos de algodoeiro: Redenção, Precoce 1, Linhagem experimental, Liça e Alva). A densidade de plantas foi de 88.000 a 100.000 plantas/ha. Na condução da cultura não foram adotados quaisquer métodos de controle de pragas. Foram avaliados o número de capulhos, o rendimento de algodão em caroço, a altura de planta, a massa do capulho, a massa de 100 sementes, a porcentagem de pluma, a época de floração e o número médio de bicudo-do-algodoeiro nos botões florais. As cultivares Alva e Linhagem experimental obtiveram os maiores rendimentos de algodão em caroço, 1.092,5 kg.ha-1 e 922,5 kg.ha-1, respectivamente, comparadas à ‘Redenção’, que apresentou a menor produtividade, 453,6 kg.ha-1. A Linhagem experimental foi a mais infestada, apresentando a maior média de indivíduos, de 1,7 bicudo-do-algodoeiro por planta.





Palavras-chave


Anthomonus grandis; Cultivares; Gossypium hirsutum; Produtividade

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7925.2013v26n2p77

Direitos autorais 2013 Samuel Campos Abreu, Maria Resende, Sara Rios, Clarice Alvarenga, Nívio Gonçalves

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Biotemas. UFSC, Florianópolis, SC, Brasil, eISSN 2175-7925

Licença Creative Commons
Este periódico está licenciado conforme Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.