Implicações do agrupamento de inflorescências para a taxa de visitação por beija-flores e a produção de frutos de Heliconia bihai (L.) L. (Heliconiaceae)

Caio César Corrêa Missagia, Fábio de Castro Verçoza

Resumo


A distribuição espacial de plantas pode influenciar a atividade de visitantes florais. O agrupamento de flores em manchas pode ser mais atrativo aos visitantes e supostamente influenciar a produção de frutos. Este estudo teve por objetivo testar a hipótese de que em Heliconia bihai (L.) L. (Heliconiaceae) o tamanho do agrupamento de inflorescências influencia positivamente a taxa de visitação e a produção de frutos da espécie. O estudo foi realizado em trecho de Mata Atlântica, no município do Rio de Janeiro. Foram registradas cinco espécies de beija-flores visitantes florais. A taxa de visitação média (± desvio padrão) dos beija-flores foi de 2 (± 0,56) visitas por hora por agrupamento. A quantidade de inflorescências por agrupamento influenciou positivamente a taxa de visitação dos beija-flores, mas influenciou negativamente a quantidade de frutos produzidos por inflorescência. De acordo com os resultados obtidos, sugerimos que a densidade de inflorescências em um agrupamento possa influenciar negativamente a quantidade de flores visitadas por cada inflorescência, em função de um aumento na quantidade de inflorescências incluídas nas rotas de forrageamento.


Palavras-chave


Polinização; Sucesso reprodutivo; Trochilidae

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7925.2015v28n3p181

Direitos autorais 2015 Caio César Corrêa Missagia, Fábio de Castro Verçoza

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Biotemas. UFSC, Florianópolis, SC, Brasil, eISSN 2175-7925

Licença Creative Commons
Este periódico está licenciado conforme Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.