Crítica a uma apropriação unilateral de tecnologia: a análise do conceito de tecnologia social

Rafael Rodrigo Mueller, Deise Luiza Ferraz

Resumo


Nosso objetivo nesse ensaio é discutir, a partir de uma abordagem marxiana-lukacsiana, a apropriação unilateral da aplicação tecnológica da ciência que é realizada tanto por estudiosos voltados a produção de tecnologias convencionais quanto pelos teóricos que as refutam em nome da construção de uma nova tecnologia, dita tecnologia social. Assim, argumentamos que a tecnologia não é em si geradora das desigualdades econômicas que culmina na denominada exclusão social, tampouco, uma inclusão demandaria a refutação do conhecimento científico-tecnológico acumulado historicamente. Ao identificarmos possíveis limitações teóricas concernentes à ‘tecnologia social’, e que segundo a sua mesma matriz teórica, se contrapõe a uma ‘tecnologia convencional’, pretendemos expor a necessidade de uma apropriação de tecnologia que comporta em sua base epistemológica a sua vinculação direta à ontologia do ser social, conforme Marx e Lukács.

Palavras-chave


Ontologia do ser social; Tecnologia Social; Tecnologia Convencional.

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/1984-8951.2013v14n104p131

Direitos autorais 2013 Rafael Rodrigo Mueller, Deise Luiza Ferraz

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Licença Creative Commons
Esta obra foi licenciada sob uma Licença Creative Commons - Atribuição 3.0 Não Adaptada.

 

Cad. de Pesq. Interdisc. em Ci-s. Hum-s., Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN 1984-8951.