O pensamento anti-racialista brasileiro no inicio do século XX: Manoel Bomfim e Alberto Torres

Jéssica Maria Rosa Lucion

Resumo


O pensamento de Manoel Bomfim e Alberto Torres entra para o cenário nacional, principalmente, pela originalidade ao tratar o “Brasil-Problema” desconectando-se dos seus contemporâneos ao refletir o país pelo viés sócio-histórico e não racialista. Suas ideias soam como dissidentes numa época onde prevalece o racismo científico e a preocupação das elites concentrava-se na miscigenação, a mistura entre raças superiores e evoluídas (europeus) e raças inferiores e atrasadas (índios e negros). Destas preocupações surgiram análises sobre a realidade brasileira que, mais tarde, foram incorporadas à constituição de políticas de branqueamento no país. O presente artigo traz uma reflexão sobre a obra dos autores em questão evidenciando suas análises sobre o Brasil e as soluções que propõem para a situação do país ao buscarem contribuir para a formação do “Brasil-Nação”.


Palavras-chave


Manoel Bomfim; Alberto Torres; Anti-racialismo; Brasil-Nação

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/1984-8951.2015v16n108p3

Direitos autorais 2016 Jéssica Maria Rosa Lucion

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Licença Creative Commons
Esta obra foi licenciada sob uma Licença Creative Commons - Atribuição 3.0 Não Adaptada.

 

Cad. de Pesq. Interdisc. em Ci-s. Hum-s., Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN 1984-8951.