A recepção da Teoria Crítica no Brasil: 1968-1978

Sílvio César Camargo

Resumo


Nosso propósito nesse artigo é refletir sobre o que consideramos ser a primeira fase do processo de recepção da Teoria Crítica da Escola de Frankfurt no Brasil com ênfase na produção de alguns intelectuais brasileiros que foram pioneiros nesse processo, não apenas como tradutores e divulgadores do pensamento frankfurtiano, mas também como intérpretes da realidade nacional.  Em um período histórico conturbado, marcado pela repressão do regime militar, intelectuais como José G. Merquior, Roberto Schwarz, Gabriel Cohn e Flávio Kothe, em diferenciadas nuanças teóricas, principiaram a recepção da teoria crítica no Brasil, sua imersão nas Ciências Sociais do país e com repercussões quanto à própria forma de compreensão da sociedade brasileira.


Palavras-chave


Teoria social, teoria crítica, recepção, intelectuais, cultura

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/1980-3532.2012n7p126

Licença Creative Commons Esta obra está licenciada sob uma Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Unported License.

Em Debat: Rev., ISSNe 1980-3532, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.