O debate sobre Dependência, Marginalidade e Informalidade: para uma perspectiva de abordagem sobre o fenômeno Sulanca

Autores

  • Annahid Burnett UFCG - Universidade Federal de Campina Grande, PB

DOI:

https://doi.org/10.5007/1980-3532.2013n9p140

Palavras-chave:

Sociologia, Sociologia do Trabalho

Resumo

O presente trabalho tem como objetivo encontrar uma explicação teórica para o fenômeno produtivo/comercial denominado Feira da Sulanca situado no Agreste de Pernambuco o qual começou a ser configurado nas décadas de 1950 e 1960. Para tal esforço lançamos mão das Teorias do desenvolvimento, dos enfoques na dependência e da marginalidade e da bibliografia especializada na informalidade. Utilizamos também a literatura sobre o desenvolvimento socioeconômico e político do Brasil no século XX, mais especificamente até a década de 1980, para poder compreender o contexto. Temos como hipótese que o fenômeno sulanca se configurou a partir de uma massa marginal formada durante o segundo momento do capitalismo dependente, no período do fordismo periférico, sob forte relação com as práticas das feiras livres do Agreste pernambucano.

Biografia do Autor

Annahid Burnett, UFCG - Universidade Federal de Campina Grande, PB

Doutoranda do Programa de Pós-graduação em Ciências Sociais da Universidade Federal de Campina Grande, PB

Área de Sociologia do Trabalho

Downloads

Publicado

2013-06-30

Edição

Seção

Artigos