A política nas mídias sociais e as tarefas da esquerda: a revolução se faz no presente

Edemilson Paraná, João Telésforo

Resumo


Em consonância com as novas configurações na estrutura do mundo do trabalho e das sociabilidades, abertas pelas transformações no modo de produção capitalista, e como parte desse processo, os meios de “autocomunicação de massas”, como Facebook, Twitter e Youtube, instauraram importantes transformações nas dinâmicas de operação da esfera pública. A linearidade cognitiva, discursiva e ideológica do século XX é posta em xeque e impõe-se aos movimentos de contestação a necessidade de novas formas de fazer política e disputar a sociedade. O presente artigo analisa tais elementos, bem como eventuais respostas para os dilemas organizativos por esta nova realidade postos, a partir da discussão a respeito do papel das mídias sociais nas manifestações de junho de 2013 no Brasil.


Palavras-chave


mídias sociais; cidadania digital; autocomunicação de massas; movimentos sociais; mobilização política

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/1980-3532.2014n11p152

Licença Creative Commons Esta obra está licenciada sob uma Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Unported License.

Em Debat: Rev., ISSNe 1980-3532, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.