A anarquia social: resistência, insurgência e revolução social na teoria de Bakunin

Selmo Nascimento da Silva

Resumo


O presente artigo tem o objetivo debater os fundamentos da teoria anarquista de Mikhail Bakunin, analisando o contexto de seu desenvolvimento, ou seja, o contexto da luta de classes na Europa no período do ciclo revolucionário que tem seu início no ano de 1848, e que assume o caráter organizativo do internacionalismo dos trabalhadores, culminando no novo ciclo insurrecional iniciado pela Comuna de Paris (1871). Essa contextualização visa superar as definições arbitrárias e a-históricas sobre a noção de anarquismo e da própria obra de Bakunin e, ao mesmo tempo, recuperar sua historicidade. Assim, sua teoria, sua perspectiva materialista, sua dialética, sua concepção revolucionária de anarquia social tornam-se de fato inteligíveis. Os conceitos da teoria bakuninista aqui destacados são de anarquia social e de trabalho insurgente.


Palavras-chave


Bakunin; Anarquismo; Dialética serial; Insurgência; Revolução social

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/1980-3532.2014n11p26

Licença Creative Commons Esta obra está licenciada sob uma Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Unported License.

Em Debat: Rev., ISSNe 1980-3532, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.