A contribuição de Luis Felipe Miguel ao debate sobre o conceito de representação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1980-3532.2017n17p107

Palavras-chave:

Representação, Democracia, Teoria Política

Resumo

Neste artigo, discuto a contribuição de Luis Felipe Miguel para o debate contemporâneo sobre o conceito de representação. Primeiro avalio o debate inaugurado por Pitkin e Manin. Pitkin analisa a representação como autorização, accountability, descritividade e simbolismo. Identificando a necessidade de tratá-la como atividade, a autora expõe dois eixos de contenção, mesmo quando arepresentação é estudadasistemicamente: entre representação de interesses individuais e coletivos, e entre o mandato fiduciário e o imperativo. Partindo do estudo sistêmico e histórico da representação, Manin analisa também elementos constitutivos de sistemas de governo baseados no conceito de representação. Miguel percebe os interesses como simultaneamente individuais e gerais, produzidos em processos sociais de universalização de interesses. Isso implica um adensamento do conceito de representação porquanto ele envolva aspectos como as condições materiais de uma sociedade e seus mecanismos de circulação de ideias, como a organização dos meios de comunicação de massa.

Biografia do Autor

Peterson Roberto da Silva, Universidade Federal de Santa Catarina

Graduado em Ciências Sociais e mestrando de Sociologia Política no departamento de Sociologia e Ciência Política CFH / UFSC.

Downloads

Publicado

2018-10-11

Edição

Seção

Artigos