A doçura da fruta e o fel do conflito laboral: sindicato dos trabalhadores da indústria de conservas de Pelotas (RS)

Autores

  • Laura Senna Ferreira UFSM
  • Maria Soledad Etcheverry Orchard UFSC

DOI:

https://doi.org/10.5007/1980-3532.2017n17p127

Palavras-chave:

Trabalho, Sindicato, Indústria de conserva, Desemprego, Assédio

Resumo

A indústria de conservas de frutas e hortaliças de Pelotas (RS) já foi a maior empregadora da cidade. Desde fins dos anos 1980 o setor vivenciou o encerramento da maior parte das empresas, como resultado do processo de racionalização tecnológica e gestorial. O desemprego no segmento acarretou numa maior vulnerabilidade econômica e fragilização política dos trabalhadores. Este artigo busca compreender de que maneira as transformações nessa indústria impactaram na atuação do sindicato dos trabalhadores da categoria, considerado um dos mais combativos da região. Trata-se de uma pesquisa realizada a partir de fontes documentais e junto aos trabalhadores, sindicalistas e empresários, com o propósito de entender as razões da intensificação dos conflitos do trabalho e a postura sindical frente aos novos desafios do mundo laboral.

Biografia do Autor

Laura Senna Ferreira, UFSM

Dr. em Sociologia (UFRJ). Profa. Departamento de Ciências Sociais (UFSM).

Maria Soledad Etcheverry Orchard, UFSC

Dr. em Sociologia (UFRJ). Profa. Departamento de Sociologia e Ciências Política (UFSC).

Downloads

Publicado

2018-10-11

Edição

Seção

Artigos