O despotismo democrático e a redução do homem em Tocqueville

Valdenésio Aduci Mendes

Resumo


Em A democracia na América, Tocqueville descreve tanto uma reflexão filosófica sobre o fundamento da democracia moderna, assim como o sistema democrático americano, chegando a uma conclusão que instiga, ainda hoje, o pensamento político: a igualdade de condições, princípio regulador da democracia americana redundou em apatia política. Segundo Tocqueville, no bojo dessa retração do homem do cenário da vida pública surge um novo Leviatã social - o Estado centralizador e burocrático dos tempos
modernos - a partir do qual define o despotismo democrático. A finalidade do presente estudo é num
primeiro momento acompanhar a descrição tocquevilliana da democracia americana e por extensão a descrição que Tocqueville faz sobre as causas que podem conduzir à apatia política. Num segundo momento visa descrever os possíveis antídotos previstos por Tocqueville para que o homem retome sua autonomia política, perguntando-nos ao mesmo tempo se as reflexões do autor, todavia nos podem ajudar a pensar o presente. Conclui-se que Tocqueville é um clássico do pensamento político e enquanto tal continua a ser referencia para pensarmos importantes questões políticas da atualidade, dentre elas o aprofundamento da democracia.


Palavras-chave


Democracia; Apatia política; Individualismo; Despotismo

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/%25x

Direitos autorais 2007 Valdenésio Aduci Mendes

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

R. Em Tese, revista do PPGSP da UFSC, Brasil, ISSNe 1806-5023

Licença Creative Commons
Revista licenciado pela Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.