Reflexões sobre o papel dos partidos no sistema político brasileiro: atividade parlamentar no contexto de preponderância do executivo

Vinícius Silva Alves

Resumo


O presente trabalho oferece uma reflexão sobre as possibilidades de atuação de deputados federais no sistema político brasileiro, marcado pela preponderância do Poder Executivo. Admite-se que a preocupação com a continuidade de suas carreiras políticas condiciona o comportamento e atuação dos parlamentares. O texto apresenta, após uma breve introdução, que ilustra as bases sobre as quais se desenvolvem as relações entre Executivo e Legislativo no Brasil, a literatura que nos auxilia a compreender as decisões que os atores políticos tomam ao longo de suas carreiras. Em seguida, são discutidas as interpretações e achados sobre a atuação dos deputados brasileiros, assim como as críticas que podem nos ajudar a compreender a atividade parlamentar sob uma perspectiva mais dinâmica. Ao final, sugerimos que os partidos políticos condicionariam as possibilidades de atuação de seus membros, oferecendo vantagens e obstáculos às atividades dos aliados e dos oposicionistas em relação ao governo federal.

Palavras-chave


Partidos políticos; Relação Executivo-Legislativo; Atividade Parlamentar

Texto completo:

PDF/A

Referências


ABRANCHES, Sergio. Presidencialismo de coalizão: o dilema institucional brasileiro. Dados: Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro: IUPERJ, vol. 31, nº 1, pp. 3-55, 1988.

ALDRICH, John. Why parties? The origins and transformations of party politics in America. Chicago: Chicago UniversityPress, 1995.

AMES, Barry. Institutions and politics in Brazil. Ann Arbor: University of Michigan Press, 2001.

ARNOLD, Douglas. The Logic of Congressional Presidents and Assemblies. New Haven: Yale University Press, 1990.

BORGES, André; PAULA, Carolina de; NÓBREGA, Adriano da. Eleições legislativas e geografia do voto em contexto de preponderância do Executivo. Revista de Sociologia Política, 2015.

CARVALHO, Nelson Rojas de. E no início eram as bases: geografia política do voto e comportamento legislativo no Brasil. Rio de Janeiro: Revan, 2003.

DAHL, Robert. Poliarquia: Participação e Oposição; prefácio Fernando Limongi; tradução Celso Mauro Paciornik. - l. ed. 1. reimpr. - São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2005.

DOWNS, Anthony. Uma teoria econômica da democracia. Tradução: Sandra Guardini Teixeira Vasconcelos. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1999.

ENGSTROM, Erik J.; VANBERG, Georg. Assessing the allocation of pork: Evidence from congressional earmarks. American Politics Research 38.6 (2010): 959-985.

FENNO, Richard. Congressmen in Committees. Boston: Little Brown, 1973.

______________. US House members in their constituencies: An exploration. American Political Science Review 71.03 (1977): 883-917.

FIGUEIREDO, Argelina e LIMONGI, Fernando. Executivo e Legislativo na nova ordem constitucional. São Paulo: Editora FGV, 1999.

INÁCIO, Magna. Engajamento parlamentar no Brasil. In: POWER, Timothy J; ZUCCO JR, Cesar (org.). O Congresso por ele mesmo: autopercepções da classe política brasileira. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2011.

KUNICOVÁ, Jana; ROSE-ACKERMAN, Susan. Electoral Rules and Constitutional Structures as Constraints on Corruption. British Journal of Political Science, Cambridge, 35., 2005. Disponível em: http://authors.library.caltech.edu/2088/1/KUNbjps05.pdf. Acesso em: 15 ago. 2014.

LAMEIRÃO, Camila Romero. Ministros da Nova República e dirigentes públicos do governo Lula da Silva. In: ENCONTRO ANUAL DA ANPOCS. 33., 2009, Caxambu. Anais eletrônicos. Disponível em: http://www.anpocs.org/portal/index.php?option=com_docman&task=doc_view&gid=1961&Itemid=229. Acesso: em 28 jun. 2015.

LIMONGI, Fernando. Poder de agenda na democracia brasileira: desempenho do governo no presidencialismo pluripartidário. In: SOARES, G; RENNÓ, L. (Org.). Reforma Política - Lições da História Recente. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006.

LINZ, Juan J. The perils of presidentialism. Journal of democracy (Winter, 1993): 51-69.

MAINWARING, Scott. Rethinking Party Systems in the Third Wave of Democratization: The case of Brazil. Palo Alto: Stanford University Press, 1999.

MARENCO, André; SERNA, Miguel. (2007). Por que carreiras políticas na esquerda e na direita não são iguais? Recrutamento legislativo em Brasil, Chile e Uruguai. Revista Brasileira de Ciências Sociais 22 (64) 93-113.

MARSTEINTREDET, Leiv. Explaining variation of executive instability in presidential regimes: Presidential interruptions in Latin America. (March, 2014) International Political Science Review, volume 35, number 2. Los Angeles, Sage Publications, pp. 173-194.

MAYHEW, David. Congress: the electoral connection, 2nd ed. New Haven: Yale University Press, 2005.

MELO, Carlos Ranulfo Félix de. Migração partidária, estratégias de sobrevivência e governismo na Câmara dos Deputados. In: TAVARES, José A. (org.). O sistema partidário na consolidação da democracia brasileira. Brasília: Instituto Teotônio Vilela, 2003.

MELO, Marcus André; PEREIRA, Carlos. Making Brazil Work: checking the president in multiparty system. New York: Palgrave Macmillan, 2013.

PANEBIANCO, Angelo. Modelos de Partido: organização e poder nos partidos políticos. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

PEREIRA, Carlos; RENNO, Lúcio. (2007). O que é que o reeleito tem? O retorno: o esboço de uma teoria da reeleição no Brasil Revista de Economia Política, vol. 27, nº 4 (108): 664-683.

PESSANHA, Charles. O Poder Executivo e o processo legislativo nas Constituições Brasileiras. Teoria e prática. In: VIANNA, Luiz W. (org.). A democracia e os três poderes no Brasil. Belo Horizonte: Editora UFMG, Rio de Janeiro: FAPERJ, 2002.

RAILE, Eric D; PEREIRA, Carlos; POWER, Timothy. (2011). The Executive Toolbox: Building Legislative Support in a Multiparty Presidential Regime. Political Research Quarterly 64 (2), 323-334.

RENNÓ, Lucio. Críticas ao presidencialismo de coalizão no Brasil. In: AVRITZER, Leonardo; ANASTASIA, Fátima (org.). Reforma política no Brasil. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2006.

RIBEIRO, Pedro Floriano. Organização e poder nos partidos brasileiros: uma análise dos estatutos. Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília , n. 10, Apr. 2013 .

RICCI, Paolo. O conteúdo da produção legislativa brasileira: leis nacionais ou políticas paroquiais? Dados. 46.4 (2003): 699-734.

SAMUELS, David. Ambition, federalism, and legislative politics in Brazil. Cambridge: Cambridge University Press, 2003.

SANCHES FILHO, Alvino de Oliveira; CARVALHO, André Borges de. Padrões de carreira política e desempenho eleitoral dos deputados federais em um sistema Executive-centric. In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE CIÊNCIA POLÍTICA, 8., 2012, Gramado. Anais eletrônicos. Disponível em: http://www.cienciapolitica.org.br/wp-content/uploads/2014/04/12_7_2012_11_1_25.pdf . Acesso em: 14 ago. 2014.

SANTOS, Wanderley Guilherme dos. Anatomia da Crise. São Paulo: Vértice, 1986

SCHLESINGER, Joseph. Ambition and Politics. Chicago: Rand McNally, 1966.

SCHUMPETER, Joseph Alois. Capitalismo, Socialismo e Democracia - traduzido por Ruy Jungmann. Rio de Janeiro: Editora Fundo de Cultura, 1961.

SHEFTER, Martin. Political parties and the state: the american historical experience. Princeton: Princeton University Press, 1994.

SHUGART, Matthew Soberg; CAREY, John M. Presidents and Assemblies: Constitutional Design and Electorl Dynamics. Cambridge: Cambridge University Press, 1992.

ZUCCO JR, Cesar. Esquerda, direita e governo. In: POWER, Timothy J; ZUCCO JR, Cesar (org.). O Congresso por ele mesmo: autopercepções da classe política brasileira. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2011.




DOI: https://doi.org/10.5007/1806-5023.2019v16n1p255

Direitos autorais 2019 Vinícius Silva Alves

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

R. Em Tese, revista do PPGSP da UFSC, Brasil, ISSNe 1806-5023

Licença Creative Commons
Revista licenciado pela Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.