A administração da relevância das pesquisas sobre mudança climática: o papel das incertezas

Antero Silveira de Oliveira Filho

Resumo


Esse trabalho pretende investigar como é realizada, pelos cientistas, a administração da relevância de suas pesquisas, no contexto das mudanças climáticas, especialmente, no que se refere às incertezas sobre esse tema. Ou seja, como a importância de um determinado objeto de investigação científica é apresentada, através de publicações na rede técnocientífica, levando-se em conta o modo como as incertezas são tratadas na construção do conhecimento científico. Para tanto, tem como referência os artigos científicos produzidos por pesquisadores da Rede CLIMA, dentro da sub-rede Modelagem, no período de 2007 à 2013, considerando a noção de administração da relevância. Haja vista que na sociedade moderna a ciência possui destacado papel, é importante lançar luz, sociologicamente, sobre os processos de produção de conhecimento e sua relação com os contextos práticos dos quais emergem. A abordagem do objeto é qualitativa e de caráter descritivo, contando com pesquisa bibliográfica, pesquisa documental e análise de conteúdo.


Palavras-chave


Sociologia do Conhecimento Científico; Administração da Relevância; Mudanças Climáticas; Incerteza

Texto completo:

PDF/A

Referências


BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1979. 229 p.

BAUER, Martin W., GASKELL, George (orgs). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Tradução de Pedrinho A. Guareschi. 10ª ed. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2012.

BECK, Ulrich. Sociedade de risco: rumo a uma outra modernidade. 2ª ed. Tradução: Sebastião Nascimento. São Paulo: Editora 34, 2011.

BORRAZ, Olivier. O surgimento das questões de risco. Sociologias, Porto Alegre, ano 16, nº.35, jan/abr 2014, p. 106-137.

BOURDIEU, Pierre. El oficio de científico: Ciencia de la ciencia y reflexividad. Traducción de Joaquín Jordé. BARCELONA: EDITORIAL ANAGRAMA, 2003.

BRASIL. LEI nº 12.187, de 29 de DEZEMBRO de 2009 (Lei Ordinária). Institui a Política Nacional sobre Mudança do Clima e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 29 dez. 2009. Seção Extra, p. 109, Coluna 2. 2009d.

BRASIL. Portaria MCT nº 728, de 20 de NOVEMBRO de 2007.

BRASIL. Protocolo de Kyoto. Editado e traduzido pelo Ministério da Ciência e Tecnologia com o apoio do Ministério das Relações Exteriores da República Federativa do Brasil. Disponívelem:http://mudancasclimaticas.cptec.inpe.br/~rmclima/pdfs/Protocolo_Quioto.pdf. Acesso em: 07 set. 2013.

CAPPELLE, M. C. A.; MELO, M. C. O. L.; GONÇALVES, C. A. Análise de conteúdo e análise de discurso nas ciências sociais. Organizações Rurais & Agroindustriais, v. 5, n. 1, art. 6, p. 0-0, 2003.

DESSAI, S.; van der SLUIJS, J. P. Uncertainty and climate change adaptation: a scoping study. Report NWS-E-2007-198; Department of Science Technology and Society, Copernicus Institute, Utrecht University, 2007.

FBMC. Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas. Revista FBMC. 2008. Disponível em: http://www.forumclima.org.br/index.php/biblioteca/revista-fbmc. Acesso em: 25 ago. 2013

HABERMAS, Jürgen. Técnica e Ciência como “Ideologia”. Lisboa: Edições 70, 1968.

INTERGOVERNMETAL PANEL ON CLIMATE CHANGE (IPCC). Disponível em: http://www.ipcc.ch/home_languages_main_spanish.shtml#.Uh6w6z-b-F4. Acesso em: 28 ago. 2013.

KNORR CETINA, Karin. La Fabricación del Conocimiento: Un ensayo sobre el carácter constructívista y contextual de la ciencia. 1ª ed. Bernal: Universidad Nacional de Quilmes, 2005.

KUHN, Thomas. A estrutura das revoluções científicas. São Paulo: Editora Perspectiva, 2009.

KUHN, Thomas. La tensión esencial. México: Fondo de Cultura Económica, 1983.

LATOUR, Bruno. Ciência em Ação: Como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora. São Paulo, UNESP, 2000.

LATOUR, Bruno. Políticas da Natureza: Como fazer ciência na democracia. EDUSC. Bauru, 2004.

LATOUR, Bruno. Reensamblar lo social: una introducción a la teoria del actor-red. 1ª ed. Buenos Aires: Manantial, 2008. 392p.

NEVES, F. M. Análise da Política Brasileira relacionada à Mudança do Clima sob a Perspectiva da Sustentabilidade: Consistências e Contradições. Tese de doutoramento. Universidade Federal do Paraná, UFPR, Brasil. 2012.

PETERSON. Garry. et al. Uncertainty, Climate Change, and Adaptive Management. Ecology & Society, vol. 1. nº 2. 1997.

REDECLIMA. Rede Brasileira de Pesquisas sobre Mudanças Climáticas Globais. Relatório de Atividades 2011-2012. Disponível em: http://redeclima.ccst.inpe.br/wp-content/uploads/2013/04/RedeClima-2011-2012 mais-baixa.pdf Acessado em: 28 ago. 2013.

REDECLIMA. Rede Brasileira de Pesquisas sobre Mudanças Climáticas Globais. Relatório de Atividades 2010-2011. Disponível em: http://www.ccst.inpe.br/wp-content/themes/ccst-2.0/pdf/Relatorio_RC_Nov_2011.pdf. Acessado em: 12 ago. 2013.

REDECLIMA. Rede Brasileira de Pesquisas sobre Mudanças Climáticas Globais. Relatório de Atividades 2010. Disponível em: https://docs.google.com/a/pontodoctextos.com.br/file/d/0B-idgg jMSGs3cjNpWndCSWRrVmM/edit?pli=1. Acessado em: 03 ago. 2013.

REDECLIMA. Rede Brasileira de Pesquisas sobre Mudanças Climáticas Globais. Relatório de Atividades 2009. Disponível em http://redeclima.ccst.inpe.br/wp-content/uploads/2013/02/Relat%C3%B3rio-de-Atividades-Rede-Clima-2009.pdf Acessado em: 02 ago. 2013.

SHINN, Terry. Regimes de produção e difusão de ciência: rumo a uma organização transversal do conhecimento. In: Scientiae Zudia, São Paulo, v. 6, n. 1, p. 11-42, 2008.

STERN, N. The economics of climate change. Cambridge, Cambridge University Press, 2007.

VENTURA, Andréa Cardoso et al. Tecnologias sociais: as organizações não governamentais no enfrentamento das mudanças climáticas e na promoção de desenvolvimento humano. Cad. EBAPE.BR: Rio de Janeiro. vol.10, nº.3. Sept. 2012.




DOI: https://doi.org/10.5007/1806-5023.2019v16n1p294

Direitos autorais 2019 Antero Silveira de Oliveira Filho

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

R. Em Tese, revista do PPGSP da UFSC, Brasil, ISSNe 1806-5023

Licença Creative Commons
Revista licenciado pela Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.