Teorias críticas da juventude: geração, moratória social e subculturas juvenis

Luís Antonio Groppo

Resumo


As teorias críticas da juventude, na segunda metade do século XX, formularam importantes concepções de juventude que tiveram influência para além dos meios acadêmicos, até hoje presentes, tais como moratória social, gerações e subculturas juvenis. Por meio de revisão bibliográfica, analisa-se a constituição destas concepções de juventude e suas características principais. O traço crítico destas teorias reside no reconhecimento do potencial papel socialmente transformador das juventudes, em versões moderadas ou mais radicais. Elas avançam em relação às tradicionais por conceber de modo mais positivo as dissidências e revoltas dos grupos juvenis. Mas ainda são influenciadas pelas concepções tradicionais de juventude, em especial a noção de socialização.


Palavras-chave


Sociologia da Juventude; Geração; Moratória Social; Subculturas Juvenis; Teorias Críticas

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/1806-5023.2015v12n1p4

Direitos autorais 2015 Luís Antonio Groppo

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

R. Em Tese, revista do PPGSP da UFSC, Brasil, ISSNe 1806-5023

Licença Creative Commons
Revista licenciado pela Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.