As mulheres dirigentes do partido dos trabalhadores: perfil e desafios à participação substantiva

Tassia Rabelo de Pinho

Resumo


Este artigo trata-se de um estudo de caso sobre os avanços e limites à participação política das mulheres no interior do Partido dos Trabalhadores, primeiro partido da América Latina a adotar cotas de gênero e a aprovar a paridade na composição das suas direções. A coleta de dados consistiu na aplicação de questionários aos integrantes da Direção Nacional do PT, seguida de pesquisa biográfica[1], e na análise das pesquisas de opinião realizadas pela Fundação Perseu Abramo (FPA). Realizamos ainda pesquisa no acervo Sérgio Buarque de Holanda que nos permitiu levantar a composição das direções nacionais do PT ao longo da sua história, e analisar a trajetória da participação feminina. Por fim, trabalhamos com algumas entrevistas abertas e em profundidade com mulheres dirigentes do partido[2].


[1] A pesquisa foi realizada por meio de informações básicas coletadas na Secretaria Geral do PT, e incrementadas a partir de dados do Tribunal Superior Eleitoral, sites dos políticos e páginas no Facebook.

[2] Essas entrevistas foram realizadas durante a construção da minha dissertação.


Palavras-chave


Partido dos Trabalhadores; Participação Política; Cotas de Gênero; Representação Política; Democracia

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/1806-5023.2016v13n1p65

Direitos autorais 2016 Tassia Rabelo de Pinho

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

R. Em Tese, revista do PPGSP da UFSC, Brasil, ISSNe 1806-5023

Licença Creative Commons
Revista licenciado pela Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.