Maria Firmina dos Reis e seu conto Gupeva: uma breve digressão indianista

Rafael Balseiro Zin

Resumo


Se o tratamento que a escritora maranhense Maria Firmina dos Reis atribui às personagens negras e à questão da escravidão em seu romance inaugural Úrsula, publicado em 1859, e em seu conto A escrava, de 1887, é um tanto particular para a literatura brasileira produzida até aquele momento, em outro tema bastante em voga no período, o encontro da cultura europeia com a cultura indígena autóctone, ela também vai apresentar concepções distintas. Levando em consideração essa perspectiva, o presente artigo tem por objetivo analisar as ideias da autora contidas em seu conto indianista Gupeva, de 1861-2, uma vez que, nessa narrativa, ela se dedica a pensar o lugar destinado ao índio na sociedade brasileira oitocentista, no sentido de registrar a sua contribuição e de marcar o seu ideário acerca da questão nacional.

Palavras-chave


Maria Firmina dos Reis; Brasil; século XIX

Texto completo:

PDF/A


DOI: http://dx.doi.org/10.5007/%25x

Direitos autorais 2017 Em Tese

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

R. Em Tese, revista editada por discentes do PPGSP da UFSC, Brasil, ISSNe 1806-5023

Licença Creative Commons
Revista licenciado pela Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.