A esfera intelectual em Max Weber e sua formação no Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1806-5023.2021.e74991

Palavras-chave:

Esfera intelectual em Max Weber, Brasil, Século XIX, Bacharelismo.

Resumo

Este artigo procura contribuir para reconstrução da esfera intelectual no Brasil do século XIX. Para tanto, será analisado o desenvolvimento da esfera intelectual desde a leitura de Max Weber, bem como o papel dos juristas brasileiros no desenvolvimento desta instituição cultural da modernidade, a partir do momento da criação das escolas de Direito e de suas relações com as esferas política e econômica.

Biografia do Autor

Mariana Dutra de Oliveira Garcia

Mestra em Direito pela Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC. Especialista em Direito Ambiental Nacional e Internacional pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS. Graduada em Ciências Jurídicas e Sociais pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - PUCRS. Pesquisa nas áreas de Criminologia, Sociologia do Direito e Sociologia do Conhecimento. 

Referências

ADORNO, Sérgio. Os aprendizes do poder. O bacharelismo liberal na política brasileira. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988.

ADORNO, Theodor W.; HORKHEIMER, Max. Dialética do esclarecimento: fragmentos filosóficos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2006.

ALMEIDA, Frederico Normanha Ribeiro de. A nobreza togada: as elites jurídicas e a política de justiça no Brasil. 2010. Tese (Doutorado em Ciência Política) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

BARROS, Roque Spencer Maciel de. A ilustração brasileira e a ideia da universidade. São Paulo: Convívio: Editora da USP, 1986.

CARVALHO, José Murilo de. A construção da ordem: a política imperial. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1981.

CORRÊA, Mariza. Antropologia & medicina legal: variações em torno de um mito. Caminhos Cruzados. São Paulo: Editora Brasiliense, 1982.

EISENSTADT, Shmuel Noah. Modernidades múltiplas. Sociologia, Problemas e Práticas, n. 35. Portugal, 2001.

FREYRE, Gilberto. Sobrados e Mucambos. São Paulo: Global, 2006.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. 26 ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

NEDER, Gizlene. Iluminismo jurídico-penal luso-brasileiro: obediência e submissão. Rio de Janeiro: Revan. 2007.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. O espetáculo das raças. Cientistas, instituições e a questão racial no Brasil. 1870-1930. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

SELL, Carlos Eduardo. A sociologia weberiana da ciência. Política e Sociedade. v. 11, n. 20, Florianópolis, 2012a.

SELL, Carlos Eduardo. Racionalidade e Racionalização em Max Weber. Revista Brasileira de Ciências Sociais. v. 27, n. 79, junho, 2012b.

SOUZA, Jessé. Patologias da Modernidade: um diálogo entre Habermas e Weber. São Paulo: Annablume, 1997.

SOUZA, Jessé. A modernização seletiva: uma reinterpretação do dilema brasileiro. Brasília: Editora UnB, 2000.

SOUZA, Jessé. A construção social da subcidadania: para uma sociologia política da modernidade periférica. Belo Horizonte: UFMG; Rio de Janeiro: IUPERJ, 2003.

VENÂNCIO FILHO, Alberto. Das arcadas ao bacharelismo: 150 anos de ensino jurídico no Brasil. São Paulo: Perspectiva, 2011.

WEBER, Marianne. Max Weber. Ein Lebensbild. Tübingen. Mohr Siebeck, 1926. In: SELL, Carlos Eduardo. Racionalidade e Racionalização em Max Weber. In: Revista Brasileira de Ciências Sociais. Vol. 27, nº 79, junho, 2012.

WEBER, Max. A ciência como vocação. In: WEBER, Max. Ensaios de Sociologia. Org. H.H. Gerth e C. Wright Mills; Tradução de Waltensir Dutra. 5. ed; Rio de Janeiro: LTC, 2010.

WEBER, Max. A Psicologia Social das Religiões Mundiais. In: WEBER, Max. Ensaios de Sociologia. Org. H.H. Gerth e C. Wright Mills; Tradução de Waltensir Dutra. 5. ed; Rio de Janeiro: LTC, 2010.

WEBER, Max. As Rejeições Religiosas do Mundo e Suas Direções. In: WEBER, Max. Ensaios de Sociologia. Org. H.H. Gerth e C. Wright Mills; Tradução de Waltensir Dutra. 5. ed; Rio de Janeiro: LTC, 2010.

Downloads

Publicado

2021-02-10

Edição

Seção

Dossiê