Desencantamento do mundo e objetividade científica em Max Weber

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1806-5023.2021.e76099

Palavras-chave:

Max Weber, Objetividade científica, Desencantamento do mundo , Valores , Tipo ideal

Resumo

Defendendo a centralidade da filosofia da ciência do neokantiano Heinrich Rickert na reflexão epistemológica e metodológica de Max Weber, o artigo analisa a forma que o problema da objetividade (tanto científica quanto axiológica) assume no pensamento weberiano. Ademais, o trabalho sustenta a tese de que Max Weber inova na sua tentativa de salvar a noção de verdade (no âmbito das ciências culturais) ao mesmo tempo em que nega (contra Rickert) a possibilidade da validade objetiva e universal de valores, os quais, no entanto, são constitutivos daquelas ciências enquanto tais

Referências

BORCHARDT, Knut. Os cursos de Max Weber. Economia política geral ou teórica (1894-1898). Tempo Social, revista de sociologia da USP, v. 24, n. 1, 2012.

BOURDIEU, Pierre. Meditações Pascalianas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001.

BRUUN, H.H. Weber on Rickert: From value relation to ideal type. Max Weber Studies, 1(2), pp. 138-160, 2001.

BURGER, Thomas. Max Weber’s Theory of Concept Formation. History, Laws, and Ideal Types. Duke University Press. Durham, North Carolina, 1976.

CIAFFA, Jay A. Max Weber and the Problems of Value-Free Social Science. A Critical Examination of the Werturteilsstreit. Associated University Presses, Inc, 1998.

COHN, Gabriel. Crítica e Resignação: Max Weber e a Teoria Social. 2ª ed. atual. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

COLLIOT-THÉLÈNE, Catherine. Max Weber e a História. São Paulo: Brasiliense, 1995.

DRYSDALE, John. Weber on Objectivity: Advocate or Critic? In: Laurence McFalls (org.), Max Weber’s Objectivity Reconsidered. University of Toronto Press Incorporated, 2007.

DURKHEIM, Emile. Da Divisão do Trabalho Social. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

FOUCAULT, Michel. As palavras e as coisas. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

GAGNEBIN, Jeanne. Walter Benjamin ou a história aberta. In: BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. Obras escolhidas, v.1. São Paulo: Brasiliense, 2012.

HABERMAS, Jürgen. O discurso filosófico da modernidade: doze lições. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

JASPERS, Karl. Ciência e verdade (tradução de Antônio Abranches). O que nos faz pensar, [S.l.], v. 1, n. 01, p. 104-117, 1989.

KANT, Immanuel. Crítica da Razão Pura. Kant. Os Pensadores. Editora Abril Cultural, 1974.

KOYRÉ, Alexandre. Do mundo fechado ao universo infinito. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006.

LACEY, Hugh. Existe uma distinção relevante entre valores cognitivos e sociais? Revista Scientia e Studia, Vol. 1, No. 2, 2003.

LACEY, Hugh. Como devem os valores influenciar a ciência? Filosofia Unisinos, 6(1):41-54, jan/abr 2005.

LEFORT, Claude. Marx: de uma visão da história a outra. In: LEFORT. Claude. As formas da história: Ensaios de antropologia política. São Paulo: Editora Brasiliense, 1979.

MARX, Karl. Grundrisse: manuscritos econômicos de 1857-1858: esboço da crítica da economia política. São Paulo: Boitempo; Rio de Janeiro: Ed. UFRJ, 2011.

MATA, Sérgio da. Heinrich Rickert e a fundamentação (axio)lógica do conhecimento histórico. VARIA HISTORIA, Belo Horizonte, vol. 22, nº 36: p.347-367, Jul/Dez 2006.

NOBRE, Renarde Freire. Racionalidade e Tragédia Cultural no pensamento de Max Weber. Tempo Social; Rev. Sociol. USP, S. São Paulo, 12(2): 85-108, 2000.

NOBRE, Renarde Freire . Weber, Nietzsche e as Respostas Éticas à Crítica da Modernidade. Trans/Form/Ação, São Paulo, 26(1): 53-86, 2003.

NOBRE, Renarde Freire . Perspectivas da Razão: Nietzsche, Weber e o conhecimento. Belo Horizonte: Argvmentvm Editora (Scientia/UFMG), 2004a.

NOBRE, Renarde Freire. Entre passos firmes e tropeços. Resenha de O Desencantamento do Mundo: todos os passos do conceito em Max Weber, de Antonio Flavio Pierucci. RBCS Vol. 19 nº. 54 fevereiro, 2004b.

NOBRE, Renarde Freire. Weber e o Desencantamento do Mundo: Uma Interlocução com o Pensamento de Nietzsche. DADOS – Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, Vol. 49, no 3, pp. 511 a 536, 2006.

OAKES, Guy. Weber and Rickert. Concept Formation in the Cultural Sciences. The MIT Press, 1998.

OAKES, Guy. Introductory Essay. In: WEBER, Max. Critique of Stammler. The Free Press, 1977.

PIERUCCI, Antonio Flávio. O Desencantamento do Mundo: todos os passos do conceito em Max Weber. São Paulo: USP, Curso de Pós-Graduação em Sociologia: Ed. 34, 2003.

RICKERT, Heinrich. Introduccion a los Problemas filosofia de la Historia. Editorial Nova, Buenos Aires, 1924.

RICKERT, Heinrich. Ciencia Cultural y Ciencia Natural. Segunda Edición. Editora Espasa-Calpe Argentina, S.A. Buenos Aires, 1945.

RICKERT, Heinrich. The Limits of Concept Formation in Natural Sciences. A Logical Introduction to the Historical Sciences. Cambridge University Press, 1986.

SELL, Carlos Eduardo. Max Weber e a racionalização da vida. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013.

SENEDA, Marcos César. Max Weber e o problema da evidência e da validade nas ciências empíricas da ação. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2008.

SIMMEL, Georg. O conceito e a tragédia da cultura. In: Jessé Souza e Berthold Ölze (orgs.). Simmel e a modernidade. Brasília: Editora da Universidade de Brasília, 1998.

SIMMEL, Georg. Florença. In: FORTUNA, Carlos (org.). Simmel: a estética e a cidade. Imprensa da Universidade de Coimbra, 2010.

SWEDBERG, Richard. Max Weber e a Ideia de Sociologia Econômica. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2005.

SCHLUCHTER, Wolfgang. Politeísmo dos valores. In: SOUZA, Jessé (Org.). A atualidade de Max Weber. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2000.

VANDENBERGHE, Frederic. A Philosophical History of German Sociology. Routledge, 1999a.

VANDENBERGHE, Frederic. Simmel and Weber as ideal-typical founders of sociology. Philosophy & Social Criticism. Vol. 25 nº4 pp. 57-80. 1999b.

VANDENBERGHE, Frederic. Teoria social realista: um diálogo franco-britânico. Belo Horizonte: Editora UFMG; Rio de Janeiro: IUPERJ, 2010.

WEBER, Marianne. Biografía de Max Weber. México; D.F, Fondo de Cultura Economica, 1995.

WEBER, Max. Ensayos sobre Metodología Sociológica. Amorrortu Editores. Buenos Aires, 1958.

WEBER, Max. História Geral de Economia. Editora Mestre Jou, São Paulo, 1968.

WEBER, Max. Critique of Stammler; tradução de Guy Oakes. The Free Press,1977.

WEBER, Max. Ensaios de Sociologia; GERTH, H. H.; MILSS, C. W. (orgs). Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1982.

WEBER, Max. Ensaios sobre a Teoria das Ciências Sociais; tradução de Rubens Eduardo Frias; revisão, Maria Ofélia da Costa. Editora Moraes. São Paulo, 1991.

WEBER, Max. El Problema de la Irracionalidad em las Ciencias Sociales. 2ª edição. Editorial Tecnos, S.A. Madrid, 1992.

WEBER, Max. Ensayos sobre sociología de la religión. Volume I. Editora Taurus. Madrid, 1998.

WEBER, Max. A Ética Protestante e o “Espírito” do Capitalismo; tradução José Marcos Mairiani de Macedo; revisão técnica, edição de texto, apresentação, glossário, correspondência vocabular e índice remissivo de Antônio Flávio Pierucci. São Paulo: Companhia das Letras, 2004a.

WEBER, Max. A gênese do capitalismo moderno; organização e comentários Jessé Souza; tradução Rainer Domschke. São Paulo: Ática, 2006a.

WEBER, Max. A “objetividade” do conhecimento das ciências sociais; tradução de Gabriel Cohn. São Paulo: Ática, 2006b.

WEBER, Max. Religião e racionalidade econômica. In: COHN, Gabriel (org). Max Weber. São Paulo: Ática, 2006c, p. 142-159 (Coleção Grandes Cientistas Sociais, n. 13).

WEBER, Max. Economia e Sociedade: fundamentos de sociologia compreensiva. Volume 1. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2012.

WEBER, Max. Economia e Sociedade: fundamentos de sociologia compreensiva. Volume 2. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2015

WEISS, Raquel. Max Weber e o problema dos valores: as justificativas para a neutralidade axiológica. Rev. Sociol. Polit., v. 22, n. 49, p. 113-137, mar. 2014.

WINDELBAND, Wilhelm. History and Natural Science. History and Theory, Vol 19, No.2, 169-185, 1980.

Downloads

Publicado

2021-02-10

Edição

Seção

Dossiê