População feminina atendida no SUS e prevalência de alterações citológicas no colo do útero

Autores

  • Luana Taís Hartmann Backes Universidade de Passo Fundo - UPF
  • Adelina Mezzari Faculdade de Farmácia da UFRGS Departamento de Análises
  • Luciane Noal Calil Universidade Federal do Rio Grande do Sul

DOI:

https://doi.org/10.5007/1807-0221.2016v13n22p56

Palavras-chave:

Neoplasias do colo do útero, Exame de Papanicolaou, Políticas públicas de saúde, Prevenção e controle

Resumo

O presente estudo visa rastrear uma população de mulheres atendidas pelo Sistema Único de Saúde (SUS) na região do Alto Uruguai, no estado do Rio Grande do Sul (RS) cujo exame citológico foi realizado em um laboratório que atende particulares, convênios e é referência no atendimento SUS e verificar a prevalência, nestas mulheres, de alterações citológicas no colo do útero. A partir do início do ano de 2012, foi realizada uma busca retrospectiva de todos os exames SUS, de citologia cervicovaginal realizados no período de janeiro de 2007 a dezembro de 2011, no referido laboratório. A coleta dos dados foi realizada a partir dos laudos laboratoriais mantidos no sistema de resultados do Laboratório. Os critérios de inclusão foram estabelecidos pelos laudos com características pré-malignas (atipias) e de malignidade, e os de exclusão os sem nenhuma alteração.  No período do estudo foram realizados 62280 exames do SUS neste laboratório, com 2049 (3,3%) laudos positivos para algum tipo de lesão. Destes, 758 (36,99%) foram casos de atipias (ASC) e destas 360 (47,49%) permaneceram com lesões benignas (ASC-US) porém 225 (29,68%) evoluíram para lesão de alto grau (ASC-H) e 173 (22,82%) não repetiram o exame. No presente estudo foi observada uma alta prevalência 36,99% de alterações citológicas no colo do útero, na população feminina atendida no SUS na Região do Alto Uruguai Gaúcho. Destas 29,68%, evoluíram para ASC-H e 22,82%, das pacientes não repetiram o exame, para acompanhamento da evolução da lesão. Isto reforça a necessidade de implementação de uma política preventiva permanente.

Biografia do Autor

Luana Taís Hartmann Backes, Universidade de Passo Fundo - UPF

Mestrado em envelhecimento humano

Especialista em Análises Clínicas

Universidade de Passo Fundo

Adelina Mezzari, Faculdade de Farmácia da UFRGS Departamento de Análises

Dra em Microbiologia ênfase em Micologia

Departamento de Análises

Luciane Noal Calil, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutora em Ciências Médicas

Faculdade de Farmácia

Departamento de Análises

Downloads

Publicado

2016-05-05