Relato de experiência de extensão no cuidado da saúde de familiares, cuidadores e indivíduos com Síndrome de Down

Isabel Cristina Gavazzoni Bandeira Andrade, Thais França, Letícia Salm, Ana Marize Pacheco de Souza, Hamilton Fogaça, Maria Cláudia Schmitt Lobe, Laís Dadan Perini, Ana Bruna Schmitt, Pollyanna Mayara da Silva

Resumo


Objetivo: Apresentar ações interdisciplinares desenvolvidas por três cursos da área da saúde da Universidade Regional de Blumenau (FURB), a saber medicina, odontologia e psicologia, em um programa de extensão, e o impacto dessas ações nos acadêmicos e na comunidade que frequenta a Associação Sorrir para Down.  Método: O programa iniciou em fevereiro de 2015 e as atividades foram planejadas de acordo com as demandas oriundas da associação, e aconteceram sob a forma de palestras sobre saúde mental, bucal e geral, atividades teatrais, oficinas e rodas de conversas. Resultados: A atuação interdisciplinar possibilitou um convívio grupal, superação de desafios, agregação de  novos valores aos acadêmicos e contribuiu para conscientização e melhora na saúde da comunidade envolvida. Conclusões: Ocorreu a integração entre acadêmicos e comunidade, o estabelecimentos de vínculos, a troca de experiências, a socialização e construção do conhecimento, melhorando a qualidade de vida da comunidade envolvida e enriquecendo a formação acadêmica.


Palavras-chave


Extensão; Interdisciplinaridade; Síndrome de Down

Texto completo:

PDF

Referências


BARJA-FIDALGO, F. et al. Projeto de extensão crescer sorrindo: integrando ensino, pesquisa e extensão em odontologia por 12 anos crescer sorrindo. Revista Conexão UEPG, v. 10, n. 1, p. 93-101, Jan./Jun. 2014.

BERTHOLD, T.B. et al. Síndrome de Down: aspectos gerais e odontológicos. R. Ci. méd. biol, v. 3, n. 2, p. 252-260, Jun./Dez. 2004.

CAVALCANTE, L.B.; PIRES, J.R.; SCAREL-CAMINAGA, R.M. Doença periodontal em indivíduos com Síndrome de Down: enfoque genético. RGO, v. 57, n. 4, p. 449-453, Out./Dez. 2009.

CANNING, C.D, PUESCHEL, S.M. Expectativas de desenvolvimento: visão panorâmica. In: Pueschel S.M, org. Síndrome de Down: guia para pais e educadores, v. 14, n. 2, p. 105-114, 1993.

CONILL, E. M. Avaliação da integralidade:conferindo sentido para os pactos na programação de metas dos sistemas municipais de saúde. Cad Saúde Pública. v. 20, n. 5, p. 1417-1423, Set/Out. 2004.

GARRUTTI, E. A.; SANTOS, S. R. A interdisciplinaridade como forma de superar a fragmentação do conhecimento. Revista de Iniciação Científica da FFC, v. 4, n. 2, p. 187-197, 2004.

HENN, C. G.; PICCININI, C. A.; GARCIAS, G. L. A família no contexto da Síndrome de Down: Revisando a literatura. Psicologia em Estudo, v. 13, n. 3, p. 485-493, Jul./Set. 2008.

HENNINGTON, E. A. Acolhimento como prática interdisciplinar num programa de extensão universitária. Cad. Saúde Pública, v. 21, n. 1, p. 256-265, Jan./Fev. 2005.

KAYE, P. L. et al. Views and experiences of parents and siblings of adults with Down Syndrome regarding oral healthcare: a qualitative and quantitative study. Br Dent J., v. 198, n. 9, p. 571-278, Mai. 2005.

KORTCHMAR, E. et al. Vivência da mulher com um filho com síndrome de down em idade escolar. Texto Contexto Enfermagem. Florianópolis v. 23, n. 1, p. 13-20, Jan./Mar. 2014

MAR, G. D. O lúdico, o ensino das línguas e os temas transversais. Nuances: estudo sobre educação, v. 13, n. 14, p. 153-165, Jan./Dez. 2006.

MOIMAZ, S. A. S. et al. Extensão universitária como ferramenta geradora de ensino-aprendizagem e produtora de pesquisa. Revista Conexão UEPG, v. 11, n. 2, p. 140-149, Mai./Ago. 2015.

MOITA, F. M. G. S. C.; ANDRADE, F. C. B. Ensino-pesquisa-extensão: um exercício de indissociabilidade na pós-graduação. Revista Brasileira de Educação, v. 14, n. 41, p. 269- 280, Mai./Ago. 2009.

NUNES, L. S. R. et al. Teia a aranha: uma visão criativa em saúde bucal. Revista Eletrônica Gestão & Saúde, v. 6, n. 1, p. 793-799, Mar. 2015.

PRADO, M. B. et al. Acompanhamento nutricional de pacientes com Síndrome de Down atendidos em um consultório pediátrico. O Mundo da Saúde, v. 33, n. 3, p. 335-346, Mai. 2009.

SABÓIA, V. P. A. et al. Programa odontológico preventivo para gestantes adolescentes - projeto sorridente: relato de experiência. Revista Extensão em Ação, v. 2, n. 7, p.140-152, Jul./Dez, 2014.

SAMPAIO J; SANTOS G.C; AGOSTINI M; SALVADOR A.S. Limites e potencialidades das rodas de conversa no cuidado em saúde: uma experiência com jovens no sertão pernambucano. Revista Interface- Comunicação Saúde e Educação, v.18, n.2, p.1299-1312, 2014.

SÍVERES, Luís. A Extensão universitária como um princípio de aprendizagem. Brasília: Liber Livro, 2013, 272 p.

SOUZA, R. A.; CARVALHO, A. M. Programa de Saúde da Família e qualidade de vida: um olhar da Psicologia. Estud. psicol., v. 8, n. 3, p. 515-523, Set./Dez. 2003.

TECKLIN, J. S. Fisioterapia pediátrica. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2002. 479 p.

TORQUATO, J. A. et al. A aquisição da motricidade em crianças portadoras de Síndrome de Down que realizam fisioterapia ou praticam equoterapia. Fisioter. Mov. v. 26, n. 3, p. 515-524, Jul./Set. 2013.

VASCONCELOS, A. C. C. P.; PEREIRA, I. D. F.; CRUZ, P. J. S. C. Práticas educativas em nutrição na Atenção Básica em Saúde: reflexões a partir de uma experiência de extensão popular em João Pessoa-Paraíba. Rev APS. v. 11, n. 3, p. 334-340, Jul/Set. 2008.




DOI: https://doi.org/10.5007/1807-0221.2016v13n24p116



Extensio: R. Eletr. de Extensão, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN 1807-0221.