Motivação dos pacientes com histórico de câncer de mama em buscar as terapias alternativas

Autores

  • Aila Anne Pinto Farias Contarato Associação Educacional Bom Jesus - IELUSC
  • Flávia Caroline Bento Associação Educacional Bom Jesus - IELUSC
  • Luís Fernando Rampellotti Associação Educacional Bom Jesus - IELUSC

DOI:

https://doi.org/10.5007/1807-0221.2016v13n24p64

Palavras-chave:

Neoplasia Maligna, Terapias Alternativas, Motivação, Enfermagem

Resumo

O câncer de mama gera impactos na qualidade de vida das mulheres. Os efeitos colaterais dos tratamentos convencionais sugerem as terapias alternativas como uma opção complementar. Este estudo descritivo-qualitativo propõe-se a identificarqual a motivação dos pacientes com câncer de mama a buscarem as terapias alternativas. Participaram 33 pacientes com histórico de câncer de mama em acompanhamento ambulatorial no município de Joinville-SC. Os dados foram coletados através de entrevistas semiestruturadas e analisados através da técnica de análise da linguagem. Os achados afirmam que houve uma considerável adesão às terapias. A fitoterapia teve maior prevalência e os fatores motivacionais foram psicobiológicos, psicoespirituais e psicossociais. Identificou-se a pouca atuação do profissional enfermeiro na orientação e motivação ao uso desses recursos. Sendo necessário um maior empoderamento destes profissionais sobre tais práticas que podem oportunizar um cuidado mais integral e uma melhor qualidade de vida, bem como minimizar os riscos da utilização empírica.

Biografia do Autor

Aila Anne Pinto Farias Contarato, Associação Educacional Bom Jesus - IELUSC

Enfermeira. Graduada pela Universidade do Estado de Santa Catarina – UDESC. Especialista em Terapia Intensiva pela Universidade Internacional de Curitiba – PR. Mestrado em andamento em Saúde e Meio Ambiente pela Universidade da Região de Joinville – UNIVILLE. Docente de Enfermagem na Associação Educacional Luterana Bom Jesus – IELUSC, Joinville/SC.

Flávia Caroline Bento, Associação Educacional Bom Jesus - IELUSC

Acadêmica do curso de graduação em enfermagem.

Luís Fernando Rampellotti, Associação Educacional Bom Jesus - IELUSC

Acadêmico do curso de graduação em enfermagem.

Referências

ANDRADE, J. T.; COSTA, L. F. A. Medicina Complementar no SUS: práticas integrativas sob a luz da antropologia médica. Saúde Soc. São Paulo. v. 19 n 3 p. 497-508. Jul-Set 2010. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010412902010000300003> Acesso em 20 de outubro de 2014.

BRASIL.Ministério da Saúde. Exames Complementares no Diagnóstico do Câncer. Rio de Janeiro, RJ: Instituto Nacional do Câncer (INCA), 2015. Disponível em: < http://www1.inca.gov.br/conteudo_view.asp?ID=50> . Acesso em 10 de fevereiro de 2015.

_____. Estimativa para 2014 das taxas brutas de incidência por 100 mil habitantes e do numero de casos novos de câncer, segundo sexo e localização primária. Instituto Nacional do Câncer (INCA), 2014. Disponível em . Acesso em: 09/10/2014.

_____. Ministério da Saúde. ABC do Câncer. Abordagens básicas para o controle do câncer. Instituto Nacional do Câncer (INCA). Rio de Janeiro, RJ, 2011. Disponível em http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/abc_do_cancer.pdf. Acesso em 02 de fevereiro de 2015.

_____. Ministério da Saúde. Ações de Enfermagem para o Controle do Câncer: uma proposta de intregração- ensino- serviço. 3ed. Rio de Janeiro, RJ: Instituto Nacional do Câncer (INCA), 2008. Disponível em : < http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/acoes_enfermagem_controle_cancer.pdf> Acesso em 15 de fevereiro de 2015.

_____. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS - PNPIC-SUS. Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. - Brasília :Ministério da Saúde, 2006. Disponível em <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/pnpic.pdf>. Acesso em 10 de fevereiro de 2015. (p. 6-24)

_____. Política Nacional de Medicina Natural e Práticas Complementares – PMNPC. Brasília: Ministério da Saúde. 2005. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/ResumoExecutivoMedNatPratCompl1402052.pdf Acesso em: 02 de fevereiro de 2015.

CRUZ, C. T.; BARROS, N. F.; HOEHNE, E. L. Evidências sobre o uso de práticas alternativas e complementares no tratamento convencional de neoplasias mamárias. Revista Brasileira de Cancerologia. v. 55, n. 3, p. 237-246. 2009. Disponível em: . Acesso em 30 de set 2014.

ELIAS, M. C; ALVES, E. Medicina não-convencional: prevalência em pacientes oncológicos. Revista Brasileira de Cancerologia. v. 48, n. 4, p. 523-562. 2002. Disponível em: Acesso em 30 de set 2014.

FREIRE, M.E.M.; SAWADA, N.O.; FRANÇA, I.S.X.; COSTA, S.F.G.; OLIVEIRA, C.D.B. Qualidade de vida relacionada à saúde de pacientes com câncer avançado: uma revisão integrativa. Revista da Escola de Enfermagem da USP. V. 48 n. 02. P. 357-87. 2014. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v48n2/pt_0080-6234-reeusp-48-02-357.pdf> Acesso em: 20 de setembro de 2015.

FUNGHETTO, S.S; TERRA, M.G.; WOLFF, L.R. Mulher portadora de câncer de mama: percepção sobre a doença, família e sociedade. Rev. Brasileira Enfermagem, Brasília (DF), v56, n5, p. 528-32, 2003. Disponivel em http://www.scielo.br/pdf/reben/v56n5/a12v56n5.pdf, acesso em 10 de setembro de 2015.

GUERRA, M.R.; Gallo, C.V.M.; MENDONÇA, G.A.S. Risco de câncer no Brasil: tendências e estudos epidemiológicos mais recentes. Revista Brasileira de Cancerologia. V 51. N 03. P 227- 234. 2005. Disponível em: http://www.inca.gov.br/rbc/n_51/v03/pdf/revisao1.pdf Acesso em: 01 de setembro de 2015.

JACONDINO, C. B; AMESTOY, S. C; THOFEHRN, M. B. A utilização de terapias alternativas por pacientes em tratamento quimioterápico. Cogitare Enfermagem. v. 13 n. 1 p. 61-66. Jan-mar 2008. Disponível em: <http://ojs.c3sl.ufpr.br/ojs/index.php/cogitare/article/viewFile/11953/8434>acesso em 02 de fevereiro de 2015.

LEMES, C. Mais do que alternativa – integrativa. Rev. Onco&_ oncologia para todas as especialidades. Faso editora. São Paulo- SP, ano1, n2. Out/nov 2010. Disponível em . Acesso em 10 de dezembro de 2014.

LOTTI, R.C.B; BARRA, A.A; DIAS, R.C; MAKLUF, A.S.D. Impacto do tratamento de câncer de mama na qualidade de vida. Breast câncer treatment and its impacto n quality of life. Rev. bras. Cancerologia. Belo Horizonte-MG. 2008; 54(4):367-371.

MAJEWSKI, J. M; LOPES, A. D. F; DAVOGLIO, T; LEITE, J. C. C. Qualidade de vida em mulheres submetidas à mastectomia comparada aquelas que se submeteram à cirurgia conservadora: uma revisão de literatura. Ciência e saúde coletiva.Rio de Janeiro. Vol 17. N 3. Março 2012.Disponível em:<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232012000300017.> Acesso em: 01 de agosto de 2015.

MATOS, J.C.; PELLOSO, S.M.; CARVALHO, M.D.B. Prevalência de fatores de risco para o câncer de mama no município de Maringá, Paraná. Rev. Latino-Americana de Enfermagem. v. 18 n. 3. Mai-Jun 2010. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/rlae/v18n3/pt_09.pdf> Acesso em: 25 de agosto de 2015.

MEDEIROS, G. C, et al Análise dos determinantes que influenciam o tempo para o início do tratamento de mulheres com câncer de mama no Brasil. Cad. Saúde Pública. Epub, Rio de Janeiro. Vol. 31 n.6 jun 2015. Disponível em: <http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2015000601269> acesso em 01 de agosto de 2015.

MINAYO, Maria Cecília de Souza (org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 29. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010. (Coleção temas sociais).p 261-62

NUÑEZ, H. M. F.; CIOSAK, S. I. Terapias alternativas/complementares: o saber e o fazer das enfermeiras do distrito administrativo 71 – Santo Amaro – São Paulo. RevEscEnferm USP. v. 37, n. 3, p. 11-8. São Paulo, 2003. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v37n3/02.pdf> Acesso em 15de set. 2014.

PIRES, S.M.B; MÉIER, M.J.; DANSKI, M.T.R. Fragmentos da trajetória pessoal e profissional de Wanda Horta: contribuições para a área da enfermagem. Disponível em: http://www.abennacional.org.br/centrodememoria/here/n3vol2 artigo1.pdf. Acesso em: setembro de 2015.

ROSSI, L; SANTOS, M.A. Repercussões psicológicas do adoecimento e tratamento em mulheres acometidas pelo câncer de mama. Psicologia Ciencia e Profissão. Brasília, v23, n04, p. 32- 41, 2003. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1414-98932003000400006&script=sci_arttext>. Acesso em 10 de setembro de 2015

SILVA, L.C. Câncer de mama e sofrimento psicológico: aspectos relacionados ao feminino. Psicologia em estudos, Maringá, v.13, n.2, p. 231-237, abr/jun. 2008. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-73722008000200005&script=sci_arttext>. Acesso em 10 de outubro de 2015.

SPADACIO, C. et al. Medicinas alternativas e Complementares: uma metassíntese. Cad. Saúde Pública. v. 25 n. 1 p. 7-13, Rio de Janeiro, Jan 2010.

SPADACIO, C.; BARROS, N. F. Terapêuticas convencionais e não convencionais no tratamento do câncer: os sentidos das práticas religiosas. Revista Interface Comunicação, Saúde, Educação.v. 13, n. 30, p. 45-52, jul./set. 2009. Disponível em: <http://www.redalyc.org/pdf/1801/180115445005.pdf>, acesso em 15 de set. 2014.

SERAPIONI, M. Métodos qualitativos e quantitativos da pesquisa em saúde: algumas estratégias para a integração. Ciência e Saúde Coletiva, 2000, v 5, n 1, p 187-192. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-81232000000100016&script=sci_abstract&tlng=pt > Acesso em: 01 de outubro de 2015.

THULER, L.C.S; MENDONÇA, G.A. Estadiamento inicial dos casos de câncer de mama e colo do útero em mulheres brasileiras. Rev. Bras. Ginecologia Obstet. V27, n11, p. 656-650, 2005. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0100-72032005001100004&script=sci_abstract&tlng=pt>, acesso em 15 de setembro de 2015.

TROVÓ, M. M; SILVA, M.E.P. Terapias alternativas/ complementares a visão do graduando de enfermagem. Rev. Esc. Enfermagem USP, v36, n1, p. 75-79, 2002. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v36n1/v36n1a11.pdf> Acesso em 15 de setembro de 2015.

Downloads

Publicado

2016-12-23