Paradesporto escolar no município de Blumenau/SC: inclusão e acessibilidade para todos

Mariana Campos Martins Machado, Giselle Margot Chirolli, Carlos Roberto de Oliveira Nunes, Márcia de Freitas Oliveira, Luciane Coutinho de Azevedo Campanella, Ruy Fernando Marques Dornelles

Resumo


Este relato de experiência visa discorrer sobre a experiência de implementação do Programa Paradesporto Escolar (PPE) de Blumenau (SC) como política pública de inclusão social e sua relação com a extensão universitária desenvolvida pela Fundação Universidade Regional de Blumenau (FURB). As informações apresentadas foram coletadas nos relatórios de 2011 a 2015 e em entrevista não estruturada com a coordenadora do PPE referente a 2016. Em 2014, foi realizada pesquisa com os pais/responsáveis sobre mudanças socio-comportamentais das crianças após o início das atividades no PPE; e com os professores regulares sobre habilidades motoras, de socialização e comunicação. O projeto de Extensão Universitária promove ações de educação em saúde com os participantes. A pesquisa realizada mostrou que os pais/responsáveis e professores notaram melhoras em todos os indicadores avaliados. O PPE é política pública de inclusão social pioneira e inspiradora para os demais municípios brasileiros, e tem a Extensão Universitária como parceira para as ações de promoção da saúde.


Palavras-chave


Crianças com Deficiência; Atividade Física Adaptada; Paradesporto; Educação em Saúde

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, P.F. Desporto adaptado no Brasil. São Paulo: Phorte, 2011. 216p.

BANDURA, A; AZZI, R. G.; POLYDORO, S. Teoria Social Cognitiva: conceitos básicos. Porto Alegre: Artmed, 2008. 176 p.

BRAGA, M.M.S.; SCHUMACHER, A.A. Direito e inclusão da pessoa com deficiência: uma análise orientada pela teoria do reconhecimento social de Axel Honneth. Soc. estado., Brasília , v. 28, n. 2, p. 375-392, ago. 2013.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988. 292 p.

BRASIL. Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Índice de Desenvolvimento da Educação Básica – Ideb. Disponível em: < http://portal.inep.gov.br/web/portal-ideb>. Acesso em: 03 jun. 2015.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Projeto Promoção da Saúde. As Cartas da Promoção da Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2002. 56 p.: il. (Série B. Textos Básicos em Saúde)

BRASIL. Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República. Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência. Coordenação-Geral do Sistema de Informações sobre a Pessoa com Deficiência. Cartilha do Censo 2010 – Pessoas com Deficiência. Brasília: SDH-PR/SNPD, 2012, 32p. Disponível em: < http://www.pessoacomdeficiencia.gov.br/app/sites/default/files/publicacoes/cartilha-censo-2010-pessoas-com-deficienciareduzido.pdf>. Acesso em: 20 ago. 2015.

CASTRO, E.M. Atividade Física Adaptada. Ribeirão Preto, SP: Tecmedd, 2005. 595p.

CERVANTES, C.M.; PORRETA, D.L. Physical activity measurement among individuals with disabilities: a literature review. Adapt Phys Act Q, Champaign, v.27, p.173-90, 2010.

COSTA, A.M; SOUZA, S.B. Educação física e esporte adaptado: história, avanços e retrocessos em relação aos princípios da integração/inclusão e perspectivas para o século XXI. Rev.Bras Cien. Esporte, Campinas, v. 3, p. 27-42, mai. 2004.

GALLAHUE, D.L; OZMUN, J.C; GOODWAY, J.D. Compreendendo o desenvolvimento motor: bebês, crianças, adolescentes e adultos. Tradução Denise Regina de Sales. Revisão Técnica Ricardo D.S. Petersen. 7. ed. Dados eletrônicos. Porto Alegre: AMGH, 2013. 486p.

GOODWIN, D. et al. Its okay to be a quad: wheelchair rugby players sense of community. Adapt Phys Act Q, Champaign, v. 26, n. 2, p. 102-117, abr. 2009.

MARTINS, C.P; MENDES, A.K; CARDOSO, F.L. Capacidade de adaptação e estima sexual em atletas deficientes físicos. Rev. educ. fis. UEM, Maringá, v. 22, n. 4, p. 547-554, dez. 2011.

MAUERBERG-DECASTRO, E. Esporte para deficientes: do alto rendimento ao esporte de participação. In: MAUERBERG-DECASTRO, E. Atividade física adaptada. Ribeirão Preto: TecMedd, 2005. p. 437-83.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (ONU). Assembleia Geral. RES 48/96. Procedimentos-Padrões das Nações Unidas para a Equalização de Oportunidades para Pessoas Portadoras de Deficiências. Resolução das Nações Unidas adotada em Assembleia Geral. 1994. Disponível em: < http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/salamanca.pdf>. Acesso em: 03 ago 2015.

RIBEIRO, S. M.; ARAÚJO, P.F. A formação acadêmica refletindo na expansão do desporto adaptado: uma abordagem brasileira. Rev. Bras. Cienc. Esporte, Campinas, v. 25, n. 3, p. 57-69, mai. 2004.

SILVA, A. A.C. et al . Esporte adaptado: abordagem sobre os fatores que influenciam a prática do esporte coletivo em cadeira de rodas. Rev. bras. educ. fís. esporte, São Paulo , v. 27, n. 4, p. 679-687, dez. 2013 .

VASCONCELLOS, C.S. Competência Docente na Perspectiva de Paulo Freire. Revista de Educação AEC, n. 143, abr/jun, 2007, p. 66-78.

VIANNA, J.A; LOVISOLO, H.R. A inclusão social através do esporte: a percepção dos educadores. Rev. bras. educ. fís. esporte (Impr.), São Paulo, v. 25, n. 2, p. 285-296, jun. 2011 .

WU, S; WILLIAMS, T; SHERRIL, C. Classifiers as agents of social control in disability swimming. Adap. Phys. Act. Q. v. 7, n. 4, p. 421-36, out. 2000.




DOI: http://dx.doi.org/10.5007/1807-0221.2017v14n25p103



Extensio: R. Eletr. de Extensão, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN 1807-0221.