Educação permanente do público-alvo para detecção precoce de alterações neuromotoras infantis

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1807-0221.2018v15n31p79

Palavras-chave:

Educação Permanente, Oficinas Socioeducativas, Cartilha Educativa

Resumo

Introdução: O projeto de vigilância do desenvolvimento neuromotor infantil é realizado em um Centro de Saúde de Campinas, SP, no biênio 2016/2017, com destino ao público-alvo: médicos pediatras, enfermeiros, técnicos e auxiliares de enfermagem e agentes comunitários de saúde. Objetivos: Desenvolver sua educação permanente e validar esse resultado com os pais, ou responsável pela criança. Método: oficinas técnicas e socioeducativas com os profissionais envolvidos e utilização da Escala Motora Infantil de Alberta (AIMS) para avaliar crianças com atraso no programa de acompanhamento mensal. Resultados: Produção conjunta de Roteiro para Detecção Precoce de Atraso Neuromotor Infantil pelo público-alvo. Capacitação e autonomia dos profissionais para identificação de fatores de risco ao desenvolvimento neuromotor infantil e de atraso neuromotor. Conclusão: Estima-se que a educação permanente do público-alvo produza nos pais a conscientização e o conhecimento necessários para acompanhar o desenvolvimento neuromotor de seus filhos e protagonizarem quaisquer alterações que ameacem e comprometam tal desenvolvimento.

Biografia do Autor

Gustavo Martignago, Pontifícia Universidade Católica de Campinas

Graduado em 2017 no Curso Superior de Fisioterapia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas). Atuou como bolsista da Extensão Universitária em 2016 e 2017, PUC-Campinas, com dedicação de 24 horas/semanais e Plano de Trabalho intitulado 'Educação permanente dos profissionais de atenção primária em saúde para detecção precoce de alterações neuromotoras infantis', vinculado ao Projeto de Extensão Universitária que levou por título 'Vigilância do desenvolvimento neuromotor infantil em Unidade Básica de Saúde do Distrito Noroeste de Campinas', de autoria e responsabilidade da Profª Me. Maria Valéria Corrêa e Castro Campomori. Conclusão da atuação como bolsista da Extensão em dezembro de 2017. 

Maria Valéria Corrêa e Castro Campomori, Pontifícia Universidade Católica de Campinas

Docente na Graduação em Fisioterapia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas) desde 1987. Experiência profissional e docente nas áreas de Fisioterapia na Saúde do Homem, da Mulher, do Adolescente e da Criança. Experiência docente para execução de Projetos de Extensão, versando sobre a educação permanente do público-alvo envolvido nos projetos. Docente em Jornada de Trabalho/40 horas desde 2016 na Extensão Universitária da Pró-Reitoria de Extensão e Assuntos Acadêmicos (PROEXT)/PUC-Campinas. Desenvolvendo Projeto de Extensão na Universidade referente ao biênio 2018-2019, intitulado EDUCAÇÃO PERMANENTE DOS CUIDADORES DE PACIENTES PORTADORES DE ENCEFALOPATIA CRÔNICA NÃO PROGRESSIVA DA INFÂNCIA EM ALTA REFERENDADA DA CLÍNICA DE FISIOTERAPIA DA PUC-CAMPINAS. Orientação em andamento desde abril de 2018 de Bolsista da Extensão com o seguinte Plano de Trabalho vinculado ao Projeto de Extensão docente: 'Identificação do grau de incapacidade dos portadores de encefalopatia crônica não progressiva da infância pelo Teste PEDI (Pediatric Evaluation of Disability Inventory) aplicado aos cuidadores'. Orientação em andamento do Plano de Trabalho do Grupo de Alunos Voluntários da Extensão (GAVE) desde maio de 2018, vinculado ao Projeto de Extensão docente, que tem por título 'Pontos-chave de Controle: suporte técnico para o manuseio domiciliar de pacientes com encefalopatia crônica não progressiva da infância pelos cuidadores'. O Projeto de Extensão do biênio 2016-2017, 'Vigilância do desenvolvimento neuromotor infantil em Unidade Básica de Saúde do Distrito Noroeste de Campinas', foi concluído com êxito em dezembro de 2017. Orientações concluídas de Aluno Bolsista da Extensão/PROEXT, PUC-Campinas, em 2016 e 2017. Orientação concluída de Grupo de Alunos Voluntários da Extensão (GAVE)/PROEXT/PUC-Campinas, em 2017. Membro do Núcleo Docente Estruturante (NDE) do Curso Superior de Fisioterapia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas. Mestre em Educação - Ensino Superior pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (1999). Especialista em Planejamento e Gerenciamento em Saúde pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (1991). Graduada em Fisioterapia pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (1983).

Referências

AJAREM, J. S., et al. Camellia sinensis previne alterações neurocomportamentais induzidos por nicotina perinatais, lesão tecidual e estresse oxidativo em camundongos machos e fêmeas recém-nascidos. Oxid Med Cell Longev, v. 2017, 2017: 5985219, doi: 10.1155/2017/5985219. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5447281/. Acesso em 30 jun. 2017.

ALMEIDA, O. S. T., et al. Investigação sobre os Fatores de Risco da Prematuridade: uma Revisão Sistemática. Revista Brasileira de Ciências da Saúde, v. 17, n. 3, p. 301-308, 2013, ISSN 1415-2177. Disponível em: http://www.periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/rbcs/article/view/13674/9814 Acessado em 26 out. 2016.

ANNE SHUMWAY-COOK. Controle motor – Teoria e aplicações práticas. Editora: Manole, 3º edição, 2010.

BORBA, L.S.; SACCANI, R.; VALENTINI, N.C. Desenvolvimento neuromotor de crianças nascidas pré-termo e a termo avaliadas com a Escala Motora Infantil de Alberta. Temas sobre Desenvolvimento, 2013; 19(105):130-5. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/258699704_Desenvolvimento_motor_de_criancas_nascidas_pre-termo_e_a_termo_avaliadas_com_a_escala_motora_infantil_de_Alberta Acessado em 21 out. 2016.

BORELLA, P. M.; SACCHELLI, T. Os efeitos da prática de atividades motoras sobre a neuroplasticidade. Revista Neurociência. São Paulo, p. 161-169, 2008. Disponível em: http://www.revistaneurociencias.com.br/edicoes/2009/RN%2017%2002/14.pdf. Acessado em 03 nov. 2016.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. AIDIPI - Atenção Integrada às Doenças Prevalentes na infância: curso de capacitação: introdução modulo 1 Ministério da Saúde, Organização Mundial da Saúde, Organização Pan-Americana da Saúde – 2ª ed. Ver. – Brasília: Ministério da Saúde, 2002, ISBN 85-334-0605-3. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/AIDPI_modulo_1.pdf. Acessado em 14 out. 2016.

BROOKS-SCOTT, SANDRA. Manual de mobilização para cuidados de crianças com distúrbios neurológicos. Editora: Manole, 2001.

CAMPOS, D.; SANTOS, D. C. C. Controle postural e motricidade apendicular nos primeiros anos de vida. Fisioterapia em Movimento, Curitiba, v. 18, n. 3, p.71-77, set. 2005. Disponível em: https://www.nescon.medicina.ufmg.br/biblioteca/imagem/0028.pdf. Acessado em 20 out. 2016.

COUTINHO, S. E. et al. Os múltiplos agentes associados à bronquiolite aguda e à gravidade da doença. BolCientPediatr. 2015;04(1):5-9. Disponível em: http://www.sprs.com.br/sprs2013/bancoimg/150915221136bcped_v4_n1_a3.pdf. Acessado em 28 set. 2016.

DORNELAS, F. L.; DUARTE, C. M. N.; MAGALHÂES, L. C. Atraso do desenvolvimento neuropsicomotor: mapa conceitual, definições, usos e limitações do termo. Revista Paulista de Pediatria. Associação de pediatria de São Paulo. Publicado por Elsevier Editora Ltda, p. 88-103, 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rpp/v33n1/pt_0103-0582-rpp-33-01-00088.pdf. Acessado em: 20 set. 2016.

ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA. ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE. Manual para vigilância do desenvolvimento infantil no contexto da AIDIPI. Washington, D.C.: OPAS, 2005, Série OPS/FCH/CA/05. 16 P, ISBN 92 75 72606 X. Disponível em: https://www.nescon.medicina.ufmg.br/biblioteca/imagem/1711.pdf. Acessado em 14 out. 2016.

FLEHMIG.I. Texto e atlas do desenvolvimento normal e seus desvios no lactente: diagnóstico e tratamento precoce do nascimento até o 18º mês. São Paulo: Editora Atheneu, 2002.

FONSECA, L. F.; LIMA, C. L. A. Paralisia Cerebral, 2º edição – Brasil: Medbook, 2008.

HALPERN, R. et al. Fatores de risco para suspeita de atraso no desenvolvimento neuropsicomotor aos 12 meses de vida. Jornal de Pediatria. Porto Alegre, v. 76, n. 6, 2000. Disponível em: https://www.sap.org.ar/docs/publicaciones/archivosarg/2002/61.pdf Acessado em 12 set. 2016.

LUCAS, B. R. et al. Intervenções para melhorar o desempenho motor grosso em crianças com transtornos do neurodesenvolvimento: uma meta-análise. BMC Pediatr, v.16; 2016 Nov, 29. doi: 10.1186/s12887-016-0731-6. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5129231/ Acessado em: 28 jun. 2017.

MAIA, J. M. D. & WILLIAMS, L. C. A. Fatores de risco e fatores de proteção ao desenvolvimento infantil: uma revisão da área. Temas em psicologia, 13 (2): 91-103,2005, ISSN 1413-389X. Disponível em: http://www.laprev.ufscar.br/documentos/arquivos/artigos/2005-maia-e-williams.pdf. Acessado em 17 set. 2016.

MELO, R. T. Escalas de Avaliação do Desenvolvimento e Habilidades Motoras: AIMS, PEDI, GMFM e GMFCS. Fisioterapia em movimento. Capitulo 2, p. 25-37, 2011, ISBN 978-85-64619-01-2. Disponível em: http://omnipax.com.br/livros/2011/FNP/FNP-cap2.pdf. Acessado em 20 out. 2016.

KANG, L. et al. Barreiras ambientais à participação de crianças pré-escolares com e sem deficiência física. Int J Environ Res Public Health. v, 14(5); 2017 May; 14(5): 518. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5451969/ Acessado em 03 jun. 2017.

MORAIS, S. L. R.; CARVALHO, M. A.; MAGALHÃES C. L. O contexto ambiental e o desenvolvimento na primeira infância: estudos brasileiros. J. Phys. Educ. v, 27, e2714, 2016. Disponível em: http://www.periodicos.uem.br/ojs/index.php/RevEducFis/article/view/25672/16874

Acessado em 14 out. 2016.

PIPER, M. C.; DARRAH, J. Motor assessment of the developing infant Philadelphia: W. B. Saunders Company, 1994.

ROQUETE, F. F. et al. Multidisciplinaridade, interdisciplinaridade e transdisciplinaridade: em busca de diálogo entre saberes no campo da saúde coletiva. Revisa de enfermagem do centro oeste mineiro, p. 463- 474, 2012. Disponível em: http://www.seer.ufsj.edu.br/index.php/recom/article/viewFile/245/361. Acessado em 26 set. 2016.

SACCANI, R. & VALENTINI, N. C. Reference curves for the Brazilian Alberta Infant Motor Scale: percentiles for clinical description and follow-up over time. Jornal de Pediatria - Vol. 88, N° 1, 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/jped/v88n1/a07v88n01.pdf Acessado em 01 jul. 2016.

SEVERINO, A. J. Metodologia do trabalho científico. 24º Ed. – São Paulo: Cortez, 2016.

SPESSATO, C. B. et al. Educação infantil e intervenção motora: um olhar a partir da teoria bioecológica de Brnfenbrenner. Movimento. Porto Alegre, v. 15, n. 04, p. 147-173, 2009. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/Movimento/article/view/5617/6951 Acessado em 13 set. 2016.

SOUZA, S. E.; MAGALHÂES, C. L. Desenvolvimento neuromotor e funcional em crianças nascidas pré-termo e a termo: influências de fatores de risco biológico e ambiental. P.462-470, 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rpp/v30n4/02.pdf. Acessado em 17 set. 2016.

TECKLIN, J. S. Fisioterapia Pediátrica. 3ª ed. – Porto Alegre: Artmed, 2002.

VELLOSO, P. M. et al. Interdisciplinaridade e formação na área da saúde coletiva. p. 257- 271, 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tes/v14n1/1981-7746-tes-14-01-0257.pdf. Acessado em 20 set. 2016.

Downloads

Publicado

2018-12-18