Papo reto sobre violência contra a mulher: relato de experiência de uma prática de extensão universitária

Autores

  • Fernanda Pereira Labiak Universidade do Vale do Itajaí https://orcid.org/0000-0002-8272-711X
  • Melissa Mendes de Novais Universidade do Vale do Itajaí
  • Gabriel de Novaes Silva Universidade do Vale do Itajaí

DOI:

https://doi.org/10.5007/1807-0221.2020v17n36p145

Palavras-chave:

Relação universidade-extensão-comunidade, Violência contra a mulher, Educação cidadã, Lei maria da penha

Resumo

O presente relato de experiência tem como objetivo apresentar entendimentos e percepções sobre a intervenção dos membros do projeto de extensão Direito Intergeracional e Transversalidade da Universidade do Vale do Itajaí–UNIVALI, com 31 estudantes do ensino médio de uma escola não pública e dois professores da mesma instituição, em que se focou na conscientização e na prevenção da violência contra a mulher. A fim de alcançar o objetivo proposto demonstrar-se-á o planejamento e a atividade realizada (palestra dialogada) pelos extensionistas na comunidade. A partir dessa experiência, foi possível evidenciar que a comunidade em que a intervenção ocorreu esteve e está receptiva a dialogar sobre a violência de gênero. Ademais, ao estabelecer essa discussão, trabalhou-se com uma demanda social real e urgente, em que se compartilharam saberes entre as duas pontas – Universidade e comunidade–possibilitando contribuir para modificar, minimamente, as relações de poder vigentes na sociedade.

Biografia do Autor

Fernanda Pereira Labiak, Universidade do Vale do Itajaí

Graduada em Psicologia pela Universidade Federal de Uberlândia. Pós-graduada no MBA em Gestão Estratégica de Pessoas pela Faculdade de Gestão e Negócios da Universidade Federal de Uberlândia. Mestra pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Santa Catarina. Professora na Universidade do Vale do Itajaí. Coordenadora do projeto de Extensão Direito Intergeracional e Transversalidade.

Melissa Mendes de Novais, Universidade do Vale do Itajaí

Bacharela em Direito pela Faculdade de Direito Santo André. Pós-graduada em Direito Público pelo Centro Universitário FIPMoc. Mestra em Teoria e História do Direito pela UFSC. Professora na UNIVALI. Coordenadora do projeto de Extensão Direito Intergeracional e Transversalidade.

Gabriel de Novaes Silva, Universidade do Vale do Itajaí

Acadêmico do curso de Direito na Universidade do Vale do Itajaí.

Referências

#WHOWILLYOUHELP. Canadá: Ontario Government, 2015. (1 min.), son., color. Legendado. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=00V9MWu5bSU. Acesso em: 20 set. 2019.

Áudios de vítimas de violência doméstica. Santa Catarina: PMSC, 2017. (2 min.), son., color. Legendado. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=WTKDfS3HUzY. Acessoem: 25 set. 2019.

BADINTER, Elisabeth. XY: Sobre a Identidade Masculina. Tradução de Maria Ignez Duque Estrada. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1993.

BARSTED, L. L. Uma vidasemviolência: o desafio das mulheres. Observatório da Cidadania. Recife, p.53-60, 2004.

BATISTA, A. P., MEDEIROS, J. L., MACARINI, S. M..Violência conjugal e as delegaciasespecializadas: as implicações da judicialização dos conflitos. In: A. P. Batista; J. L. Medeiros (Orgs). Psicologia e polícia: diálogospossíveis (pp. 103-122). Curitiba: Juruá, 2017.

BERTH, Joice. O que é empoderamento? Belo Horizonte: Letramento: Justificando, 2018.

BONATO, N. M. C. Educação (sexual) e sexualidade: o velado e o aparente. Dissertação de Mestrado. Pós-graduaçãoemEducação. Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 1996.

BRASIL. Lei 13.104, de 9 de março de 2015. Altera o art. 121 do Decreto-Lei 2.848, de 7 de dezembro de 1940 – Código Penal, para prever o feminicídio como circunstância qualificadora do crime de homicídio, e o art. 1º da Lei 8.072, de 25 de julho de 1990, para incluir o feminicídio no rol dos crimes hediondos. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2015/lei/L13104.htm acesso em 26/11/2017.

BRASIL. Lei Maria da Penha e Legislação Correlata. Brasília: Senado Federal, Subsecretaria de Edições Técnicas, 2011. 58 p.

FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA – FBSP. Anuário brasileiro de segurança pública. 13ª edição. São Paulo, 2019. Disponível em: http://www.forumseguranca.org.br/wp-content/uploads/2019/10/Infogr%C3%A1fico-2019-FINAL_21.10.19.pdf. Acesso em: 25 de setembro de 2019.

FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA - FBSP. Visível e invisível: a vitimização de mulheres no Brasil. 2ª edição. São Paulo, 2019. Disponível em: http://www.forumseguranca.org.br/wpcontent/uploads/2019/02/Infogra%CC%81fico-vis%C3%ADvel-e-invis%C3%ADvel-2.pdf. Acesso em: 25 de setembro de 2019.

FREIRE, P. Extensão ou Comunicação? (Tradução de Rosiska Darcy de Oliveira). 1ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra. 2013.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA; FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA.Atlas da violência 2019. Brasília: Rio de Janeiro: São Paulo: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada; Fórum Brasileiro de Segurança Pública, 2019.

LABIAK, F. P. Relações entre gênero e violência doméstica: Experiência de um acolhimento com mulheres vitimizadas. In: II Encontro Nacional de Educação, Saúde e Cultura Populares. UFU/ PROEX, Uberlândia, 2006.

LOURO, G. L..Gênero, Sexualidade e Educação: uma perspectiva pós-estruturalista. 16. ed. Petrópolis-RJ: Vozes, 2014.

SABADELL, A. L.; PAIVA, L. de M. L. Diálogos entre feminismo e criminologia crítica na violência doméstica: justiça restaurativa e medidas protetivas de urgência. Revista Brasileira de Ciências Criminais. vol. 153, mar. 2019. pp. 173 – 206.

SOARES, B. M. Enfrentando a Violência contra a Mulher – Brasília: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, 2005. 64 p.

SSP/SC. Indicadores de violência contra a mulher em Santa Catarina. Santa Catarina, 2019. Disponível em: http://www.ssp.sc.gov.br/index.php/component/content/article/87-noticias/356-feminicidio. Acesso em: 2 nov. 2019.

PESSI, A-M; MARTÍN, G.. Das Origens da Desigualdade de Gênero. In: CASTILLO-MARTÍN, Márcia; OLIVEIRA, Sueli de. Marcadas a Ferro. Violência contra a Mulher. Uma Visão Multidisciplinar. Brasília: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, 2005. p. 17-22.

Downloads

Publicado

2020-08-21