Ações educativas na prevenção de agravos à saúde: relato de experiência

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1807-0221.2020v17n37p88

Palavras-chave:

Educação em saúde, Prevenção de doenças, Doenças crônicas, Enfermagem.

Resumo

Objetivo: relatar a experiência vivenciada no projeto de extensão universitária “Ações Educativas na Prevenção de Agravos à Saúde”. Método: trata-se de um relato de experiência das atividades desenvolvidas no período de maio de 2017 a abril de 2019, em uma universidade federal do sul do país, por meio de consultas de enfermagem e oficinas de educação em saúde. As consultas seguiram roteiro estruturado para realização da anamnese, exame físico, diagnósticos de enfermagem e elaboração do plano de cuidados individualizado. Para as oficinas aplicaram-se dinâmicas de grupo e rodas de conversa. Resultados: realizaram-se 93 consultas de enfermagem, 11 oficinas de educação em saúde e duas rodas de conversa com a comunidade. Conclusões: as vivências junto às atividades de extensão proporcionaram aos acadêmicos a aproximação da atuação profissional do enfermeiro no que tange à educação em saúde e prevenção de agravos, por meio da integração da academia à comunidade.

Biografia do Autor

Luciana de Alcantara Nogueira, Universidade Federal do Paraná

Graduação e Mestrado em Enfermagem. Professora Adjunta do Curso de Graduação em Enfermagem da Universidade Federal do Paraná. Editora de Seção da Revista Cogitare Enfermagem. Coordenadora do Projeto de Extensão Ações educativas na Prevenção de Agravos à Saúde.

Christine Garcia Mendes, Centro Hospitalar de Reabilitação Ana Carolina Moura Xavier

Graduação em Enfermagem pela Universidade Federal do Paraná em 2019. Participante  do Projeto de Extensão "Ações Educativas na Prevenção de Agravos a Saúde" de 2017 a 2019. Atualmente, trabalha como Enfermeira Assistencial, Enfermeira Supervisora e NIR no Centro Hospitalar de Reabilitação Ana Carolina Moura Xavier.

Rayssa Borges, Centro Hospitalar de Reabilitação Ana Carolina Moura Xavier

Graduação em Enfermagem pela Universidade Federal do Paraná. Participante do projeto de extensão de 2017 a 2019. Enfermeira do Centro Hospitalar de Reabilitação Ana Carolina Moura Xavier.

Dhaniel Marinho Mikosz, Prefeitura Municípial de Balsa Nova

Graduação em Enfermagem pela Universidade Federal do Paraná. Participante do Projeto de Extensão "Ações Educativas na Prevenção de Agravos à Saúde" de 2017 a 2019. Enfermeiro no município de Balsa Nova.

Susanne Elero Betiolli, Universidade Federal do Paraná

Doutora em Enfermagem. Professora adjunta do Departamento de Enfermagem da Universidade Federal do Paraná. Professora permanente dos Programas de Pós-Graduação em Enfermagem  e de Prática de Cuidado em Saúde da Universidade Federal do Paraná. 

Lais Carolini Theis, Universidade Positivo

Graduação em Enfermagem. Mestre em Saúde Coletiva. Doutoranda em Ciências da Saúde pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná. Especialista em Gestão Hospitalar e dos Serviços de Saúde.

Referências

ALMEIDA, Alexandre Nunes. O acesso aos serviços de saúde pelos idosos no Brasil com base na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) entre 1998 e 2008. J BrasEcon Saúde, vol.7, n. 1, p. 43-52, 2015. Disponível em: http://files.bvs.br/upload/S/2175-2095/2015/v7n1/a4755.pdfAcesso em 05. out. 2019.

BENAVENTE,Sonia BetzabethTicona.et al. Influence of stress factors and sociodemographic characteristics on the sleep quality of nursing students. RevEscEnferm USP, São Paulo, v. 48, n. 3, p. 514-520., Junho2014. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0080-62342014000300514 Acesso em: 05. out. 2019.

BORGES, Camila Aparecida. et al. Quanto custa para as famílias de baixa renda obterem uma dieta saudável no Brasil? Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 31, n. 1, p. 137-148, jan. 2015.Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v31n1/0102-311X-csp-31-01-00137.pdf Acesso em 05. set.2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Vigitel Brasil 2017: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico: estimativas sobre frequência e distribuição sociodemográfica de fatores de risco e proteção para doenças crônicas nas capitais dos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal em 2017. Brasília: Ministério da Saúde, 2018. 132p.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Resolução nº 7, de 18 de dezembro de 2018. Estabelece as Diretrizes para a Extensão na Educação Superior Brasileira e regimenta o disposto na Meta 12.7 da L ei nº 13.005/2014. (b)

BREVIDELLI, Maria Meimei. Fatores de risco para doenças crônicas entre pacientes do programa Vivendo com estilo e saúde. Rev. O mundo da saúde. São Paulo, v. 41 n. 1, p. 606-616, 2017. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/periodicos/mundo_saude_artigos/fatores_doenca_cronica.pdf Acesso em: 05. set.2019.

COFEN. Resolução nº 358, de 15 de outubro de 2009. Dispõe sobre a Sistematização da Assistência de Enfermagem e a implementação do Processo de Enfermagem em ambientes, públicos ou privados, em que ocorre o cuidado profissional de Enfermagem, e dá outras providências. Resolução Cofen Nº 358/2009. Brasília.Disponível em: http://www.cofen.gov.br/resoluo-COFEN-3582009_4384.html Acesso em: 12. jul.2019.

DIESEL, Aline; MARCHESAN, Michele Roos; MARTINS, Silvana Neumann. Metodologias ativas de ensino na sala de aula: um olhar de docentes da educação profissional técnica de nível médio. Signos,Lajeado, v. 37, n. 1, p. 153-169,2016.Disponível em: http://univates.br/revistas/index.php/signos/article/viewFile/1008/995 Acesso em: 07. jul.2019.

LOPES,Aline Cristine Souza,et al. Estratégia de promoção à saúde: programa academia da cidade de Belo Horizonte. RevBrasAtivFís Saúde, vol. 21, n. 4, p. 381-386, 2016. Disponível em: http://cev.org.br/arquivo/biblioteca/4033676.pdf Acesso em: 07. out.2019.

MALTA, Deborah Carvalho,et al. Prevalência de fatores de risco e proteção para doenças crônicas não transmissíveis em adultos residentes em capitais brasileiras, 2013.Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília,v. 24, n. 3, p. 373-387, 2015. Disponível em: https://www.scielosp.org/article/ress/2015.v24n3/373-387/pt/ Acesso em: 16. set.2019.

MALTA, Deborah Carvalho, et al. Mortalidade por doenças crônicas não transmissíveis no Brasil e suas regiões, 2000 a 2011. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília, v. 23, n. 4, p. 599-608, 2014. Disponível em: http://scielo.iec.gov.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-49742014000400002 Acesso em: 16. set.2019.

MARTINS, Jessica Carolina; SILVA, Maria Aparecida Xavier Moreira da. Políticas Públicas de Saúde: conhecimento de graduandos de enfermagem quanto aos programas para atendimento e enfrentamento das doenças crônicas não transmissíveis (DCNT). Revista Científica Umc, Mogi das Cruzes, v.3, n.3,2018. Disponível em: seer.umc.br/index.php/revistaumc/article/download/536/429. Acesso em 13. set.2019.

MORAN, José Manuel. A educação que desejamos: novos desafios e como chegar lá. 5. ed. Campinas: Papirus, 2007. 174p.

NANDA-I. Diagnósticos de Enfermagem da NANDA-I: definições e classificação 2018-2020/[NANDA International]; tradução: Regina Machado Garcez; revisão técnica: Alba Lucia Bottura Leite de Barros... [et al.]. – 11. ed. – Porto Alegre: Artmed, 2018.

NASCIMENTO, IramarBaptistella.;FLEIG, Raquel; SILVA, Jean Carl. Relação entre obesidade e estresse no ambiente ocupacional: fundamentos sobre causas e consequências. R. Bras. Qual. Vida, Ponta Grossa, v. 8, n. 4, p. 296-311, out./dez. 2016.Disponível em: https://periodicos.utfpr.edu.br/rbqv/article/download/5127/3339. Acesso em: 13. set.2019.

PRADO,Claudia Elisa Papa. Estresse ocupacional: causas e consequências. RevBrasMed Trab.v.14, p.285-9, 2016. Disponível em: http://www.rbmt.org.br/details/122/pt-BR/estresse-ocupacional--causas-e-consequencias Acesso em 13. set.2019.

SAJADI,Seyedeh Azam, et al.Sleep quality and the factors affecting the fatigue severity and academic performance of students at AJA university of medical sciences. Journal of Education Medical in Advances.2016, v 1, n 2, p 9-16.

SAMPAIO, Fabiana de Castro,et al.Profile of nursing diagnoses in people with hypertension and diabetes. Investigación y EducaciónenEnfermería. 2017; 35(2): 139-153. Disponível em: http://www.scielo.org.co/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0120-53072017000200139 Acesso em: 13. set.2019.

SANTOS, Débora de Souza,et al. Processo saúde/doença e estratégia de saúde da família: o olhar do usuário. Revista Latino-americana de Enfermagem, Maceió, v. 22, n. 6, p.918-925, dez. 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v22n6/pt_0104-1169-rlae-0002-2496.pdf Acesso em 12. nov.2019.

SOUSA, MapoanneyNhalisClaresde,et al. Conhecimento de discentes sobre metodologia ativa na construção do processo de ensino aprendizagem inovador. Revista Interdisciplinar Encontro das Ciências, Ceará, v. 1, n. 1, p.61-74, abr. 2018. Disponível em: http://riec.fvs.edu.br/index.php/riec/article/view/7/5 Acesso em 12. nov. 2019.

TEIXEIRA, Andressa Magalhães,et al. Fatores de risco para glicemia instável em pessoas com diabetes mellitus tipo 2: revisão integrativa.Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2017;25: e2893. Disponível em: https://proceedings.science/enfhesp/trabalhos/fatores-de-risco-para-glicemia-instavel-em-pessoas-com-diabetes-mellitus-tipo-2-revisao-integrativa#

Acesso em 12. nov.2019.

URBANETTO, Janete de Souza,et al. Estresse e sobrepeso/obesidade em estudantes de enfermagem. Rev. Latino-Am. Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 27, e3177, 2019.Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-11692019000100361 Acesso em 11. nov.2019.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Global status report on noncommunicable diseases 2010.Geneva: WHO; 2011, 176p.

Downloads

Publicado

2020-12-17