Tecnologias de irrigação automatizada na produção de nozes pecã no Alto Vale do Itajaí - Santa Catarina

Autores

  • Denise Fernandes Instituto Federal Catarinense
  • Eduardo Bidese Pulh Instituto Federal Catarinense
  • André da Costa Instituto Federal Catarinense
  • Jéssica Costa Santos Instituto Federal Catarinense
  • Mário Lucio Roloff Instituto Federal Catarinense
  • Ricardo Kozoroski Veiga Instituto Federal Catarinense

DOI:

https://doi.org/10.5007/1807-0221.2021.e74446

Palavras-chave:

Sensores, Biotecnologia Vegetal, Educação Profissional e Tecnológica, Extensão Universitária, Automação

Resumo

Na fruticultura o avanço tecnológico com máquinas e sensores conectados à internet (IoT) tem possibilitado incrementos de produtividade. Para os produtores de noz pecã no Sul do Brasil, questiona-se se a irrigação está correlacionada ao aumento de produtividade dos pomares. Para responder a essa pergunta, o trabalho desenvolveu um sistema de monitoramento de umidade do solo e automação da irrigação para pomares de nogueira pecã. Como metodologia empregou-se o desenvolvimento de produtos, bem como a programação de rede de dados quanto à captação, registro e apresentação dos dados. O estudo demonstrou que produtores de nogueira pecã são carentes de informações técnicas a respeito da necessidade de irrigação ou a relação da irrigação com a produtividade de nozes. O sistema de sensoriamento de umidade do solo desenvolvido e testado encontrou melhores resultados ao utilizar o sensor capacitivo para as leituras e melhor estabilidade com a rede de automação.

Biografia do Autor

Denise Fernandes, Instituto Federal Catarinense

Graduada em Ciências Biológicas pela Universidade do Oeste de Santa Catarina UNOESC (2006). Mestre em Fisiologia Vegetal pela Universidade Federal de Viçosa (2009). Doutora em Fisiologia Vegetal pela Universidade Federal de Viçosa (2014). Realizou doutorado sandwich o Instituto Max Planck de Fisiologia Molecular de Plantas (Potsdam/Golm-Alemanha) (2013). Pós-doutorado no laboratório de Cultura de Tecidos II - LCTII / BIOAGRO - UFV (2014 - 2016). Professora do Instituto Federal Catarinense, campus Rio do Sul, área de Biotecnologia Vegetal.

Eduardo Bidese Pulh, Instituto Federal Catarinense

Possui graduação em Curso superior em Mecatrônica Industrial pelo Instituto Federal de Santa Catarina (2008), mestrado em Programa de Pós-Graduação em Egenharia Mecânica pela Universidade Federal de Santa Catarina (2011) e doutorado em Programa de Pós Graduação em Engenharia Mecânica pela Universidade Federal de Santa Catarina (2017). Atualmente é professor do Instituto Federal Catarinense. 

 

André da Costa, Instituto Federal Catarinense

Possui graduação em Agronomia pela Universidade do Estado de Santa Catarina (2002), mestrado em Manejo do Solo pela Universidade do Estado de Santa Catarina (2005) e doutorado em Manejo do solo pela Universidade do Estado de Santa Catarina (2012) com ênfase em Física do solo. Atualmente é Professor da Carreira de Magistério do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico desde novembro de 2015 no Instituto Federal Catarinense, Campus Rio do Sul – SC.

Jéssica Costa Santos, Instituto Federal Catarinense

Técnica em agropecuária formada no Instituto Federal Catarinense (IFC), Campus Araquari. Atualmente é acadêmica do curso de Agronomia do IFC, Campus Rio do Sul. 

Mário Lucio Roloff, Instituto Federal Catarinense

Possui graduação em Engenharia de Controle e Automação Industrial pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) (2000), mestrado em Engenharia Elétrica pela Universidade Federal de Santa Catarina (2002) com intercâmbio na Universidade Técnica de Aachen, Alemanha, mestrado profissional em Administração pela Universidade do Estado de Santa Catarina (2007) e doutorado em Engenharia de Automação e Sistemas pela UFSC (2014), com intercâmbio na Universidade Técnica de Aachen, Alemanha. Atualmente é Professor do ensino Básico, Técnico e Tecnológico na Unidade Tecnológica do campus Rio do Sul do Instituto Federal Catarinense (IFC) e líder do INOVA - Grupo de Pesquisa em Engenharia Mecatrônica.

Ricardo Kozoroski Veiga, Instituto Federal Catarinense

Possui graduação em Engenharia Mecânica pela Universidade Federal de Santa Maria (2002), mestrado em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Santa Maria (2004) e doutorado em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Santa Catarina (2017). É Professor do Instituto Federal Catarinense - Campus Rio do Sul. 

Referências

DUARTE, V.; ORTIZ, E. R. N. Podridão de Phytophthora da amêndoa e casca da Nogueira pecan. In: LUZ, E. D. M. N.; SANTOS, A. F.; MATSUOKA, K.; BEZERRA, J. L. Doenças causadas por Phytophthora no Brasil. Livraria Rural, Campinas, 2001. p. 493-508.

EMBRAPA. Centro Nacional de Pesquisa de Solos. Manual de métodos de análise de solo. 2. ed. Brasília, 1997. 212p.

EPAGRI. Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina. Secretaria da Agricultura acompanha impactos da estiagem em SC. Disponível em: https://www.epagri.sc.gov.br/index.php/2020/04/23/secretaria-da-agricultura-acompanha-impactos-da-estiagem-em-sc/. Acesso em 28 mai. 2020.

FILIPPIN, I. L. Viabilidade econômica do cultivo de nogueira pecã em áreas de reserva legal e de preservação permanente. 2012. 74 f. Dissertação (Mestrado Ciência e Tecnologia de Sementes) – Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 2012.

FRONZA, D.; POLETTO, T.; HAMANN, J. J. O cultivo da nogueira-pecã. 2015 1. ed. p. 301. Santa Maria: Universidade Federal de Santa Maria, Colégio Politécnico, Núcleo de fruticultura Irrigada.

IBGE. Produção Agrícola Municipal 2017: Rio de Janeiro: IBGE, 2017. 98 p.

MOKOCHINSKI, F. M. Estimativa de produção, caracterização física e perfil químico de amêndoas de nogueira-pecã. 2015, p. 66, Dissertação (Mestrado). Universidade Estadual do Centro-Oeste.

MOORE, L. M. Pecan. National Plant data Center. Baton Rouge, Louisiana, 2011. Disponível em: https://plants.usda.gov/plantguide/pdf/cs_cail2.pdf. Acesso em: 12 ago. 2017.

ORTIZ, E. R.N. Propriedades nutritivas e nutracêuticas das nozes. 2000. 42 p. Monografia (Especialização em Tecnologia de Alimentos) – Universidade de Santa Cruz do Sul. Santa Cruz do Sul, 2000.

PAINEL GOVERNAMENTAL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA (IPCC, sigla em inglês). Relatórios. Disponível em: https://www.ipcc.ch/site/assets/uploads/2019/07/SPM-Portuguese-version.pdf . Acesso em 19 de abril de 2020.

POLETTO, T. ; FANTINEL, V. S. ; MUNIZ, M. F. B. ; DUTRA, A. F. . Tamanho de amostra para caracterização de frutos de carya illinoinensis. Agropecuária Científica no semi-árido , v. 14, p. 103-107, 2018.

POLETTO, T.; MUNIZ, M. F. B.; POLETTO, I.; BAGGIOTO, C. Métodos de superação de dormência da semente de nogueira-pecã Carya illinoinensis (Wangenh) K. Koch. Revista Árvore, vol. 39, n. 6, 2015. Universidade Federal de Viçosa.

SAS Institute Inc. 2002-2003. Statistical analysis system. Release 9.1. (Software). Cary. USA.

ZOLDAN, P.C.; MIOR, L.C. Produção orgânica na agricultura familiar de Santa Catarina. Florianópolis: Epagri, 2012. 94 p.

Downloads

Publicado

2021-12-16