Histórias de luta e resistência: uma busca por direitos humanos historicamente negados à população campesina

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1807-0221.2021.e77012

Palavras-chave:

Direitos Humanos, Exposições Itinerantes, Educação do Campo

Resumo

O projeto de extensão aqui relatado, desenvolvido no ano de 2019, teve o objetivo de contribuir com o desenvolvimento de vivências alicerçadas na ampliação da compreensão dos Direitos Humanos, por meio da promoção da socialização de histórias de vida de campesinos. Para isso, foram coletadas narrativas de atores de uma comunidade campesina, localizada no Triângulo Mineiro, para o desenvolvimento de produções culturais sobre a própria comunidade, de modo a registrar e valorizar sua cultura. Essas produções foram apresentadas à comunidade na forma de uma exposição itinerante. A ação extensionista possibilitou evidenciar as lutas campesinas pela terra, educação, trabalho, viver com dignidade, sempre permeadas pela continuidade da luta e pelo trabalho coletivo. Evidenciar essas lutas forneceu subsídios para o empoderamento dos sujeitos do campo, e, especialmente, para a ampliação da visão acerca dos direitos humanos, desenvolvida a partir da interpretação das lutas relatadas nas entrevistas como a busca por direitos humanos que foram negados à população campesina.

Biografia do Autor

Camila Lima Miranda, Universidade Federal do Triângulo Mineiro

Doutora em Ciências (modalidade: Ensino de Química) pela Universidade de São Paulo(USP). Professora Adjunta da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM) no curso de Licenciatura em Educação do Campo. Também é professora e coordenadora substituta do Programa de Pós Graduação em Educação em Ciências e Matemática (PPGECM/UFTM).

Luan Antônio Rodrigues Galante, Universidade Federal do Triângulo Mineiro

Licenciando em Educação do Campo, habilitação Matemática. Universidade Federal do Triângulo Mineiro.

Referências

AULER, D. Enfoque Ciência-Tecnologia-Sociedade: Pressupostos Para o Contexto Brasileiro. Ciência & Ensino, v. 1, número especial, 2007.

BAQUERO, R. V. A. Empoderamento: instrumento de emancipação social? – uma discussão conceitual. Revista Debates, v. 6, n. 1, p. 173-187, 2012.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, tradução L. A. Reto & A. Pinheiro, 1977.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Constituição da República Federativa do Brasil. 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 13 set. 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Resolução nº 1, de 30 de maio de 2012. Estabelece Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=17810&Itemid= 866. Acesso em: 13 set. 2018.

CALDART, R. S. Educação do Campo. In: CALDART, R. S. et al. (Org.) Dicionário da Educação do Campo. Rio de Janeiro, São Paulo: Escola Politécnica Joaquim Venâncio, Expressão Popular, 2012, p. 259-267.

CANDAU, V. M. Sociedade multicultural e educação: tensões e desafios. In: CANDAU, V. M. (org.). Cultura(s) e educação: entre o crítico e o pós-crítico. Rio de Janeiro: DP&A, 2005.

CANDAU, V. M. Diferenças culturais, interculturalidade e educação em direitos humanos. Educ. Soc., v. 33, n. 118, p. 235-250, 2012.

CARCAIOLI, Gabriela Furlan. Conhecimentos Ordinários, currículo e cultura: artes de fazer no Acampamento Elizabeth Teixeira. Dissertação (mestrado), Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação. Campinas, SP: [s.n.], 2014.

CUNHA, M. I. Conta-me agora! As narrativas como alternativas pedagógicas na pesquisa e no ensino. Revista Faculdade de Educação, v. 23, n. 1-2, 1997.

DUBAR, C. A socialização: construção das identidades sociais e profissionais. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

DUBAR, C. A crise das identidades: A interpretação de uma mutação. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2009.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. 44ª edição revista e atualizada. São Paulo: Editora Paz e Terra, 2005.

GALVÃO, C. Narrativas em Educação. Ciência & Educação, v. 11, n. 2, p. 327-345, 2005.

LÜDKE, M; ANDRE, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MIRANDA, C. L.; PLACCO, V. M. N. S.; REZENDE, D. B. A Teoria das Representações Sociais e a Identidade Profissional na perspectiva de Claude Dubar: contribuições para a compreensão da profissão docente In: MISSIAS-MOREIRA, R.; SALES, Z. N.; FREITAS, V. L. C.; OLIVEIRA, D. C. (org.). Representações Sociais, Educação e Saúde: um enfoque multidisciplinar. 1. ed. Curitiba: CRV, 2017, v.3, p. 59-74.

MIRANDA, C. L.; NASCIMENTO, W. E. Narrativas Autobiográficas: Elementos para Educação em Direitos Humanos. Revista Práxis Educacional, v. 16, n. 41, p. 412-430, Edição Especial, 2020.

MOSCOVICI, S. A psicanálise, sua imagem e seu público. Petrópolis: Vozes: 2012.

OLIVEIRA, R. D. V. L.; QUEIROZ, G. R. P. C. Professores de ciências como agentes socioculturais e políticos: a articulação valores sociais e a elaboração de conteúdos cordiais. Revista Debates em Ensino de Química, v. 2, p. 14-31, 2016.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MIMEIRO. Projeto pedagógico do curso de licenciatura em educação do campo. Uberaba, 2019.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO. Decisão normativa nº 5, de 10 de outubro de 2017, do Coext. Uberaba, 2017.

Downloads

Publicado

2021-12-16